Concepções da equipe de saúde de um hospital de Curitiba/Paraná sobre a prática de Psicologia

Luziane Fatima Kirchner, Mariana Dambros Granzotto, Claudia Lucia Menegatti

Resumo


O trabalho do psicólogo é atualmente compreendido como forma de integrar as ciências médicas e sociais, porém sua atuação no hospital é ainda pouco conhecida pelos profissionais da saúde que nele atuam. Com base neste aspecto, o presente estudo visou investigar a percepção da equipe de saúde sobre o trabalho de Psicologia no ambiente hospitalar. Para isso, todos os profissionais de saúde de um Hospital Filantrópico de Curitiba/Paraná foram convidados a responder um questionário contendo questões que verificaram seu conhecimento sobre a atuação do psicólogo em geral e no ambiente hospitalar, sua percepção sobre a importância da atuação do psicólogo em diferentes áreas do hospital, como o trabalho com pacientes, familiares e/ou equipes de saúde e sua percepção sobre as necessidades de atuação do psicólogo neste ambiente. Através dos dados levantados, pode-se concluir que os participantes consideram importante a atuação do psicólogo no hospital, embora seja observado o conhecimento parcial sobre esta atuação. Algumas atribuições dadas a este profissional parecem inclusive trazem risco de confusão com a função de outros profissionais de saúde (ex.: percepção de que o psicólogo pode receitar medicamentos, 53%). Poucos respondentes tiveram contato com o psicólogo no hospital (64%), e indicaram que as formas de contato foram no atendimento com pacientes (38%), reuniões com a equipe de saúde (31%), e participação em cursos sobre psicologia (30%). Considerando a crescente inserção do psicólogo no hospital, o contato com este profissional mostra-se ainda reduzido. No entanto, a percepção dos respondentes quanto a necessidade do psicólogo realizar atendimento em grupo, com a equipe de saúde (64%) ou com familiares (48%), pode ser considerada um avanço, no sentido de ampliação do conhecimento sobre as diferentes modalidades de atendimento que a psicologia pode realizar no hospital.

Palavras-chave


psicologia hospitalar; profissionais de saúde; atuação em equipes multidisciplinares

Texto completo:

PDF

Referências


Backes, D. S., Filho, W. D. L., & Lunardi, V.L. (2006). O processo de humanização do ambiente hospitalar centrado no trabalhador. Revista da Escola de enfermagem, 40(2), 221-227. Recuperado em 08 de janeiro de 2010. Acesso em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v40n2/09.pdf

Calderero, A. R. L., Miasso, A. I., Corradi-Webster, C. M. (2008). Estresse e estratégias de enfrentamento em uma equipe de enfermagem em Pronto Atendimento. Revista Eletrônica de Enfermagem, 10(1), 51-62.

Campos, T. C. P. (1995). Psicologia hospitalar: A atuação do psicólogo em hospitais. São Paulo: EPU.

Conselho Federal de Psicologia. (1994) Psicólogo brasileiro: Práticas emergentes e desafios para a formação. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Fighera, J., & Viero, E. V. (2006). O olhar da equipe e usuários de um hospital geral sobre a necessidade de intervenção psicológica. Revista de Psicologia da UNC, 3(1), 12-20. Recuperado em 04 de janeiro de 2010. Acesso em: http://www.nead.uncnet.br/2009/revistas/psicologia/admin/chama_artigo.p hp?artigo=52.pdf&ed=5

Fongaro, M. L. H., Sebastiani, R. W. (1996). Roteiro de avaliação psicológica aplicada ao hospital geral. In: Angerami-Camon, V. A. E a Psicologia entrou no hospital. São Paulo: Pioneira.

Gorayeb, R. (2001). A prática da Psicologia hospitalar. In Caballo, V. E Marinho, M. L. Psicologia clínica e saúde. Londrina, Granada: UEL/APICSA. 263-278.

Jeammet, P., Reynaud, M., Consoli, S. (2000). Psicologia Médica. São Paulo: Medsi.

Leitão, M. S. (1993). O psicólogo e o hospital. Porto Alegre: Sagra DC Luzzatto.

Mendes, J. A., Lustosa, M. A., Andrade, M. C. M. (2009). Paciente terminal, família e equipe de saúde. Revista da Socidade Brasileira de Psicologia Hospitalar, 12(1), 151-173. Recuperado em 04 de janeiro de 2010. Acesso em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516- 08582009000100011

Menegatti, C. L. (2001). Prática psicológica em UTI – uma análise contextual. In: Guilhardi, H. J., Madi, M. B. B. P., Queiroz, P. P.; Scoz, M.C. (orgs). Sobre comportamento e cognição: Expondo a variabilidade. Vol. 7. Santo André: Esetec, 141-145.

Minayo, M. C. S., Hartz, Z. M. A., Buss, P. M. (2001). Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, 5(1), 7-18. Recuperado em 10 de maio de 2012. Acesso em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516- 08582009000100011http://www.scielo.br/pdf/csc/v5n1/7075.pdf

Miyazaki, M. C. O., Domingos, N. A. M., Caballo, V. E. (2001). Psicologia da saúde: Intervenções em hospitais públicos. In: Rangé, B. P. Psicoterapias cognitivo-comportamentais. Porto Alegre: Artmed, 463-474.

Mota, R.A., Martins, C. G. M., & Verás, R. M. (2006). Papel dos profissionais de saúde na política de humanização hospitalar psicologia. Psicologia em Estudo, 11(2), 323-330. Recuperado em 10 de maio de 2012. Acesso em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v11n2/v11n2a10.pdf Negromonte, M. R. O. (2010). O profissional de saúde frente a dor do paciente: estresse, enfrentamento e o trabalho em equipe. Dissertação (Mestrado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde) – Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Nina, M. D. (1995). A equipe de trabalho interdisciplinar no âmbito hospitalar. In: Oliveira, M. F. P., Ismael, S. M. C. Rumos da Psicologia Hospitalar em Cardiologia. São Paulo: Papirus.

Paschoalini, B., Oliveira, M.M., Frigério, M.C., Dias, A. L. R., & Santos, F. H. (2008). Cognitive and emotional effects of occupational stress in nursing professionals. Acta paulista de Enfermagem, 21(3), 487-492.

Quintana, A. M., & Arpini, D. M. (2002). A atitude da morte e seus efeitos no profissional de saúde: Uma lacuna da formação. Revista Psicologia Argumento, 19(30), 45-50.

Resende, M. C., Santos, F. A., Souza, M. M., & Marques, T. P. (2007). Atendimento psicológico a pacientes com insuficiência renal crônica: em busca de ajustamento psicológico. Psicologia Clínica, 19(2), 87-99. Recuperado em 10 de maio de 2012. Acesso em: http://www.scielo.br/pdf/pc/v19n2/a07v19n2.pdf

Romano, B. W. (1999). Princípios para a prática da Psicologia clínica em hospitais. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Tonetto, A. M., & Gomes, W. B. (2007). A prática do psicólogo hospitalar em equipe multidisciplinar. Estudos de Psicologia, 24(1), 89-98. Recuperado em 18 de maio de 2012. Acesso em: http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v24n1/v24n1a10.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2012v3n1p24

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)