Construção e validação da Escala de Racismo Revitimizador

Marcus Eugênio Oliveira Lima, Isabelle Haaiara Andrade Barbosa, Erick Matheus Santos Araujo, Juliana Nascimento de Almeida

Resumo


O racismo apresenta duas características centrais: persistência e adaptação. Considerando as mudanças sociais e políticas do Brasil na atualidade, hipotetiza-se que ele atue mediante atribuição de culpa às minorias pela existência do próprio racismo, numa lógica de revitimização. Neste artigo procedemos a construção e validação de uma Escala de Racismo Revitimizador (ERR). Foram realizados dois estudos. O primeiro (n = 121, 50,4% do sexo feminino, idade média = 25,3, DP=10,2) procedeu a uma análise de conteúdo de posts na internet para a construção e confirmação da ERR. O segundo (n = 104, 54,8% de sexo masculino, idade média = 22,9, DP=7,3) procedeu a validação convergente com o racismo moderno e discriminativa com o autoritarismo, bem como Análise Fatorial Confirmatória e correlações com a motivação interna/externa para responder sem preconceito. Os resultados demonstram que a ERR é menos obstrutiva que a escala de racismo moderno e apresenta validade convergente e discriminativa.


Palavras-chave


estudo de validação; escala de racismo; vitimização secundária; conservadorismo

Texto completo:

PDF

Referências


Altemeyer, B. (1981). Right wing authoritarianism. Winnipeg: University of Manitoba Press.

Arcoverde, L. (2018, 27 de julho). Crimes de racismo e injúria racial crescem 29% em São Paulo em 2018. Globo News, Recuperado de https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/07/27/crimes-de-racismo-e-injuria-racial-crescem-29-em-sao-paulo-em-2018.ghtml

Bastide, R., & Fernandes, F. (1959). Brancos e negros em São Paulo. São Paulo, SP: Companhia Editora Nacional.

Billiet, J. B., & McClendon, M. J. (2000). Modeling acquiescence in measurement models for two balanced sets of items. Structural Equation Modeling, 7(4), 608–628. doi:10.1207/S15328007SEM0704_5

Bret, A., Beffara, B, McFadyen, J., & Mermillod, M. (2017). Right wing authoritarianism is associated with race bias in face detection. PLoSOne, 12(7), e0179894. doi:10.1371/journal.pone.0179894.

Cohen, C. J., Fowler, M., Medenica, V. E., & Rogowski, J. C. (2017). The ‘Woke’ Generation? Millennial Attitudes on Race in the US. Recuperado de https://genforwardsurvey.com/assets/uploads/2017/10/GenForward-Oct-2017-Final-Report.pdf

Dovidio, J. F. & Gaertner, S. L. (1998). On the nature of contemporary prejudice: The causes, consequences, and ‘challenges of aversive racism. In J. L. Eberhardt & S. T. Fiske (Eds.), Confronting Racism: The problem and the response (pp. 3-32). Califórnia: SAGE.

Dovidio, J. F., Hewstone, M., Glick, P., & Esses, V. M. (2010). Prejudice, stereotyping and discrimination: Theoretical and empirical overview. Em J. F. Dovidio, M. Hewstone, P. Glick, & V. M. Esses (Eds.), The SAGE handbook of prejudice, stereotyping and discrimination, (pp. 3-29). Califórnia: SAGE.

Duckitt, J. (1992). Psychology and prejudice: A historical analysis and integrative Framework. American Psychologist, 47(10),1182-1193. doi: 10.1037/0003-066X.47.10.1182

Feldman, S., & Huddy. L. (2005). Racial Resentment and white opposition to race-conscious programs: Principles or prejudice?. American Journal of Political Science, 49(1), 168–183. doi:10.2307/3647720

Feres Jr., J., & Campos, L. A. (2016). Ação afirmativa no Brasil: Multiculturalismo ou justiça social? Lua Nova, 99, 257-293. doi:10.1590/0102-6445257-293/99

Fernandes, F. (1966). O Negro no mundo dos brancos. São Paulo, SP: Difusão Européia do Livro.

Fredrickson, G. M. (2015). Racism: A short history. Nova Jersey: Princeton University Press.

Freyre, G. (1933/1983). Casa-grande e senzala: Formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Lisboa: Edição Livros do Brasil.

G1 (2018, 07 e janeiro). Blog com mensagens racistas sobre estudantes provoca revolta em universidade do Rio. Recuperado de https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/blog-com-mensagens-racistas-sobre-estudantes-negros-provoca-revolta-em-universidade-do-rio.ghtml

Gouveia, V. V., Souza Filho, M. L., Araújo, A. G. T., Guerra, V. M., & de Sousa, D. F. M. (2006). Correlatos valorativos das motivações para responder sem preconceito. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(3), 422-432. doi:10.1590/S0102-79722006000300011

Hu, L. T., & Bentler, P. M. (1999). Cutoff criteria for fit indexes in covariance structure analysis: Conventional criteria versus new alternatives. Structural Equation Modeling: A Multidisciplinary Journal, 6, 1–55. doi:10.1080/10705519909540118

Jornalistas Livres (2018, 26 de janeiro). Piauiense é a primeira negra diplomata no Itamaraty. Recuperado de www.facebook.com/jornalistaslivres/photos/a.292153227575228/680009545456259/?type=3&theater

Lima, M. E. O (2014). Preconceito. In A. R. R. Torres, L. Camino, M. E. O. Lima, & M. E. Pereira (Eds.). Psicologia social: Temas e teorias (pp. 589-642). Brasília, DF: Techonopolitik.

Lima, M. E. O. (2019). O que há de "novo" no novo racismo do Brasil? Revista Ensaios e Pesquisas em Educação e Cultura, 4, 155-177. doi:10.29327/211303

Lima, M. E. O., Almeida, J. N., Araujo, E. M. S., & Barbosa, I. H. A. (2019). Crise, anomia e identificação com o Brasil de 2014 a 2018. In A. Faro, M. E. O. Lima, D. França, S. Enumo, & C. Pereira. (Eds.). Psicologia Social e Psicologia da Saúde: Tópicos atuais (p. 33-52). Curitiba, PR: CRV.

Lima, M. E. O., Neves, P. S. da C., & Silva, P. B. (2014). A implantação das cotas na Universidade: Paternalismo e ameaça à posição dos grupos. Revista Brasileira de Educação, 19(56), 141-164. doi:10.1590/S1413-24782014000100008

Mauro, M. (2018, 20 de novembro). Denúncias de discriminação racial aumentam 43,75% de 2017 para 2018. Destak, Recuperado de https://www.destakjornal.com.br/cidades/rio-de-janeiro/detalhe/denuncias-de-discriminacao-racial-aumentam-4375-de-2017-para-2018

McConahay, J. B., & Hough, J. C. Jr. (1976). Symbolic racism. Journal of Social Issues, 32(2), 23-45. doi:10.1111/j.1540-4560.1976.tb02493.x

Michael, G. (2017). The rise of the alt-right and the politics of polarization in America. Skeptic, 22, 9-17.

Miles, R. (1989). Racism. Londres: Routledge.

Munanga, K. (1996). As facetas de um racismo silenciado. In L. M. Schwarcz, R. D. S. & Queiroz, (Eds). Raça e diversidade (pp. 213-229). São Paulo, SP: Estação Ciência, Universidade de São Paulo.

Observatório da Discriminação Racial no Futebol Brasileiro (2019). Futebol racista: A discriminação de ontem e hoje. Recuperado de https://observatorioracialfutebol.com.br/textos/futebol-racista-a-discriminacao-de-ontem-e-hoje/

Pierson, D. (1942). Negroes in Brazil: A study of race contact at Bahia. Carbondale II: Southern Illinois University Press.

Pires, A. M. L. T. (2010). El prejuicio racial en Brasil: Medidas comparativas. Psicologia & Sociedade, 22(1), 32-42. doi:10.1590/S0102-71822010000100005

Plant, E. A., & Devine, P. G. (1998). Internal and external motivation to respond without prejudice. Journal of Personality and Social Psychology, 75(3), 811-832. doi:10.1037/0022-3514.75.3.811

Plant, E. A., & Devine, P. G. (2001). Responses to other-imposed pro-Black pressure: Acceptance or backlash?. Journal of Experimental Social Psychology, 37, 486–501. doi:10.1006/jesp.2001.1478.

Sacco, A. M., Couto, M. C. P. de P., & Koller, S. H. (2016). Revisão sistemática de estudos da psicologia brasileira sobre preconceito racial. Temas em Psicologia, 24(1), 233-250. doi:10.9788/TP2016.1-16

Santos, A. O., Schucman, L. V., & Martins, H. V. (2012). Breve histórico do pensamento psicológico brasileiro sobre relações étnico-raciais. Psicologia: Ciência e Profissão, 32, 166-175. doi:10.1590/S1414-98932012000500012.

Santos, W. S., Gouveia, V. V., Navas, M. S., Pimentel, C. E., & Gusmão, E. E. (2006). Escala de racismo moderno: Adaptação ao contexto brasileiro. Psicologia em Estudo Maringá, 11(3), 637-645. doi:10.1590/S1413-73722006000300020.

Schwarcz, L. M. (1993). O espetáculo das raças: Cientistas, instituições e questão racial no Brasil do século XIX. São Paulo, SP: Editora Companhia das Letras.

Shevlin, M., & Miles, J. N. (1998). Effects of sample size, model specification and factor loadings on the GFI in confirmatory factor analysis. Personality and Individual Differences, 25, 85–90. doi:10.1016/S0191-8869(98)00055-5

Sidanius, J. (1993). The psychology of group conflict and the dynamics of oppression: A social dominance perspective. In S. Iyengar, & W. McGuire (Eds.), Explorations in political psychology (pp. 183-219). Durham, NC: Duke University Press.

Sou de Sergipe (2017, 23 de novembro). Sou de Sergipe, Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=0hVh2Z6fXRA

Vala, J., & Pereira, C. (2012). Racism: An evolving virus. In: F. Bettencourt, A. J. Pearce (Eds.) Racism and ethnic relations in the portuguese-speaking world (pp. 49-70). New York, NY: Oxford University Press.

Turra, C., & Venturi, G. (1995). Racismo cordial: A mais completa análise sobre o preconceito de cor no Brasil. São Paulo, SP: Editora Ática.

Vieira, R. M. (2015). Racismo à moda da casa. GV Executivo, 14, 62. doi:10.12660/gvexec.v14n1.2015.49196

Vilela, M. O. (2012). A Personalidade autoritária do chão de fábrica à gerência: Um estudo aplicando a Escala RWA adaptada da Escala "F" de Adorno. (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil. Recuperado de http://www.biblioteca.pucminas.br/teses/Administracao_VilelaMO_1.pdf.

Wachelke, J., Natividade, J., Andrade, A., Wolter, R., & Camargo, B. (2014). Caracterização e avaliação de um procedimento de coleta de dados online (CORP). Avaliação Psicológica, 13(1), 143-146.

Yang, J. (2014). Effect of racism on African American women's development of psychological distress: The role of psychological wellbeing and racism-related social support. Theses and Dissertations, Iowa State University. Recuperado de https://lib.dr.iastate.edu/etd/13873.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n2p130

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)