A importância do cotidiano oferecido pelo acompanhante terapêutico a pacientes psicóticos

Aline Vilarinho Montezi

Resumo


O presente trabalho compartilha o relato de um caso de Acompanhamento Terapêutico, que consiste numa modalidade de atendimento que teve início com a Reforma Psiquiátrica e utiliza, principalmente, o cotidiano como setting. Trata-se de um paciente psicótico, que teve alta de uma internação psiquiátrica com a condição de continuar o tratamento em regime de Hospital Dia. Durante dois meses e meio, o paciente foi acompanhado à clínica de ônibus, o que permitiu um maior contato com a sociedade. Foi feito uso de alguns pressupostos de Winnicott para dialogar com o relato e, para comunicar o acontecido, foi redigida uma narrativa. A partir do atendimento, foi possível concluir que o Acompanhamento Terapêutico é um importante recurso ao paciente psicótico, uma vez que se torna uma possibilidade de situá-lo e recolocá-lo frente à ruptura cultural que sofreu, retomando, dessa forma, a própria subjetividade.

Palavras-chave


acompanhamento terapêutico; cotidiano; Winnicott

Texto completo:

PDF

Referências


Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2004). Ser e fazer: Enquadres diferenciados na clínica winnicottiana. São Paulo: Idéias e Letras.

Cabral, K. V. (2005). Acompanhamento terapêutico como dispositivo da Reforma psiquiátrica: Considerações sobre o setting. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Dametto, C. & Galanternick, R. C. (1971). A propósito de uma técnica psicoterápica não interpretativa. In: Anais do VI Congresso LatinoAmericano de Psiquiatria e I Congresso Brasileiro De Psiquiatria, p. 89-91. São Paulo.

Medeiros, C. (2009). Girando o cata-vento: Sofrimento e cuidado na psicanálise do ser e fazer. Tese de Doutorado do Instituto de Psicologia da USP. São Paulo.

Safra, G. (1998). A loucura como ausência de cotidiano. Psychê, 2(2), 99-108.

Winnicott, D.W. (1986). Holding e interpretação. Tradução de Sônia Maria Tavares Monteiro de Barros. São Paulo: Martins Fontes.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2012v3n2p258

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)