Democracia e cuidado em saúde mental: atravessamentos éticos e políticos

Andressa Mayara Silva Souza, Rafael Coelho Rodrigues

Resumo


O presente trabalho objetiva apresentar uma articulação entre os campos da saúde e da política, de modo a indicar a forma como cada um define e enquadra alguns de seus conceitos e, sobretudo, suas práticas. A noção de Psicologia aqui operada supera a produção de uma psicologia da representação que retira as possibilidades de singularização, para pensar em uma psicologia da diferença, que questiona os saberes/poderes instituídos. Conclui-se, nessa linha de considerações, com a importância de afirmação de uma perspectiva democrática de acesso aos serviços de saúde e participação ativa dos usuários nos modos de produção de cuidado. Defende-se, portanto, uma clínica a ser construída e reinventada a partir do encontro com os(as) usuários(as).


Palavras-chave


psicologia; democracia; saúde mental.

Texto completo:

PDF

Referências


Batista, V. M. (2003). Difíceis ganhos fáceis: Drogas e juventude pobre no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ: Revan/IBCCRIM.

Cardoso, H. R., Jr. (2005). Para que serve uma subjetividade? Foucault, tempo e corpo. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(3), 343-349. doi:10.1590/S0102-79722005000300008

Cerqueira, D., Bueno, S., Lima, R. S., Neme, C., Ferreira, H., Alves, P. P., … Armstrong, K. (2019). Atlas da violência 2019. Brasília, DF: IPEA.

Foucault, M. (1975-2009). Vigiar e punir: Nascimento da prisão (R. Ramalhete, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Vozes.

Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. In H. L. Dreyfus & P. Rabinow (Eds.), Michel Foucault – uma trajetória filosófica – para além do estruturalismo e da hermenêutica (pp. 231-239). Rio de Janeiro, RJ: Editora Forense Universitária.

Foucault, M. (1994). Dits et écrits. Paris: Gallimard.

Guattari, F. (1992). Caosmose. São Paulo, SP: Editora 34.

Guattari, F., & Rolnik, S. (2010). Micropolítica: Cartografias do desejo (10ª ed.). Rio de Janeiro, RJ: Vozes.

Lemos, F. C. S., Aquime, R. H. S., Franco, A. C. F. & Piani, P. P. F. (2017). O extermínio de jovens negros pobres no Brasil: Práticas biopolíticas em questão. Pesquisas e práticas psicossociais, 12(1), 164-176.

Levitsky, S., & Ziblatt, D. (2018). Como as Democracias Morrem. São Paulo, SP: Zahar.

Nascimento, M., Macedo, J., & Bocco, F. (2006). Reinventando as práticas psi. Psicologia & Sociedade, 18(1), 15-20. doi:10.1590/S0102-71822006000100003.

Mbembe, A. (2003). Necropolitics. Public Culture, 15(1), 11-40. doi:10.1215/08992363-15-1-11

Passos, E., & Benevides, R. (2006). Passagens da clínica. In A. Maciel, D. Kupermann, & S. Tedesco (Eds.), Polifonias: Clínica, Política e Criação (pp. 89-100). Rio de Janeiro, RJ: Contracapa.

Presidência da República. Subchefia para Assuntos Jurídicos. (2019). Lei nº 13.840, de 05 de junho de 2019. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas e as condições de atenção aos usuários ou dependentes de drogas e para tratar do financiamento das políticas sobre drogas. Brasília, DF.

Rancière, J. (2014). O ódio à Democracia. São Paulo, SP: Boitempo Editorial.

Rodrigues, R. C. (2016). O Conservadorismo moderado, as políticas públicas e nós, intelectuais-militantesé-pesquisadores (O programa Crack é possível vencer como dispositivo de análise). (Relatório de Pós-doutorado). Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, Brasil.

Rolnik, S. (1995). À sombra da cidadania: Alteridade, homem da ética e reinvenção da democracia. In M. C. R. Magalhães (Ed.), Na sombra da cidade (pp. 141-170). São Paulo, SP: Escuta.

Santos, B. S. (2002). Democratizar a democracia. Os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Souza, T. (2011). Constituição, segurança pública e estado de exceção permanente: A biopolítica dos autos de resistência. (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2020v11n2p16

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)