Estranhos desejos: a proliferação de categorias científicas sobre os “desejos pela deficiência”

Marco Antonio Gavério

Resumo


O artigo busca problematizar as colocações sobre o “desejo pela deficiência” como patologias sexuais ou identitárias. Para isso, se propõe uma incursão nas terminologias e configurações biomédicas sobre o tema para compreender quais discursos são acionados quando se discrimina como “doentes” aqueles e aquelas que buscam relacionar-se eroticamente com deficientes ou que querem causar “deficiências” em seus próprios corpos. Assim, foi investigada a bibliografia clínica produzida sobre devotees, pretenders e wannabes, almejando sistematizar ao máximo historicamente as continuidades e descontinuidades científicas na criação de ‘tipos patológicos'. Concomitantemente, visando estabelecer um diálogo crítico com o conhecimento biomédico sobre sexualidade e deficiência, foi feita uma incursão mais pontual na intersecção entre disability studies e teoria queer, a chamada teoria crip.

Palavras-chave


Deficiência; Sexualidade; Estudos sobre Deficiência; Teoria Crip; Desejo

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, B. Imaginando trans: saberes e ativismos em torno das regulações das transformações corporais do sexo. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

BARIL, A. Needing to acquire a physical impairment/disability: (re) thinking the connections between trans and disability studies through transability. Hypathia: journal of feminist philosophy, Oregon, v .30, n. 1, p.30-48, 2015.

BAYNE, T.; LEVY, N. Amputees by choice: body integrity identity disorder and the ethics of amputation. Journal of Applied Philosophy, Oxford, v. 22, n. 1, 2005.

BENTO, B. A. M. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BENTO, B. O que é transexualidade?. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012. (Coleção Primeiros Passos).

BENTO, B.; PELÚCIO, L. Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 559-568, 2012.

BLOCK, P. Sexuality, fertility, and danger - twentieth-century images of women with cognitive disabilities. Sexuality and Disability, [London], v. 18, n. 4, p. 239-254, 2000.

BLOCK, P. Sexuality, parenthood and cognitive disability in Brazil. Sexuality and Disability, [London], v. 20, n. 1, p. 7-28, 2002.

BRUNO, R. Devotees, pretenders and wannabes: two cases of factitious disability disorder. Sexuality and Disability, [London], v. 15, n. 4, p. 243-260, 1997.

CAMPBELL, F. K. Inciting legal fictions: disability’s date with ontology and the ableist body of the law. Griffith Law Review, Brisbane, v. 10, n. 1, p. 42-62, 2001.

CAMPBELL, F. K. Contours of ableism: the production of disability and abledness. Califórnia: Pallgrave McMillan, 2009.

CONNELL, R. Southern theory: the global dynamics of knowledge in social science. Cambridge: Polity Press, 2007.

DAVIS, J. L. Prosuming identity - the production and consumption of transableism on transabled.org. American Behavioral Scientist, Princeton, v. 56, n. 4, p. 596-617, 2012.

DAVIS, L. J. The end of identity politics and the beginning of dismodernism. In: DAVIS, L. J. (ed.). The disability studies reader. New York: Routledge, p. 231-242, 2006.

DINIZ, D. Modelo social da deficiência: a crítica feminista. Brasília: Letras Livres, 2003. (Série Anis, v. 28).

DINIZ, D. O que é deficiência. São Paulo: Editora Brasiliense, 2007.

DUARTE, L. C.; ROHDEN, F.. Entre o obsceno e o científico: pornografia, sexologia e a materialidade do sexo. Rev. Estud. Fem., Florianopolis, v. 24, n. 3, p. 715-737, Dec. 2016.

ELLIOTT, C. A new way to be Mad. [S. l.]: The Atlantic, 2000. Disponível em: http://www.theatlantic.com/past/issues/2000/12/elliott.htm. Acesso em: 28 de outubro de 2013.

FERREIRA, Carolina Branco de Castro. Desejos regulados: grupos de ajuda mútua, éticas afetivo-sexuais e produção de saberes. Tese (Doutorado) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Unicamp, 2012.

FINE, M.; ASCH, A. Disabled women: sexism without the pedestal. The Journal of Sociology and Social Welfare, Michigan, v. 8, n. 2, p. 233-248, 1981.

FINE, M.; ASCH, A. (ed.). Women with disabilities: essays in psychology, culture, and politics. Philadelphia: Temple University Press, 1988.

FINGER, A. Forbidden fruit. New Internationalist, New York, n. 233, 1992.

FIRST, M. B. Desire for amputation of a limb: paraphilia, psychosis, or a new type of identity disorder?. Psychological Medicine, Cambridge, v. 35, n. 6, p. 919-928, 2005.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. São Paulo: Graal, 2005.

GARLAND-THOMSON, R. From Wonder to error: a genealogy of freak discourse in modernity. In: MITTMAN, A.; HENSEL, M. (Eds.). Classic Readings on Monster Theory: Demonstrare, Volume One. Leeds: Arc Humanities Press, p. 89-98, 2018.

GAVÉRIO, M. A. Medo de um planeta aleijado? notas para possíveis aleijamentos da sexualidade. Áskesis, São Carlos, v. 4, p. 103-117, 2015.

GAVÉRIO, M. A. Nada sobre nós, sem nossos corpos! O local do corpo deficiente nos disability studies. Revista Argumentos, v. 14, p. 95-117, 2017a.

GAVÉRIO, M. A. Estranha Atração: A Criação de Categorias Científicas para Explicar os Desejos pela Deficiência. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Sociologia, Centro de Educação e Ciências Humanas, UFSCar, 2017b.

GILMAN, S. L. Difference and pathology: stereotypes of sexuality, race, and madness. Ithaca: Cornell University Press, 1985.

HAHN, H. The social component of sexuality and disability: some problems and proposals. Sexuality and Disability, [London], n. 4, p. 220-233, 1981.

HALL, S. Identidade cultural e diáspora. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 24, p. 68-75, 1996.

HALL, S. The spectacle of the other. In: HALL, S. (ed.). Representation: cultural representation and signifying practices. London: SAGE Publications, 1997a.

HALL, Stuart. The Work of Representation. In: HALL, Stuart (ed.). Representation: Cultural Representation and Signifying Practices. London: SAGE Publications, 1997b.

HARAWAY, D. Manifesto Ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: SILVA, T. T. (org.). Antropologia do Ciborgue: as vertigens do pós-humano Hari Kunzru e Donna Haraway. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2000. p. 33-118.

HARLOS, F. E. Sociologia da deficiência: vozes por significados e práticas (mais) inclusivas. São Carlos: UFSCar: PPGES, 2012.

HUGHES, B.; PATERSON, K. The social model of disability and the disappearing body: towards a sociology of impairment. Disability & Society, London, v. 12, n. 3, p. 325 – 340, 1997.

IRVINE, J. Disorders of Desire: sexuality and gender in modern american sexology. Ithaca: Temple University Press, 2005.

KAFER, A. Feminist, Queer, Crip. Bloomington: Indiana University Press, 2013. (Edição Kindle).

LA MUERTE de la clínica?. Paul Beatriz Preciado. [S. l.: s. n.], 2013. 1 vídeo (1h54). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=4aRrZZbFmBs. Acesso em: 10 de março de 2015

LEITE JUNIOR, J. Nossos corpos também mudam: a invenção das categorias ‘travesti’ e ‘transexual’ no discurso científico. São Paulo: Annablume, 2011.

MACHADO, P. S. O sexo dos anjos: um olhar sobre a anatomia e a produção do sexo (como se fosse) natural. Cadernos Pagu, São Paulo, v. 24, p. 249-281, 2005.

MANUAL diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM – 5. Tradução Maria Inês Corrêa Nascimento et al. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014. Título original: Diagnostic and statistical manual of mental disorders.

MCNEIL, M. Feminist cultural studies of science and technology. New York: Routledge, 2007.

MCRUER, R. Crip theory: cultural signs of queerness and disability. New York: New York University Press, 2006.

MCRUER, R. Critical investments - AIDS, Christopher Reeve, and Queer-Disability Studies. Medical Humanities, London, v. 23, n. 3/4, p. 221-237, 2002.

MCRUER, R.; MOLLOW, A. (ed.). Sex and disability. Durham, NC: Duke University, 2012. Kindle edition.

MCRUER, R.; WILKERSON, E. Desiring disablity, queer theory meets disability studies. A Journal of Lesbian and Gay Studies, Durham, v. 9, n. 1/2, p. 01-23, 2003.

MEINERZ, N. E. Corpo e outras (de) limitações sexuais: uma análise antropológica da revista Sexuality and Disabilty. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 25, p. 117-132, 2010.

MELLO, A. G. Por uma abordagem antropológica da deficiência: pessoa, corpo e subjetividade. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Sociais) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

MELLO, A. G.; NUERNBERG, A. H. Gênero e deficiência: interseções e perspectivas. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 3, p. 635-655, set. 2012.

MELLO, A. G. Dos pontos de vista antropológico, queer e crip: corpo, gênero e sexualidade na experiência da deficiência. In: GROSSI, M.; FERNANDES, F. (org.). A força da “situação” de campo: ensaios sobre antropologia e teoria queer. Florianópolis: EdUFSC, 2018.

MELLO, A. G.; GAVERIO, M. A. Facts of cripness to the Brazilian: dialogues with Avatar, the film/Fatos da aleijadice à brasileira: diálogos com Avatar, o filme. Anuário Antropológico, Brasília, v. 44, n. 1, p. 43-65, 2019.

MEYEROWITZ, B. E.; CHAIKEN, S.; CLARK, L. K.. Sex roles and culture: social and personal reactions to breast cancer. In: FINE, M.; ASCH, A. (ed.). Women with disabilities: essays in psychology, culture and politics. Philadelphia: Temple University Press, p. 72-89, 1988.

MISKOLCI, R. Negociando visibilidades: segredo e desejo em relações homoeróticas masculinas criadas por mídias digitais. Bagoas: estudos gays: gêneros e sexualidades, Natal, v. 8, p. 51-78, 2014.

MONEY, J.; SIMCOE, K. W. Acrotomophilia, sex, and disability: new concepts and case report. Sexuality and Disability, [London], v. 7, p. 43-50, 1986.

MONEY, J.; JOBARIS, R.; FURTH, G. Apotemnophilia: two cases of self-demand amputation as paraphilia. The Journal of Sex Research, New York, v. 13, n. 2, p. 115–125, 1977.

MONEY, J. Paraphilia in females - fixation on amputation and lameness, two personal accounts. Journal of Psychology & Human Sexuality, London, v. 3, p. 2, p. 165-172, 1991.

O’TOOLE, C.; BREGANTE, J. L. Lesbians with disabilities. Sexuality and Disability, [London], v. 10, n. 3, p. 163–172, 1992.

RAMÍREZ, J. M. Antropología Crip: Cuerpo, Discapacidad, Cuidado e Interdependencia. Ciudad de México: La Cifra Editorial, 2019.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.

SEDGWICK, E. K. How to Bring Your Kids up Gay. In: WARNER, M. (ed.). Fear of a queer planet: queer politics and social theory. Minneapolis: University of Minnesota Press, p. 69- 81, 1993.

SHAKESPEARE, T.; GILLESPIE-SELLS, K.; DAVIES, D. The sexual politics of disability: Untold Desires. London: CASSELL, 1996.

SHILDRICK, M. Contested pleasures: the sociopolitical economy of disability and sexuality. Sexuality Research & Social Policy, London, v. 4, n. 53, p. 53-66, 2007.

SHUTTLEWORTH, R. P.; MONA, L. Introduction. Disability Studies Quarterly , [S. l.], v.22, n. 4, p. 2-9, 2002.

SMITH, R. C. Amputee identity disorder and related paraphilias. Psychiatric, [London], v. 3, n. 8, p. 27-30, 2004.

STEVENS, B. Interrogating transability: a catalyst to view disability as body art. Disability Studies Quarterly, [S. l.], v. 31, n. 4, 2011.

STIKER, H. J. A history of disability. Ann Arbor: University of Michigan Press, 1999.

TRAWEEK, S. An introduction to cultural and social studies of sciences and technologies. Cult Med Psych., London, v. 17, n. 3, p. 3-25, 1993.

TREMAIN, S. Foucault, governmentality, and critical disability theory: an introduction. In:

TREMAIN, S. (ed.). Foucault and the government of disability. Ann Arbor: The University of Michigan Press, p. 01-24, 2005.

TREMAIN, S. Queering disabled sexuality studies. Sexuality and Disability, [London], v. 18, n. 4, 2000.

WEEKS, J. Sexuality and its discontents: meanings, myths & modern sexualities. New York: Routledge, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-7939.2021v6n1p52

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Educação em Análise

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Educação em Análise
Issn: 2448-0320
E-mail: educanalise@uel.br

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença 
Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.