Criações e transgressões no diálogo entre transgeneridade e deficiência: “entre travas e rodas”

Giovanna Marafon, Roberta Piluso

Resumo


Neste artigo propomos realizar a descrição de seis episódios criados para o canal do Youtube “Entre travas e rodas”, em que uma mulher cadeirante (Ivone Gomes – conhecida como “gata de rodas”) e uma mulher travesti (Amara Moira) se encontram e articulam suas pautas e discussões em comum, tais como: as dificuldades de transitar pela cidade, os olhares de estranhamento e a capacidade compulsória, abordando ainda questões relativas a sexualidades, transexualidade, representatividade, acessibilidade e capacitismo. A partir desse importante material audiovisual de acesso amplo e gratuito, realizamos uma análise sobre as relações entre os estudos de gênero e os estudos da deficiência, interrogando como ambos se articulam e como cada campo contribui para o outro, problematizando a transversalidade entre os estudos de gênero e os estudos da deficiência para afirmar corpos transgressores. Para isso, assumimos a perspectiva do Modelo Social da Deficiência, com uma leitura feminista pautada na abordagem interseccional, com influência das teorias queer e crip. A discussão percorrerá ainda o referencial teórico de autoras e autores, como: Débora Diniz, Anahí Guedes Mello, Sara Wagner Pimenta, Robert McRuer, Amara Moira, Ana Lúcia Santos e Ana Cristina Santos.


Palavras-chave


Deficiência; Gênero; Feminismo; Capacidade compulsória Transgressão

Texto completo:

PDF

Referências


AKOTIRENE, C. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BERNARDES, A. G et al. Problema de Pesquisa como uma estratégia metodológica. In: Ferreira, Marcelo e Moraes, Marcia (orgs). Políticas de pesquisas em psicologia social/ Rio de Janeiro: Nova Aliança Editora e Papéis, 2016, p. 73 – 92.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos. Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Resolução n. 12 de 16 de janeiro de 2015. Estabelece parâmetros para a garantia das condições de acesso e permanência de pessoas travestis e transexuais - e todas aquelas que tenham sua identidade de gênero não reconhecida em diferentes espaços sociais [...]. Brasília: Presidência da Republica, 2015. Disponível em: http://www.lex.com.br/legis_26579652_RESOLUCAO_N_12_DE_16_DE_JANEIRO_DE_2015.aspx. Acesso em: 5 fev. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário 845779/SC. Direito administrativo e outras matérias de direito público, garantias constitucionais, não discriminação. Direito civil, responsabilidade civil, indenização por dano moral. Recorrente: André dos Santos Fialho. Recorrido: Beiramar empresa Shopping Center Ltda. Relatora: Min. Roberto Barroso, 22 de outubro de 2014. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=4657292. Acesso em: 6 fev. 2020.

BUTLER, J. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Tradução Sérgio Lamarão e Arnaldo da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, J. Corpos em aliança e a política das ruas. Notas para uma teoria performativa de assembleia. Tradução Fernanda Miguens. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CANGUILLEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

CARNEIRO, S. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CIDH. Corte Interamericana de Direitos Humanos. Opinião Consultiva n°. 24/2017. Julgado em 24.11.2017. Disponível em:. Acesso em: 6 fev. 2020.

DINIZ, D. O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-7939.2021v6n1p30

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Educação em Análise

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Educação em Análise
Issn: 2448-0320
E-mail: educanalise@uel.br

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença 
Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.