As Máquinas de Wimshurst do Colégio Marista Arquidiocesano de São Paulo

Bruno Bianchi Lopes Gonçalves

Resumo


O Museu Escolar do Colégio Marista Arquidiocesano de São Paulo conta com um grande número de objetos científicos sendo um deles o assunto principal deste artigo, a Máquina de Wimshurst, uma invenção do britânico James Wimshurst. Discorreremos, neste texto, sobre os exemplares encontrados no acervo do Colégio, notando sua presença também em livros didáticos e catálogos de países como França, Alemanha e Estados Unidos da América. A característica experimental do ensino de física no começo do século XX trouxe a figura dos instrumentos científicos para a sala de aula. Pelo currículo carregado predominantemente de material teórico, os pesquisadores do campo da eletricidade adquiriram na máquina os resultados e o entusiasmo de que precisavam para complementar a metodologia dos seus estudos. A praticidade e a capacidade da máquina de Wimshurst para resolução de problemas antigos ligados a outras máquinas eletrostáticas, como por exemplo a inversão de polaridade, fez com os laboratórios de física se interessassem pela aquisição desse instrumento.


Palavras-chave


Ensino intuitivo; Máquina de Wimshurst; Instrumentos de física; Eletroestática.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, Morgan Company. The experimenter’s Supply House. Upper Montclair, N. J.: USA. p. 124-125, 1915.

AZEVEDO, Paulo de. Física. Curso Secundário. Programa Ginasial Completo. Coleção F.T.D. Livraria Francisco Alves: São Paulo, 1927.

BOCCHI, Luna Abrano. A configuração de novos locais e práticas pedagógicas na escola: museu escolar, os laboratórios e gabinetes de ensino do Colégio Marista Arquidiocesano de São Paulo (1908-1940). Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação. PUC-SP: São Paulo, 2013.

BONTEMPI JR, Bruno. Aspectos Históricos da Escola em São Paulo. Revista do Arquivo Municipal, p. 30 v.205: São Paulo, 2014.

CHICAGO, Apparatus Company. Physical Instruments Apparatus and Supplies. Catalog nº42: Chicago, USA. 1931.

CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 12, 2015, Paranavaí. O papel das atividades experimentais no processo ensino-aprendizagem de física. Pr: Educere, 2015. 14 p. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/18234_8366.pdf. Acesso em: 05 jul. 2018.

DELLMANN, Sarah. Radiguet & Massiot, lantern and slide dealer. 2012. Disponível em: https://slides.uni-trier.de/organisation/index.php?id=1001420. Acesso em: 04 jul. 2018.

DR. OX. Curiosidades scientificas. Jornal do Recife. Pernambuco, Anno XLVIII, N. 193, ago./1905.

FEIJÓ JUNIOR, Luiz Alberto. A história do desenvolvimento das máquinas eletrostáticas como estratégia para o ensino de conceitos de eletrostática. 2008. 55 f. Monografia (Especialização) - Curso de Física, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, 2008. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/graduacao/article/viewFile/4122/3123. Acesso em: 01 jul. 2018.

GIRES, Francis. Encycloédie des instruments de l’enseignement de la physique du XVIII au milieu du XX siècle. Vol. 2. ASEISTE, 2016.

GOMES, Rogério Viana. Atividade experimental no ensino de física: A montagem da máquina de Wimshurst como proposta de recurso didático no ensino de eletrostática. 2016. 29 f. TCC (Graduação) - Curso de Ciências Naturais, Universidade de Brasília: Planaltina, 2016. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/16511/1/2016_RogerioVianaGomes_tcc.pdf. Acesso em: 30 jun. 2018.

GUERIN, Patrice. RADIGUET & MASSIOT, sucessores de MOLTENI. 2011. Disponível em: http://diaprojection.unblog.fr/2011/02/15/radiguet-massiot-successeur-de-molteni/. Acesso em: 05 jul. 2018.

LANGLEBERT, J. Physica. Livraria Garnier: Rio de Janeiro, 1904.

MARSHALL, Alfred W. The Wimshurst Machine: How to make and use it. 2 ed. New York: Spon & Chamberlain, 1908, 157 p. (46323). Disponível em: https://babel.hathitrust.org/cgi/pt?id=uiug.30112046522634;view=2up;seq=4;skin=mobile. Acesso em: 04/07/18.

MARTINS, Valéria Rosa. O ensino de física moderna nos livros didáticos do início do século XX. Dissertação de mestrado pela Universidade São Paulo: São Paulo, 2015.

NUNES, Leandro Nery et al. LEVANDO A MÁQUINA DE WIMSHURST PARA A SALA DE AULA. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, 16., 2005, Rio de Janeiro. Anais: Rio de Janeiro: Snef, 2005. p. 1 - 10. Disponível em: http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xvii/sys/resumos/T0202-1.pdf. Acesso em: 02 jul. 2018.

QUEIROZ, Antônio Carlos M. de. A Máquina de Wimshurst. 1999. Disponível em: http://www.coe.ufrj.br/~acmq/wimport.html. Acesso em: 04/07/18.

ROMANO, Raul. Tratado de Physica. Comp. Melhoramentos de S. Paulo: São Paulo, 1928.

ROCHA, Lucileni Nichelatti. As diversas possibilidades da aprendizagem no ensino de ciências. 2014. 37 f. Monografia (Especialização) - Curso de Programa de Desenvolvimento Educacional, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_ufpr_cien_pdp_lucileni_nichelatti_rocha.pdf. Acesso em: 04 jul. 2018.

ROZANTE, Ellen Lucas. A educação dos sentidos no método de ensino intuitivo e o caso das escolas públicas isoladas de São Paulo (1889-1910). Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo: São Paulo, 2013.

SOUZA, Rosa Fátima de. História da cultura material escolar: um balanço inicial. In: Marcus Levy Bencostta. Culturas escolares, saberes e práticas educativas: itinerários históricos. pp. 163-189. Cortez: São Paulo, 2007.

THE BAKKEN A LIBRARY AND MUSEUM OF ELECTRICITY IN LIFE (Minneapolis, USA). Carré Electrostatic Generator. 2002. Disponível em: http://web.archive.org/web/20021209232213/http://www.thebakken.org/artifacts/Carre.htm. Acesso em: 04 jul. 2018.

UNION, School Furnishing Company. School Furniture and Supplies. Catalog No. M-29: Chicago, USA. 1893.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-9126.2020v14n27p33

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Domínios da Imagem
Telefone: 55 (43)3328-4589 
E-mail: dominiosdaimagem2@gmail.com
E-ISSN: 2237-9126