Brinquedos no museu: ensinamentos e sentimentos nos usos da cultura material

Martha Helena Becker Morales

Resumo


Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada em torno de um conjunto de brinquedos doados ao Museu Paranaense entre 2014 e 2015. Três ênfases recaem sobre a análise da cultura material: em primeiro lugar, a agência das doadoras que, antes de repassá-los à instituição, classifica e seleciona os objetos conforme suas expectativas de consolidação da memória. Em segundo lugar, o museu e a transformação de experiências particulares em um discurso representativo de coletividades. Por fim, há o destaque às muitas possibilidades interpretativas que o novo acervo musealizado permite, direcionando olhares de pesquisador e visitante – duas categorias presentes no cotidiano do museu. Em termos práticos, o artigo problematiza os brinquedos em questão como pedagogias culturais materiais que agem na intersecção do consumo pretendido no início do século XX com o potencial explicativo no contexto museológico do início do século XXI. Assim, diferentes ensinamentos, sentimentos e usos são abordados para delinear práticas de poder e construção de papéis específicos a serem viabilizados pela cultura material.


Palavras-chave


Cultura material; Brinquedo; Museu; Memória.

Texto completo:

PDF

Referências


FONTES DOCUMENTAIS

LEPRINCE DE BEAUMONT, Jeanne Marie (madame). Thesouro de meninas, ou diálogos de uma sábia aia e suas discípulas. Tradução de Joaquim Ignácio de Frias. Lisboa: s/e, 1846.

MUSEU PARANAENSE. Acervo online. Mostra “Tempo de brincar”. Curitiba, 2015. Memória informatizada de exposição temporária aberta ao público entre setembro de 2015 e junho de 2016.

MUSEU PARANAENSE. Arquivo permanente. Mostra “O Brinquedo, a Criança e o Tempo”. Curitiba, 2003. 1 p. Folheto elaborado para divulgação de exposição temporária aberta ao público entre outubro e novembro de 2003.

MUSEU PARANAENSE. Termo de doação. Luci Berta Hatschbach ao Museu Paranaense, “Coleção composta por brinquedos, indumentária, fotografias, documentação, numismática e peças diversas”, assinado em 05 de maio de 2015.

MUSEU PARANAENSE. Termo de doação. Maria Luiza de Almeida Scheleder ao Museu Paranaense, “Coleção composta por cento e cinquenta e cinco peças referentes a brinquedos, indumentária, fotografias, cartões postais, documentos e outro”, assinado em 15 de junho de 2015.

MUSEU PARANAENSE. Termo de doação. Maria Luiza de Almeida Scheleder do Museu Paranaense, “Coleção de brinquedos composta por cento e quarenta e nove peças”, assinado em 13 de agosto de 2015.

REVISTA Illustrada, n. 150, anno 4, Rio de Janeiro, 15 de fevereiro de 1879.

ROQUETTE, José Ignácio. Código do Bom Tom, ou Regras da Civilidade e de Bem Viver no Século XIX. Paris: Vª J. P. Aillaud, Guillard & Cª, livreiros de Sua Majestade e Imperador do Brazil e El-Rei de Portugal, 1875.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ACOSTA, Ana Cristina Maia de Araújo; BASTOS, Sênia Regina. A etiqueta permeando o ambiente hospitaleiro das recepções domésticas. Contribuciones a las Ciencias Sociales, nov/2012, s/p. Disponível em: Acesso em: 06/10/2021.

ALBUQUERQUE Jr., Durval Muniz de. História: a arte de inventar o passado. Ensaios de teoria da história. Bauru, SP: EDUSC, 2007.

ALMEIDA, Cícero Antônio de. Objetos que se oferecem ao olhar. Colecionadores e o “desejo de museu”. In: MAGALHÃES, Aline Montenegro; BEZERRA, Rafael Zamorano (orgs.) Coleções e colecionadores: a polissemia das práticas. Rio de Janeiro: MHN, 2012, p. 183-200.

ARIÈS, Philippe. História social da infância e da família. Rio de Janeiro: LCT, 1978.

ASSMANN, Aleida. Espaços de recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

BEDDOES, Emalee. The art of tea: late Victorian visual culture and the normalization of an international national icon. Dissertação (Mestrado) – University of Birmingham, UK, 2014.

BEZERRA, Ana Paula Gomes. Conjunto de chá e aparelho de jantar: um estudo das elites aracatienses através da cultura material consumida na segunda metade do oitocentos. Anais do XIV Encontro Estadual de História do Ceará, Fortaleza/CE, 2014a, p. 1-15.

BEZERRA, Ana Paula Gomes. ‘Bons modos à mesa’: a inserção da elite aracatiense no processo civilizador capitalista através dos objetos de mesa e cozinha (1850-1890). Oficina do Historiador, Suplemento Especial: Anais do I Encontro de Pesquisas Históricas, PUC-RS. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014b. p. 1087-1100

BREIER, Ana Claudia Bôer. Museu infantis: uma questão contemporânea. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

BROOKSHAW, Sharon. The archaeology of childhood: a museum perspective. Complutum, v. 21, n. 2, p. 215-232, 2010.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Estudos de cultura material e coleções museológicas: avanços, retrocessos e desafios. In: GRANATO, Marcus; RANGEL, Marcio (orgs.) Cultura material e patrimônio da Ciência e Tecnologia. Rio de Janeiro: MAST, 2009, p. 14-25.

CARNEIRO, Cintia Maria Sant’Ana Braga. O Museu Paranaense e Romário Martins: a busca de uma identidade para o Paraná (1902-1928). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2001.

CARVALHO, Liliane Afonso Pereira de; STORI, Norberto; MOSANER Jr., Eduardo. Brinquedo popular brasileiro das brincadeiras para os museus. Revista Digital Art&, ano XII, n. 15, nov. 2014, p. 1-14. Disponível em: Acesso em 20 de mar. 2015

CARVALHO, Vânia Carneiro de. Gênero e cultura material: uma introdução bibliográfica. Anais do Museu Paulista, São Paulo, Nova Série, v. 8/9, p. 293-321, 2003.

CARVALHO, Vânia Carneiro de. Gênero e artefato: o sistema doméstico na perspectiva da cultura material. São Paulo, 1870-1920. São Paulo: Edusp, FAPESP, 2008.

CARVALHO, Vânia Carneiro de. Cultura material, espaço doméstico e musealização. Varia História, Belo Horizonte, v. 27, n. 46, jul./dez. 2011, p. 443-469.

CARVALHO, Vânia Carneiro de. Cinderelas, bailarinas e a vida longa das galanterias. Anais da 37ª Reunião Nacional da ANPEd, Florianópolis: UFSC, 2015, p. 1-22.

CASTRO, Michele Bredel de. Noção de criança e infância: diálogos, reflexões, interlocuções. Anais do 16º Congresso de Leitura do Brasil. Campinas: Unicamp, 2007, p. 1-11.

CLEMENTS, Joyce. The cultural creations of the feminine gender: an example from 19th Century military households at Fort Independence, Boston. Historical Archaeology, v. 27, n.4, 1993, p. 39-64.

COCHRAN, Mathew; BEAUDRY, Mary C. Material culture studies and historical archaeology. In: HICKS, Dan; BEAUDRY, Mary (eds.) The Cambridge Companion to Historical Archaeology. New York: Cambridge University Press, 2008, p. 191-204.

CUNHA, Luciane da Rocha Santos da. Coisa de menina! Coisa de menino! A percepção de gênero através dos brinquedos e brincadeiras na educação infantil. Monografia (Licenciatura em Pedagogia) – Universidade de Brasília, 2013.

FELIPE, Jane. Infância, gênero e sexualidade. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 25, n. 1, jan./jun. 2000, p. 115-131.

FERREZ, Helena Dodd; BIANCHINI, Maria Helena. Thesaurus para acervos museológicos, 1º volume, ordem sistemática. Rio de Janeiro: Fundação Nacional Pró-Memória, Coordenadoria Geral de Acervos Museológicos, 1987.

FRISO, Valéria Ramos; SILVA, João Carlos Riccó da; LANDIM, Paula da Cruz. A produção e o design industrial de artefatos para crianças na história – uma revisão. Blucher Design Proceedings: Anais do 11º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, v. 1, n. 4, nov. 2014, p. 1-11.

GARRAFFONI, Renata Senna. Arqueologia e história: a busca por um diálogo. In: OLIVEIRA, Terezinha (org.) Antiguidade e medievo: olhares histórico-filosóficos da educação. Maringá: Editora da UEM, 2008, p. 49-60.

GONÇALVES, José Reginaldo. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais BiB, São Paulo, n. 60, 2005.

GONÇALVES FILHO, Carlos Antônio Pereira. Livrinhos que eram verdadeiros tesouros: leituras para crianças no Brasil imperial. Revista HISTEDBR On-Line, Campinas, n. 42, jun. 2011, p. 200-216.

GRAY, Thomas A. The Old Salem Toy Museum. Winston-Salem, NC: Old Salem Inc., 2006.

GRAY, Annie. ‘A moveable feast’: negotiating gender at the middle-class tea-table in eighteenth- and nineteenth-century England. In: BAKER, Sera; GRAY, Annie; LAKIN, Kay; MADOWICK, Richard; POOLE, Kristopher; SANDIAS, Michela (eds.) Food and drink in archaeology, vol. 2. Nottingham: University of Nottingham Postgraduate Conference, 2008, p. 46-56.

GUEDES, Ângela Cardoso. Empatia imediata, elo entre gerações: coleções de brinquedos no museu. In: BITTENCOURT, José Neves; BENCHETRIT, Sarah Fassa; TOSTES, Vera Lúcia Bottrel (org.) História representada: o dilema dos museus. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2003, p. 135-142.

GUEDES, Ângela Cardoso. Brinquedos: por uma política de aquisição. Anais do Museu Histórico Nacional, v. 36, 2004, p. 25-40.

HEATH, Mary. A woman’s world: how afternoon tea defined and hindered Victorian middleclass women. Constructing the past, vol. 13, n. 1, 2012, p. 1-11.

HECHT, Anat. Home sweet home: tangible memories of an uproot childhood. In: MILLER, Daniel (ed.) Home possession: material culture behind closed door. New York: Berg, 2001, p. 123-145.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

LEMOS, Flavia Cristina Silveira. A apropriação do brincar como instrumento de disciplina e controle das crianças. Estudos e pesquisas em psicologia, UERJ, v. 7, n. 1, abr. 2007, p. 81-91.

LOWENTHAL, David. The past is a foreign country. New York: Cambridge university Press, 1985.

MAJEWSKI, Teresita; O’BRIEN, Michael. The use and misuse of nineteenth-century english and american ceramics in archaeological analysis. In: Advances in archaeological method and theory, v. 11, Academic Press, 1987, p. 97-209.

MILLER, Daniel. Extracts from Material Culture and Mass Consumption. In: BUCHLI, Victor (ed.) Material culture: critical concepts in social sciences, v. II. London, New York: Routledge, 2004. p. 292-336

MILLER, Daniel. Stuff. Cambridge: Polity Press, 2010.

MILLS, Ralph. Miniatures in historical archaeology. Toys, trifles and trinkets re-examined. MA in Historical Archaeology, University of Leicester, Sept. 2010.

MORALES, Martha H. L. Becker. Fragmentos de história: passados possíveis no discurso da arqueologia histórica. Curitiba: Sociedade de Amigos do Museu Paranaense, 2014.

MORALES, Martha H. L. Becker. Brincar e guardar: caminhos interpretativos para uma coleção de brinquedos no Museu Paranaense. Anais da XII Jornada de História Cultural, Porto Alegre, 14 e 15 de agosto de 2015, p. 186-198.

MORALES, Martha H. L. Becker. Fragmentos eloquentes. História Unicap, v. 2, n. 3, jan./jun. de 2015, p. 54-63

MORIN, Violette. L’objet biographique. Communications, 13, 1969, p. 131-139.

MÜLLER, Caroline; CORRÊA, Ronaldo de Oliveira. Coleções familiares na formação do acervo de indumentária do Museu Paranaense, Curitiba-PR. Anais do 4º Congresso Internacional de Memória, Design e Moda, São Paulo, 2017, p. 252-267.

NASCIMENTO, Claudia Terra do; BRANCHER, Vantoir Roberto; OLIVEIRA, Valeska Fortes de. A construção social do conceito de infância: algumas interlocuções históricas e sociológicas. Revista Contexto & Educação, v. 23, n. 79, 2008, p. 47-63.

PEREIRA, Rita Maria Ribes. Uma história cultural dos brinquedos: apontamentos sobre infância, cultura e educação. Revista Teias, v. 10, n. 20, 2009, p. 1-20.

PINSKY, Carla Bassanezi. A era dos modelos rígidos. In: Pinsky, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (orgs.) Nova história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2012, p. 469-512.

PORTO, Isis Maria Ribeiro. Brincar é coisa séria? Um estudo do brinquedo na cultura da modernidade. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Pará, 2008.

ROBERTS, Sharon. Minor concerns: representations of children and childhood in British museums. Museum and Society, v. 4, n. 3, 2006, p. 152-165.

ROMERO, Margarita Sanchéz. ¡Eso no se toca! Infância y cultura material en arqueología. Complutum, v. 21, n. 2, 2010, p. 9-13.

SAMPAIO, Fernando da Silva. Código do Bom-Tom: comportamento, saúde e regras de etiqueta para mulheres no manual de José Inácio Roquette. Vozes, Pretérito e Devir, v. 1, n. 2, 2013, p. 295-308.

SCHLERETH, Thomas. The material culture of childhood: problems and potential in historical explanation. Material Culture Review, Nova Scotia, Canada, v. 21, spring 1985, p. 365-383.

SCHRIJNEMAEKERS, Stella Christina. “Tira, põe, deixa ficar”: notas sobre a negociação do espaço da casa e o seu preenchimento com objetos em famílias de camadas médias. Revista Olhares Sociais, v. 1, n. 1, jan. 2012, p. 1-22.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez. 1995, p. 71-99.

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA, PR. Catálogo do Museu Paranaense. Curitiba: Secretaria de Estado da Cultura, 2006.

SENA, Fabiana. A conversação como modo de distinção no Império: Tesouro de Meninos e Código do Bom-Tom nas escolas brasileiras. Revista HISTEDBR On-Line, Campinas, n. 37, mar. 2010, p. 253-265.

SILVEIRA, Flávio Leonel da; LIMA FILHO, Manuel Ferreira. Por uma antropologia do objeto documental: entre a “alma nas coisas” e a coisificação do objeto. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 23, jan./jun. 2005, p. 37-50.

SOARES, Fernanda Codevilla. Vida material e louças do MHSC. In: BARCELOS, Artur Henrique Franco; PARELLADA, Claudia Inês; CAMPOS, Juliano Bitencourt (orgs.) Arqueologia no sul do Brasil. Criciúma: Ed. UNESC, 2011, p. 161-183.

SOUSA, Roselne Santarosa de; MELO, Maria de Fátima de Queiroz e. Resgate de dois objetos lúdicos: seguindo o caminho do pião e do bilboquê. Anais do XV Encontro Nacional da ABRAPSO, Faculdade Integrada Tiradentes, 2009, p. 1-10.

SOUZA, Rafael de Abreu e. Louça branca para a pauliceia: arqueologia histórica da Fábrica de Louças Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

SUDJIC, Deyan. A linguagem das coisas. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010.

TOCCHETTO, Fernanda Bordin. Uma construção possível sobre práticas e representações de grupos domésticos da Porto Alegre oitocentista. Revista de Arqueologia, n. 12-13, 1999-2000, p. 55-71.

TOCCHETTO, Fernanda Bordin. Fica dentro ou joga fora? Sobre práticas cotidianas na Porto Alegre moderna oitocentista. São Leopoldo: Oikos, 2010.

TOMÉ, Dyeinne Cristina. Modas e modos domésticos: os manuais de instrução feminina e a educação da mulher – Décadas de 1950 e 1960. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, 2013.

WEISMANTEL, Mary. Obstinate things. In: VOSS, Barbara; CASELLA, Conlin (eds.) The archaeology of colonialism: intimate encounters and sexual effects. New York: Cambridge, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-9126.2021v15n28p48

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Domínios da Imagem
Telefone: 55 (43)3328-4589 
E-mail: dominiosdaimagem2@gmail.com
E-ISSN: 2237-9126