Epitáfios: a imagem escrita da saudade

Marcelina das Graças de Almeida

Resumo


Os cemitérios são ambientes metafóricos, lugares onde a história se concretiza, mas igualmente espaços de cultura, memória e arte. De modo particular os cemitérios nascidos no século dezenove pertencendo ao seu tempo, refletem a mentalidade e o imaginário no qual se inscrevem e ao identificar as obras que os ornamentam, é possível, através da interpretação da linguagem simbólica, neles contida, compreender a estética visual, mas ao mesmo tempo ler e decifrar outros significados. Através dos ornamentos, das alegorias há uma mensagem depositada. Neste sentido que se pretende analisar e decodificar os textos epigráficos, as mensagens que se registram e se eternizam, as fotografias como um derradeiro desejo de perenizar a presença daqueles que já se foram.


Palavras-chave


Cemitérios; Oitocentos; Epitáfios.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Marcelina das Graças de. Morte, cultura, memória: múltiplas interseções – uma interpretação acerca dos cemitérios oitocentistas situados nas cidades do Porto e Belo Horizonte. 2007. 404 f. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais. 2007.

ARIÉS, Phillipe. O homem diante da morte. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1989. 2 v.

CALIXTO, Antônio. Epitáfios. s/d. Disponível em www.ifolclore.com.br/div/verbal/ epitafios.htm. Acesso em: 4 abr. 2004.

DECRETO nº. 1368 de 05 de março de 1900. Regulamento do Cemitério Publico Prefeitura da Cidade de Minas. Cidade de Minas: Imprensa Oficial do Estado de Minas, 1900.

DIAS, Vítor Manuel Lopes. Cemitérios, jazigos e sepulturas: monografia, estudo histórico, artístico, sanitário e jurídico. Porto: Tip. da Editorial Domingos Barreira, 1963.

LE GOFF, Jacques. A História Nova. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora Ltda, 1990.

MARTINS, Mário S. J. Introdução histórica à vidência do tempo e da morte. Braga: Livraria Cruz, 1969. v.2

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. Revista do Programa de Estudos PósGraduados em História e do Departamento de História, n. 10, dez. 1993.

REGULAMENTO interno e interino para o novo Cemitério Publico do Porto Prado do Repouso Aberto e benzido no dia 1º de Dezembro de 1839. Porto: Câmara Municipal, 1839.

REGULAMENTO dos Cemitérios Municipaes do Porto Approvado em sessão da Câmara Municipal de 30 de Janeiro de 1891. Porto: Typ. De A. J. da Silva Teixeira, 1891.

SANTOS, Rita de Cássia Codá dos. A função conativa no epigrama fúnebre: o apelo à Eternidade. 1999. 58 f. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas) – Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 1999.

VALLADARES, Clarival do Prado. Arte e sociedade nos cemitérios brasileiros. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1972. 2 v.

VAZ, Francisco de Assis de Sousa. Memoria sobre a inconveniência dos enterros nas igrejas, e utilidade da construção de cemitérios. Porto: Imprensa de Gandra e Filhos, 1835.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-9126.2013v7n13p49

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Domínios da Imagem
Telefone: 55 (43)3328-4589 
E-mail: dominiosdaimagem2@gmail.com
E-ISSN: 2237-9126