TV Digital: o aparelho e a representação do real na edição de imagens no telejornalismo

Fernanda Aiex Boni

Resumo


Este trabalho investiga algumas mudanças na edição de imagens com a passagem da TV Analógica para a Digital no Brasil. A partir da teoria da mídia de Vilém Flusser e seu conceito de “aparelho” desenvolve-se uma análise teórica da nova relação entre os jornalistas e os equipamentos digitais de edição, levando-se em conta o conceito de hiper-realidade, proposto por Jean Baudrillard. Retomando o percurso filosófico do real ao longo da história e ainda os conceitos positivistas, que embasam a atividade jornalística, discutese de que maneira a manipulação das imagens digitais e a construção de universos gráficos interferem na nova representação do real apresentada
pelo telejornalismo. Com base em entrevistas com editores da Rede Globo em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba (cidades onde a TV Digital já foi implantada), analisa-se a maneira como a nova tecnologia pode interferir no compromisso primeiro do jornalismo, que é o de relatar os fatos da maneira mais fiel possível. A discussão propõe um engajamento dos profissionais e da sociedade em busca de uma maior consciência crítica em relação às imagens digitais no jornalismo, com uma visão ética do uso dos recursos de manipulação e construção de cenas na edição das notícias.

Palavras-chave


Teses e Dissertações. Telejornalismo. TV Digital. Aparelho.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-7939.2011v7n10p275



Discursos Fotogr.

Londrina - PR

DOI: 10.5433/1984-7939

EISSN: 1984-7939

Email: revistadiscursos@uel.br




 
Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.