De 1965 para cá: contando o tempo de Opalka na pintura e na fotografia

Elane Abreu, Nina Velasco

Resumo


Perseguimos o projeto do artista Roman Opalka por meio dos indícios de seu processo de criação, que se materializa em telas numericamente pintadas e fotografias diárias do seu rosto. Este artigo destaca a obra Opalka (1965/1-”) como expressão do tempo de caráter processual, contínuo e irreversível, diferenciando-a do tempo entrecruzado (o da mémoire involontaire), evidenciado por Marcel Proust. Cada quadro ou fotografia da obra corresponde ao tempo cronologicamente contado, repetido, persistente, e não favorável às interrupções ocasionais.


Palavras-chave


Artes. Roman Opalka – Artista Plástico. Pintura. Memória.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-7939.2009v5n6p77



Discursos Fotogr.

Londrina - PR

DOI: 10.5433/1984-7939

EISSN: 1984-7939

Email: revistadiscursos@uel.br




 
Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.