Carnavalização bakhtiniana do grotesco em imagens do hard rock e heavy metal

Adriano Alves Fiore

Resumo


A linguagem do Rock é essencialmente paródica, alegórica,
carnavalesca e imagética. Uma tipologia de conteúdo de imagens é obtida por meio do conceito de carnavalização enunciado por Mikhail Bakhtin e, com ela, este trabalho analisa o emprego e a significação de figuras do campo do grotesco, das deformidades físicas e das monstruosidades na linguagem visual do universo do Hard Rock e Heavy Metal. São também
avaliadas a presença e a função da figura da caveira e do diabo acompanhadas da representação respectivamente da morte e do inferno como fatores ilustrativos. O corpo teórico é ampliado com as contribuições de Vilém Flusser e de Junito de Souza Brandão. O estigma rebelde do Hard Rock e do Heavy
Metal multiplica-se e revigora sua influência com a popularização crescente desses gêneros musicais – que vêm sendo efusivamente retratados por meio de vigoroso apelo imagético – como consequência de os responsáveis pelo
marketing das bandas invocarem, sempre mais, o auxílio visual nas figuras que contêm alusões à quebra de regra e de busca pela liberdade. Obtém-se uma condição de leitura de imagens por meio de elementos como o riso, a visão grotesca do corpo humano e a gestualidade obscena.

Palavras-chave


Teses e Dissertações. Filosofia da Linguagem. Carnavalização. Grotesco. Hard Rock. Heavy Metal. Mikhail Bakhtin - Filósofo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-7939.2012v8n13p275



Discursos Fotogr.

Londrina - PR

DOI: 10.5433/1984-7939

EISSN: 1984-7939

Email: revistadiscursos@uel.br




 
Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.