Uma Crítica ao Sujeito Como Elemento Indispensável na Estrutura da Relação Jurídica À Luz da Transição de Paradigmas do Negócio Jurídico

Daniela Braga Paiano, Adenir Theodoro Junior, Ana Luiza Mendes Mendonça

Resumo


O presente artigo encerra uma análise estrutural da relação jurídica com base no atual modelo de negócio jurídico. Há um dissídio doutrinário a respeito da (im)prescindibilidade da presença de sujeitos numa relação para que esta possa ser considerada uma relação jurídica. De um lado, parte da doutrina advoga ser imprescindível, enquanto outra discorda, defendendo a ideia de que a relação jurídica pode traduzir-se tão somente numa relação de interesses, sem sujeitos. O negócio jurídico, como meio legítimo de criação de relações jurídicas, tem na vontade humana o seu impulso criador. Deste modo, o objeto de verificação do presente ensaio é a possibilidade de constituição de uma relação jurídica mesmo na ausência de vontade humana, ou seja, na ausência de sujeitos. Para o exame da hipótese acima, utiliza-se o método de abordagem dedutivo, adotando-se como procedimento o bibliográfico. Ao final, conclui-se que inexistindo manifestação de vontade, inexistente será o negócio jurídico, de tal modo que impossibilita a existência de uma relação jurídica sem sujeito.


Palavras-chave


Ausência de sujeitos; Manifestação da vontade; Ordenamento de interesses; Relação jurídica; Transição de paradigmas.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Francisco. Direito Civil: introdução. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2002.

ANDRADE, Manuel A. Domingues de. Teoria geral da relação jurídica: sujeitos e objetos. V. I. Reimpressão. Coimbra: Almedina, 1992.

ASCENSÃO, José de Oliveira. Direito civil: teoria geral, v. 3: Relações e situações jurídicas. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

AZEVEDO, Antônio Junqueira de. Negócio jurídico: existência, validade e eficácia. 4. ed. atual. São Paulo: Saraiva, 2002.

BETTI, Emílio. Teoria geral do negócio jurídico. Trad. Servanda Editora. Campinas, SP: Servanda Editora, 2008.

BRANCO, Gerson Luiz Carlos. Autodeterminação e limitação negocial aos direitos da personalidade. In: A realização e a proteção internacional dos direitos humanos fundamentais. Orgs.: XAVIER, Narciso Leandro e CASSEL, Douglas. Joaçaba: Editora Unoesc, 2011.

DIEZ-PICAZO, Luis. Fundamentos del derecho civil patrimonial: introduccion teoria del contrato. 5. ed. V. 1., Madri: Civitas, 1996.

FACHIN, Luiz Edson. Novo conceito de ato e negócio jurídico. Curitiba: ESL, 1988.

LÊDO, Ana Paula Ruiz; SABO, Isabela Cristina; AMARAL, Ana Cláudia Corrêa Zuin Mattos do. Existencialidade humana: o negócio jurídico na visão pós-moderna. Civilistica.com. Rio de Janeiro, a. 6, n. 1, 2017. Disponível em: . Data de acesso: 18 jul. 2021.

LIMA, Caroline Melchiades Salvadego Guimarães de Souza; SANTOS, Pedro Henrique Amaducci Fernando dos; MARQUESI, Roberto Wagner. Negócios jurídicos contemporâneos: a efetivação da dignidade da pessoa humana com alicerce nos contratos existenciais. Civilistica.com. Rio de Janeiro, a. 7, n. 3, 2018. Disponível em: http://civilistica.com/negocios-juridicos-contemporaneos/. Data de acesso: 18 jul. 2021.

LÔBO, Paulo. Direito Civil: obrigações. 8. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2020, v. 2.

MARTINS, Priscila Machado; MARQUESI, Roberto Wagner. Eficácia Horizontal dos Direitos Fundamentais e Negócios Jurídicos Existenciais. In: PONA, Éverton Willian; AMARAL, Ana Cláudia Corrêa Zuin Mattos do; MARTINS, Priscila Machado (Coord.). Negócio jurídico e liberdade individuais: autonomia privada e situações jurídicas existenciais. Curitiba: Juruá, 2016.

MELLO, Marcos Bernardes de. Teoria do fato jurídico: plano da eficácia, 1ª parte. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

MIRANDA, Pontes de. Tratado de direito privado. T. III. Campinas: Bookseller, 2000.

MOTA PINTO, Carlos Aberto da. Teoria geral do direito civil. 4. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 2005.

PERLINGIERI, Pietro. Perfis do direito civil. 1. ed., rev. e ampl. Trad. Maria Cristina de Cicco. Rio de Janeiro: Renovar, 1999.

ROPPO, Enzo. O contrato. Trad. de Ana Coimbra e M. Januário C. Gomes. Coimbra: Almedina, 2009.

SANTORO-PASSARELLI, Francesco. Teoria geral do direito civil. 8. ed. Coimbra: Atlântida, Coimbra, 1967. Trad. Por Manuel de Alarcão, do original Dottrina generali del diritto civile. Nápoles: Eugenio Jovene, 1964.

SCHREIBER, Anderson. Direito civil e constituição. In: Direito civil constitucional. São Paulo: Atlas, 2016.

SERPA LOPES, Miguel Maria de. Curso de direito civil. v. 1. 8. ed. rev. e atualizada pelo Prof. José Serpa Santa Maria. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1996.

SOARES, Marcos Antônio Soares; PASSI, Renata Capriolli Zocatelli Queiroz. A superação do paradigma clássico do negócio jurídico: liberalismo e republicanismo. Scientia Iuris, Londrina, v. 21, n. 1, p.245-268, mar. 2017. DOI: 10.5433/2178-8189.2017v21 n1p245. ISSN: 2178-8189.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1980-511X.2021v16n3p10

Direitos autorais 2021 Revista do Direito Público

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Rev. Dir. Publico

Londrina - PR

ISSN: 1980-511X

Email: rdpubuel@uel.br



 

 


Indexado: