Pognometria e Intervenção Urbana: um exercício de variáveis

Diego Elias Baffi

Resumo


O ensaio convida o leitor a uma viagem compartilhada pela experiência de criação em intervenção urbana em arte nas cidades de Bondy, Paris e Marseilhe (França). A partir da interlocução com teoria e prática artística, filosofia, antropologia e literatura, o autor discorre sobre diferentes nuances pelas quais a estrangereidade manifesta-se enquanto traço intercultural e apresenta estratégias para criação artística, amparadas pelo status de estrangeiro. Para isso, descreve a concepção e realização de ações urbanas realizadas na zona de contaminação entre diversas linguagens artísticas, mas valendo-se sobretudo de elementos oriundos da palhaçaria, performance relacional, deriva, escultura e Parkour. O ensaio apresenta como resultados hipóteses que relacionam a manutenção da estrangereidade como ética que impulsione a criação em arte de outros mundos possíveis.

Palavras-chave


Estrangereidade; Intervenções urbanas; Palhaçaria; Performance arte; Pognometria

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIN, P. F. O complexo Marina Abramovic. The Huffington Post, São Paulo, 03 abr. 2015. Disponível em: https://goo.gl/BYa0J6. Acesso em: 10 abr. 2018..

BAFFI, D. E. Destino: Poesia - tentativas de fazer arte na condição de estrangeiro. Revista eletrônica Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 2, n. 3, p. 203-218, Jul.-Dez./2016

BAFFI, D. E. Olha o palhaço no meio da rua: o palhaço itinerante e o espaço público como território de jogo poético. 2009. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Tradução de João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p.20-28, jan./abr. 2002. Disponível em: https://goo.gl/MKAK9U. Acesso em: 10 abr. 2018.

CASTANEDA, C. Uma estranha realidade. Rio de Janeiro: Editora Record, 1971.

CHAPLIN, C. Minha Vida. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1965.

CHKLOVSKI, V. A arte como procedimento. In: TOLEDO, D. O. T. (org). Teoria da literatura: formalistas russos. Porto Alegre: Globo, 1971.

COSTA, P. A. B. Eleonora e o corpo performativo. In: FABIÃO, E. Ações. Rio de Janeiro: [s.n], 2015. p. 258-268.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Disponível em: https://goo.gl/uEGls. Acesso em: 10 abr. 2018.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed. 34; 1997. v. 5.

DIMPÉRIO, G. G. Uma palhaça entre mundos miúdos. Revista Anjos do Picadeiro, Rio de Janeiro, 2010.

EUGÉNIO, F.; FIADEIRO, J. Jogo das Perguntas: o Modo Operativo “AND” e o viver juntos sem ideias. Fractal, Rio de Janeiro, v. 25, n.2, p. 221-246, maio/ago, 2013. Disponível em: https://tinyurl.com/y9yomq98 . Acesso em: 10 abr. 2018.

FLUSSER, V. Exílio e Criatividade. In: PISEAGRAMA, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2018.

FONTES, Adriana Sansão. Intervenções temporárias, marcas permanentes: apropriações, arte e festa na cidade contemporânea. Rio de Janeiro: Casa da Palavra; Rio de Janeiro: Faperj, 2013.

JACQUES, P. B. Corpografias urbanas. Arquitextos, São Paulo, ano 08, n. 093.07, Vitruvius, fev. 2008.

KASPER, K. Experimentações Clownescas: os palhaços e a criação de possibilidades de vida. 2004. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

LA VARRA, G. El último espacio público de la ciudad contemporânea. Post-it City, Barcelona, 2008. Disponível em: https://goo.gl/KHJzaO. Acesso em: 10 abr. 2018.

LICONTI, L. L. Pistas para uma poética dos acidentes. 2016. 167p. Dissertação (Mestrado em Teatro) – Universidade do Estado de Santa Catarina/UDESC, Florianópolis, 2016.

MÜLLER, R. P. Ritual, Schechner e performance. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 24, p. 67-85, jul./dez. 2005. Disponível em: https://goo.gl/tEZZik. Acesso em: 10 abr. 2018.

NEUPARTH, S. Movimento escrito em estado de dança. Lisboa: c.e.m - centro em movimento, 2014. Origem da Palavra - Site de etimologia. Disponível em: https://goo.gl/eSB7gc. Acesso em: 10 abr. 2018.

PELBART, P. P. O tempo não-reconciliado: Imagens de tempo em Deleuze. 1996. 280p. Tese (Doutorado em Filosofia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas/USP, São Paulo, 1996.

TOLEDO, D. O. (org). Teoria da literatura – formalistas russos. Porto Alegre: Globo, 1971.

VANEIGEM, R. Banalidades Básicas. In: Internacional Situacionista. Situacionista: teoria e prática da revolução. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2002.

VIVIANE, Mosé; LIMA, Dani. CAFÉ FILOSÓFICO. O que pode o corpo? 2018


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428