Encontros e desencontros nas obras de Ferdinand Denis e José de Alencar

Francisco Humberlan Arruda de Oliveira, Katia Aily Franco de Camargo

Resumo


Neste trabalho, pretendemos explorar a literatura de viagem sobre o Brasil do início do século XIX, no intuito de evidenciar similitudes e diferenças entre as obras Os Maxacalis e O Guarani, do francês Ferdinand Denis e do brasileiro José de Alencar, respectivamente. A escrita de Denis realiza uma influência fundamental no chamado romance indianista do Brasil; será ele que lançará a ideia de um trabalho literário com elementos locais da natureza. Alencar será responsável por desenvolver esse aspecto de identidade nacional, que vai além da literatura, e tomará Os Maxacalis como uma de suas referências. Todavia, guardará também desencontros em relação aos relatos de viagens anteriores, especialmente na figura do índio, pois este se mostra mais submisso e aberto à cultura do colonizador, enquanto o índio de Denis se revela mais subjetivo e avesso ao europeu. Assim, a imagem do índio submisso à cultura e à religião do colonizador constituiria uma dialética da colonização? Seria possível ligar essa imagem de índio derrotado ao romantismo e ao mito fundador da identidade? Que estereótipos poderíamos observar a partir desse quadro, de uso de elementos locais ou da reinserção do índio na cultura brasileira pelo olhar do estrangeiro? São indagações que objetivamos responder neste artigo evidenciando os encontros e desencontros entre as duas obras supracitadas a partir da abordagem de determinados pontos: o índio, as representações de identidade e a ideologia. Usaremos aqui como aporte teórico Bruyas (1979), Bosi (1992) e Gannier (2001).


Palavras-chave


Identidade; Literatura de viagem; O Guarani; Os Maxacalis.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, José de. O Guarani. São Paulo: Editora Ática, 1997.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução de Leonel Vallandro e Gerd Bornheim da versão inglesa de W. D. Ross. São Paulo: Abril S.A. Cultural, 1984. (Os Pensadores)

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia da Letras, 1992.

BRUYAS, Jean-Paul. Introdução. In: DENIS, Ferdinand. Os maxacalis. São Paulo: Conselho estadual de artes e ciências humanas, 1979.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira (momentos decisivos). Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

DENIS, Ferdinand. Os maxacalis. São Paulo: Conselho estadual de artes e ciências humanas, 1979.

DENIS, Ferdinand. Resumé de l’histoire littéraire du Brésil. Paris: Lecointe et durey, libraires, 1826, p. 513-528.

GANNIER, Odile. La littérature de voyage. Paris: Ellipses. 2001.

MACHADO, Álvaro; PAGEAUX; Daniel-Henri. Da literatura comparada à teoria da literatura. Lisboa: Editorial Presença, 2001.

MACHADO DE ASSIS, Joaquim Maria. Notícia da atual literatura brasileira. Instinto de nacionalidade. In: Obra Completa de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994. v. 3.

MAGALHÃES, Domingos José Gonçalves de. Sobre a história da literatura. Separata de: Nitheroy: revista brasiliense, sciencias letras e artes, Paris, n.1, p. 132-159, 1836.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428