Cristais de mentalidade: ditados como sinais identitários no romance da Pedra do Reino

Marcos Paulo Torres Pereira

Resumo


Ariano Suassuna, autor de Auto da Compadecida e O Santo e a Porca, tinha como leitmotiv a valorização da produção material e imaterial do povo, através da evocação do que há de universal, eterno e poético no romanceiro nordestino. Tratado como elemento dramático no Romance da Pedra do Reino, o autor emprega formas simples como elementos identitários do povo sertanejo, tecendo uma estampa imagética de sua mentalidade. O presente artigo discute o emprego de ditados e provérbios como cristais de mentalidade imanentes de costumes e história, crenças e tradições, filtrados mediante estados afetivos, moralizantes e pedagógicos que se tornam expositores de identidade.


Palavras-chave


Oralidade; Identidade; Mentalidade

Texto completo:

PDF

Referências


JOLLES, André. Formas Simples. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 1976.

QUEIROZ, Rachel de. Prefácio. In.: SUASSUNA, Ariano. Romance da Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta. 4. ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1976.

SPERBER, Suzi Frankl . Amor, medo e salvação. Aproximações entre Valdomiro Silveira e Guimarães. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo, n.41, p. 97-120, 1997.

SUASSUNA, Ariano. Romance da Pedra do Reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta. 4 ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1976.

SUASSUNA, Ariano. Cadernos de literatura brasileira. São Paulo: Instituto Moreira Sales. 2000.

VASCONCELOS, Carolina Wilhelma Michaëlis de. Mil Provérbios Portugueses. Revista Lusitana, Lisboa n. 7, p. 29- 71, 1986.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428