A oralidade em Ponciá Vicêncio (2003) uma pulsão da memória afrodescendente

Manoela Fernanda Silva de Matos

Resumo


O presente artigo visa apresentar a importância da oralidade no romance Ponciá Vicêncio (2003), de Conceição Evaristo. No romance a oralidade se faz presente pela voz de Ponciá a personagem principal, que busca incansavelmente se reencontrar com sua família, com sua identidade perdida e assim, ver cumprida a promessa de Vô Vicêncio. Mas, para que a promessa se cumpra será necessário que Ponciá em uma tomada de consciência renegue toda e qualquer escrita que não lhe agregue sentidos e valores inerentes à sua identidade, para tanto Ponciá terá que entender que a escrita só adquire sentido, quando representar as vivências de quem a escreve, deste modo, a oralidade se fará diante das memórias recolhidas da griot Nêngua Kainda que impulsionará Ponciá a se reencontrar com a história dos seus, mas principalmente se reencontrar com sua memória afrodescendente na qual reafirmará sua identidade, e assim poderá ver cumprida a promessa de Vô Vicêncio.


Palavras-chave


Oralidade; Memória; Afrodescendência; Romance

Texto completo:

PDF

Referências


CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 12. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

DIONÍSIO, Dejair. Diáspora, Ensino e Perdas em Ponciá Vicêncio. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/sepech/arqtxt/resumos-anais/DejairDionisio.pdf. Acesso: 29/07/2011.

DIONISIO, Dejair. Literatura afro em construção: a perspectiva da ancestralidade bantu em Ponciá Vicêncio, de Conceição Evaristo, 2010. 116 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2010.

EVARISTO, Conceição. Nossa escrevivência. Disponível em: http://nossaescrevivencia.blogspot.com.br/2012/08/da-grafia-desenho-de-minha-maeum-dos.html. Acesso em: 13/10/11 às 10h45

EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2003.

NERES, Jorge Paulo de Oliveira. O skaz enquanto instrumento de trapaça: uma leitura de Delibes e de Assis Brasil. Disponível em: http://www.revistaicarahy.uff.br/revista/html/numeros/3/dliteratura/o_skaz_enquanto_in strumento_de_trapaca_uma_leitura_de_delibes_e_de_assis_brasil.pdf. Acesso: 29/07/2011.

PATTANAYAK, Debi Prasanna. A cultura escrita: um instrumento de opressão. In: OLSON, David R; TORRANCE, Nancy. Cultura escrita e Oralidade. Tradução Valter Lellis Siqueira. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 1997. p. 117-120.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

SANTIAGO, Silviano. Nas malhas da letra: ensaio. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

ZUMTHOR, Paul. Escritura e Nomadismo. Tradução de Sônia Queiroz; Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Ateliê, 2005

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Tradução de Jerusa Pires Ferreira; Suely Fenerich. São Paulo: Cosac Naify, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428