A simbolização do imaginário amazônico nas narrativas orais e nas rezas dos curandeiros do Vale do Juruá

José Júlio César do Nascimento Araújo

Resumo


A formação histórica do Vale do Juruá e seu povoamento nascem do processo exploratório da floresta, com presença incontável dos nordestinos. Desta forma, o estudo ora apresentado torna-se relevante porque refere parte de nossa cultura presente apenas na memória dos nossos idosos. Rezas e contos orais são manifestações culturais que atravessam o tempo por meio da oralidade. Nosso objetivo aqui é compreender, através da interpretação, os caminhos que a construção simbólica percorre para representar as modalidades de organização social, religião, ética e valores morais presentes nas narrativas orais e nas rezas do Vale do Juruá. O presente texto pretende fazer uma análise da literatura oral e das rezas dos curandeiros, enquanto manifestações populares e expressão de uma substancial parte da cultura nordestina, e de sua influencia sobre a cultura amazônica dentro de uma redefinição mais ampla da arte e da cultura, numa busca para perceber, através da análise da estrutura e do conteúdo das rezas e narrativas orais, a permanência ou a mudança de valores da cultura do migrante em contato com as culturas locais e as possíveis influências destas sobre a formação cultural dos municípios do Vale do Juruá, a partir do imaginário simbólico.


Palavras-chave


Contos orais; Rezas orais; Imaginário simbólico; Curandeirismo; Vale do Juruá

Texto completo:

PDF

Referências


ARIAS. Patrício Guerreiro. La cultura: estrategias conceptuales para comprender la identidad, la diversidad, la alteridad y la diferencia. Quito: Ediciones Abya Yala, 2002.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAUMAN. Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BOSSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 3ed. São Paulo: Cia das Letras, 1994. 484p

BURKE, Peter. Hibridismo cultural. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2003.

CARVALHO, Deolinda Soares. O conto numa comunidade amazônica. Dissertação de Mestrado. Araraquara: UNESP, 2001.

CASCUDO, Luís da Câmara. Literatura oral no Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Itatiaia/São Paulo: EdUSP, 1984.

CASCUDO, Luís da Câmara. Contos tradicionais do Brasil. 13. ed. São Paulo: Global, 2004.

CASCUDO, Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro: São Paulo: Global, 2000.

CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO ( PUEBLA ). Evangelização no presente e no futuro da América Latina. Puebla: conclusões. São Paulo: Paulinas, 1979.

CONFERÊNCIA GERAL DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO (CTHGJ). Nova Evangelização, promoção humana e cultura cristã. Santo Domingo. Petrópolis: Vozes, 1998.

DARNTON, Robert. O grande massacre dos gatos e outros episódios da história cultural francesa. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução a arquétipologia geral. Tradução Helder Godinho. 3ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GUERRERO, Ana Felisa; HURTADO, João Camilo. Tradições orais de Nova Olinda do Norte. Manaus: Valer / Gov. do Estado do Amazonas, 2003.

HALL, Stuart. Da Diáspora. Tradução Adelaide La Guardiã Resende. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da Unesco no Brasil, 2003.

HAGUETTE, Teresa M. Frota. A história de vida; A história oral. In: HAGUETTE, T.M.F. Metodologias qualitativas em Sociologia. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 1992. p. 79-101.

JUREMA. Rangel N. Leitura na Escola. Porto Alegre: Mediação, 2001

LARIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 17ª Ed. Rio de Janeiro: Jorge Zarar, 2004

LÉVI-STRAUSS, Claude. Introdução à obra de Marcel Mauss. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac e Naify, 2003. p.19.

LÉVI-STRAUSS, Claude. A estrutura dos mitos. In: LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

LIMA, Nei C. Narrativas orais: uma poética da vida social. Brasília: EDUNB,2003.

LOUREIRO, João de Jesus Paes. Cultura Amazônica: uma poética do imaginário. Belém: CEJUP, 1995.

LAPLANTINE, François e TRINDADE, Liana. O que é imaginário. São Paulo: Brasiliense, 1997.

MEDEIROS, Maria Lúcia. O lugar da errância. In: D` INCÃO, Maria Ângela e SILVEIRA, Isolda Maciel da ( Org.). A Amazônia e a Crise da modernidade. Belém: Musel Paraense Emilio Goeldi do livro, 1975

PAPA PAULO VI: Exortações Apostólicas Marialis cultus (EN) 1974 disponível em www.vatican.va/.../hf_p-vi_exh_19740202_marialis-cultus_po.html. Acesso em: 15 jul 2012.

PROPP, Vladimir. A morfologia do conto maravilhoso. São Paulo: EPU, 1989.

SERRA PINTO, Marlilina C.O. B. Epistemologia imagética. In: SERRA PINTO; Marlilina C.O. B. Cultura e ontologia no mito da cobra encantada. Tese de Doutorado em Ciências Sociais. São Paulo: PUC, 2005. p. 75-93

ZUMTHOR, Paul.. A letra e a voz. São Paulo: Cia das Letras, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428