O mito Xokleng e o imaginário do medo como memória e linguagem dos descendentes de colonizadores do Alto Vale do Itajaí - SC

Heloisa Juncklaus Preis Moraes, Leidiane Coelho Jorge

Resumo


O mito, para estabelecer-se como tal, constitui-se de elementos matrizes-arquetipais que são narrados e tecidos por um determinado grupo em dado tempo-espaço. Da mesma forma, o fortalecimento do mito faz-se através dos usos, de repetidos exercícios de memória e de linguagem na busca por manter viva e atualizada sua percepção acerca de um determinado fato, pessoa, cultura, etc. Os fios que compõem a tessitura dessas narrativas míticas são tingidos pelo contexto sócio-histórico-cultural dos atores sociais, assim, seus sentimentos, predileções e experiências amparam a construção das narrativas. Esse trajeto social cerceia e enreda os componentes dessa bacia semântica constituída em sua essência por constelações de imagens simbólicas, que passam a ser reconhecidas e disseminadas até por gerações. Em se tratando das narrativas dos descendentes dos colonizadores do Alto Vale do Itajaí – SC, acerca dos Xokleng, traços elementais presentes insurgem encharcados de um “Imaginário do Medo” resultante das relações estabelecidas pelos grupos indígenas e os primeiros colonizadores da região. Constatação essa evidenciada nas narrativas orais coletadas no mesmo local. Compreender a força desse imaginário resgatado pela memória e reafirmado pela linguagem é o propósito a que se destina esse trabalho.


Palavras-chave


Memória; Linguagem; Imaginário do Medo; Mito Xokleng; Alto Vale do Itajaí.

Texto completo:

PDF

Referências


DURAND, Gilbert. Sobre a exploração do imaginário, seu vocabulário, métodos e aplicações transdiciplinares: mito, mitanálise e mitocrítica. Revista da Faculdade de Educação, v.11, n. 1-2, p. 243-273, 1985.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. Tradução de Helder Godinho. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FERREIRA-SANTOS, Marcos; ALMEIDA, Rogério de. Aproximações ao imaginário: bússolas de investigação poética. São Paulo: Képos, 2012.

MORAES, Heloisa Juncklaus Preis; JORGE, Leidiane Coelho. A pregnância simbólica de um estereótipo: as narrativas tecidas pelos descendentes dos colonizadores acerca dos Xokleng no município de Pouso Redondo – SC. Sociopoética. João Pessoa, v. 1, n. 15, p. 4-26, 2015.

MORAES, Heloisa Juncklaus Preis. Os dispositivos simbólicos utilizados para reafirmação da condição indígena: uma análise sob a ótica do regime noturno da imagem. Identidade! São Leopoldo, v. 21, n.1, p. 110- 121, 2016.

PITTA, Danielle Perin Rocha. Iniciação à teoria do imaginário de Gilbert Durand. Rio de Janeiro: Atlântica Editora, 2005.

SANTOS, Sílvio Coelho dos. Os índios Xokleng: memória visual. Florianópolis: Ed. Da UFSC, 1997.

SANTOS, Sílvio Coelho dos. Encontros de estranhos além do “mar oceano”. Etnográfica. Lisboa, v. 2. n. 2, p. 431-448, 2003.

SCHMITZ et al. Taió, no Vale do Rio Itajaí: o encontro de antigos caçadores com casas subterrâneas. In: Pesquisas. Antropologia, n. 67. São Leopoldo: Instituto Anchietano de Pesquisas, 2009.

SCHWENGBER, Valdir Luiz. Relatório de pesquisa arqueológica submetido ao IPHAN como requisito à licença ambiental prévia (LP). Tubarão, 2014.

TEIXEIRA, Maria Cecília Sanchez; PORTO, Maria do Rosário Silveira. Violência, insegurança e imaginário do medo. Cadernos CEDES. Campinas, v.19, n. 47, p. 51-66, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428