O narrador do gueto: marginalidade e engajamento na literatura de Ferrèz

Gilmar Penteado

Resumo


Este artigo inicia pela polêmica envolvendo a autoproclamada marginalidade de escritores da periferia arregimentados por Ferréz. Na sequência, procura contextualizar o movimento e apontar as diretrizes de seu manifesto. E, ainda na parte introdutória, detalha a concepção de marginalidade contida no discurso agressivo, na disposição simbólica de arrombar a porta em vez de pedir passagem, de tomar a palavra (escrita) de assalto. Contra a desconfiança e a resistência a respeito da autoproclamada marginalidade, o artigo então propõe como chave de análise um termo retirado do próprio manifesto: gueto. Nesse intuito, retrata a realidade de Capão Redondo, bairro pobre de São Paulo onde Ferréz cresceu e ainda reside, incluindo o histórico de migração nordestina, segregação e violência. Logo depois, toma o referencial teórico elaborado pelo sociólogo francês Loïc Wacquant, que define gueto a partir de duas faces, como arma do dominador e como escudo do dominado. Na aplicação dessa conceituação à obra Capão Pecado, primeiro romance de Ferréz, o artigo então elabora o conceito de narrador de gueto: um narrador local, de linguagem híbrida (oralidade, gírias, rap e norma padrão), engajado na causa da periferia.


Palavras-chave


Segregação; Gueto; Literatura marginal; Ferréz

Texto completo:

PDF

Referências


ANTÔNIO, João. Contos reunidos. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

CANDIDO, Antonio. Na noite enxovalhada. In: ANTÔNIO, João. Contos reunidos. São Paulo: Cosac Naify, 2012, p. 577-582.

CORRÊA, Sílvia. Barracos tomam 13% do Capão Redondo. Folha de S. Paulo, 12 fev. 2003, Caderno Cotidiano, p. C3, 2003.

ESLAVA, Fernando Villarraga. Literatura marginal: o assalto ao poder da escrita. In: Estudos de literatura brasileira contemporânea, Brasília, n. 24, p. 35-51, 2004.

FERRÉZ. Capão Pecado. São Paulo: Labortexto Editorial, 2000.

FERRÉZ. Capão Pecado. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005a.

FERRÉZ. Terrorismo literário. In: FERRÉZ. Literatura marginal: talentos da escrita periférica. Rio de Janeiro: Agir, 2005c, .p. 9-14.

FERRÉZ (Org.). Literatura marginal: talentos da escrita periférica. Rio de Janeiro: Agir, 2005b.

MANO BROWN. A número 1 sem troféu. In: FERRÉZ. Capão Pecado. São Paulo: Labortexto Editorial, 2000, .p. 23-24.

MANSO, Bruno Paes. Crescimento e queda dos homicídios em SP entre 1960 e 2010: uma análise dos mecanismos da escolha homicida e das carreiras no crime. (manuscrito) 2012. Tese (Doutorado em Ciências Políticas) - Departamento de Ciências Políticas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2012.

MARCOS, Plínio. Na barra do Catimbó. São Paulo: editora Parma, 1982.

NASCIMENTO, Érica Peçanha do. Vozes marginais na literatura. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

SCHWARZ, Roberto. Cidade de Deus. In: Sequências brasileiras (ensaios). São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 163-171.

SÜSSEKIND, Flora. Desterritorialização e forma literária: literatura brasileira contemporânea e experiência urbana. Revista Literatura e Sociedade (Dept. de Teoria Literária e Literatura Comparada da USP), São Paulo, n. 8, p. 60-81, 2005.

WACQUANT, Loïc. O que é gueto? Construindo um conceito sociológico. Revista de sociologia política, Curitiba, n. 23, p. 155-164, 2004.

WACQUANT, Loïc. As duas faces do gueto. Tradução de Paulo Cezar Castanheira. São Paulo: Boitempo, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428