A voz do subalterno na performance do catira

Adenilson Moura Vasconcelos

Resumo


O propósito deste artigo é tentar identificar a voz do cantador rural nas performances do catira. Evidentemente, essa dança que existe há séculos pode ser considerada uma forma do caipira expressar suas indignações, sua revolta, sua alegria e seus amores. Porém, não há espaço para essas reivindicações nos grandes centros urbanos, e seus apontamentos acabam não tendo muita relevância. Se fizermos o questionamento de Gayatri Spivak “pode o subalterno falar?” a princípio, e considerando essa caipira um subalterno, podemos dizer que nas performances do catira ele fala, sim, mas não podemos afirmar se ele é ouvido. Quando falamos de “ser ouvido” aqui não se trata apenas da questão auditiva, mas de ser relevado, da sua voz ecoar fora do campo e suas cantigas serem consideradas pelo menos como música, e não apenas uma manifestação cultural ingênua.


Palavras-chave


Catira; Performance; Folclore; Manifestação artística; Caipira; Dança

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Benedict R. Comunidades Imaginadas: reflexos sobre a origem e a difusão do nacionalismo. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

ARAÚJO, Alceu Maynard. Folclore Nacional. 2. ed. São Paulo: Editora Melhoramentos, 1967. v. 2

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da Modernidade. 3 ed. Tradução de Heloisa Pezza Cintrão e Ana Regina Lessa. São Paulo: EDUSP, 2000.

CASCUDO, Luís de Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1954.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. 2. ed. Tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Instituto Antônio Houaiss. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. 3. ed. Tradução de Waltensir Dutra. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

FERNANDES, Frederico Augusto Garcia. A voz e o sentido: poesia oral em sincronia. São Paulo: Ed. UNESP, 2007a.

FERNANDES, Frederico Augusto Garcia. Oralidade e Literatura 2: práticas culturais, históricas e da voz. Frederico Fernandes e Eudes Fernandes (Orgs.). Londrina: EDUEL, 2007b.

FERNANDES, Frederico Augusto Garcia. Oralidade e Literatura: manifestações e abordagens no Brasil. Frederico Augusto Garcia Fernandes (Org.). Londrina: EDUEL, 2003.

MAGALHÃES, Couto. Anchieta, as raças e línguas indígenas. São Paulo: C. Gerke, 1897.

RESENDE, Lisete et al. Catira: uma tradição de 450 anos. Uberaba: Fundação Cultural de Uberaba, 2014.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz. Tradução de Amálio Pinheiro e Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira et al. São Paulo: Hucitec/EDUC, 1997.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. 2. ed. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Cosac Naify, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428