O Marco: uma metodologia de análise

Luciany Aparecida Alves Santos

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar uma metodologia de análise para o marco. O marco é um tipo de estrutura poética usada por cantadores nordestinos e poetas de bancada. Utilizado por improvisadores como demarcação de espaço geográfico para a sua cantoria, no começo do século XX o marco começa a surgir nos folhetos como rubrica para marcação de autoria. O poeta escreve um marco para exaltar seus dotes artísticos e deixar uma marca de sua poesia. O marco é uma fortaleza indestrutível da qual o poeta, canta, afama, celebra sua própria construção e desafia qualquer outro sujeito a vir atentar contra seu castelo. Narrativa envolvente e fantástica, o marco faz parte da tradição da literatura de cordel e da cantoria nordestina, no entanto são escassos os estudos publicados sobre essa estrutura poética. Nos propomos neste artigo a sugerir um caminho de acesso a esses textos, que facilite a análise de futuros estudos sobre o marco na literatura de cordel.


Palavras-chave


Literatura de cordel; Marco; Poesia; Metodologia

Texto completo:

PDF

Referências


ADÃO FILHO, José. O marco paraybano. In: ALMEIDA, Átila Augusto F. de; SOBRINHO, José Alves. Romanceiro popular nordestino, marcos e vantagens. Campina Grande: Grafset – Universidade Regional do Nordeste, 1981.

ALMEIDA, Átila Augusto F. de; SOBRINHO, José Alves. Romanceiro popular nordestino, marcos e vantagens. Campina Grande: Grafset – Universidade Regional do Nordeste, 1981.

ASSIS, Manoel Tomaz. Marco do Seridó. In: ALMEIDA, Átila Augusto F. de; SOBRINHO, José Alves. Romanceiro popular nordestino, marcos e vantagens. Campina Grande: Grafset – Universidade Regional do Nordeste, 1981.

ATHAYDE, João Martins de. O marco do meio mundo. In: ALMEIDA, Átila Augusto F. de; SOBRINHO, José Alves. Romanceiro popular nordestino, marcos e vantagens. Campina Grande: Grafset – Universidade Regional do Nordeste, 1981.

BARROS, Leandro Gomes de. Como derribei o marco do meio do mundo. In: ALMEIDA, Átila Augusto F. de; SOBRINHO, José Alves. Romanceiro popular nordestino, marcos e vantagens. Campina Grande: Grafset – Universidade Regional do Nordeste, 1981.

BARROS, Leandro Gomes de. O marco brasileiro. In: MEDEIROS, Irani (org.). No reino da poesia sertaneja. João Pessoa: Idéia, 2002. p. 214-217.

PINHEIRO, Hélder. e LÚCIO, Ana C. Marinho. O cordel na sala de aula. São Paulo: Duas Cidades, 2001.

SANTOS, Luciany Aparecida Alves. A encenação do popular: A literatura de cordel no espaço da migração. 2011. 153f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

SOBRINHO, José Alves. Cantadores, repentistas e poetas populares. Campina Grande: Bagagem, 2003.

TODOROV, Tzvetan. Estruturalismo e poética. São Paulo: Editora Cultrix, 1968.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428