O marco: uma tradição que se refaz

Luciany Aparecida Alves Santos

Resumo


O marco faz parte de uma tradição poética da literatura de cordel que se iniciou na oralidade com as cantorias e só depois se inseriu na escrita dos folhetos. O presente trabalho objetiva analisar e comparar dois folhetos O Marco Brasileiro de Leandro Gomes de Barros, poeta do final do século XIX, referência na historiografia da literatura de cordel brasileira e O Marco feito a Maxado Nordestino de Franklin Maxado, poeta aspirante a cordelista no período da escrita deste poema na década de 1970. Estabelecer paralelos entre a escrita desses dois escritores é estratégia para observarmos como a tradição da literatura de cordel brasileira se reafirma e se refaz. Para este estudo compreendemos a literatura de cordel como arte dinâmica e viva que se relaciona com o presente e que a partir dele (re)constrói seu passado e funda uma tradição.


Palavras-chave


Literatura de cordel; Marco; Leandro Gomes de Barros; Franklin Maxado

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Átila Augusto F. de; SOBRINHO, José Alves. Romanceiro popular nordestino, marcos e vantagens. Campina Grande: Grafset – Universidade Regional do Nordeste, 1981.

ATHAYDE, João Martins de. O marco do meio mundo. In: ALMEIDA, Átila Augusto F. de; SOBRINHO, José Alves. Romanceiro popular nordestino, marcos e vantagens. Campina Grande: Grafset – Universidade Regional do Nordeste, 1981.

BARROS, Leandro Gomes de. Como derribei o marco do meio do mundo. In: ALMEIDA, Átila Augusto F. de; SOBRINHO, José Alves. Romanceiro popular nordestino, marcos e vantagens. Campina Grande: Grafset – Universidade Regional do Nordeste, 1981.

BARROS, Leandro Gomes de. O marco brasileiro. In: MEDEIROS, Irani (org.). No reino da poesia sertaneja. João Pessoa: Idéia, 2002. p. 214-217.

BATISTA, Sebastião Nunes. Antologia da literatura de cordel. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa. 1977.

BRITO, João Batista de. Leituras poéticas. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 1997.

ELIOT, T. S. A tradição e o talento individual. In: Ensaios. (Org. Ivan Junqueira). São Paulo: Art Editora, 1989.

GREIMAS, A. S. (org). Ensaios de semiótica poética. São Paulo: Cultrix: EDUSP, 1975.

NORDESTINO, Maxado. Um marco feito a maxado nordestino. São Paulo. s./ed. 1978. 13p.

SANTOS, Luciany Aparecida Alves. A encenação do popular: A literatura de cordel no espaço da migração. 2011. 153f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2011.

SANTOS, Luciany Aparecida Alves. Literatura de cordel e migração nordestina: tradição e deslocamento. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Brasília, n. 35, jan./jun. 2010, p. 77-91.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428