Da tipologia aos parques gráficos: o cordel e a problemática do campo literário

Bruna Paiva de Lucena

Resumo


Pretende-se pensar a opção pela publicação do cordel em livros e a entrada de intelectuais na produção deste gênero como estratégia expressiva do mercado editorial para torná-lo “digerível” pelo campo literário brasileiro que começa a ter um novo ponto de vista sobre o cordel. Propõe-se também analisar as implicações da Coleção Biblioteca de Cordel da Editora Hedra e da presença de intelectuais, por meio do estudo de alguns membros da Sociedade dos Cordelistas Mauditos, na produção de cordel no contexto do campo literário da contemporaneidade. A partir dessa perspectiva, a pesquisa se encaminhará em direção à problemática da configuração da literatura de cordel no contexto do mercado editorial e do campo literário brasileiros.


Palavras-chave


Literatura de cordel; Mercado editorial; Campo literário

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Tradução de Maria Lúcia Machado. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CANDIDO, Antonio. “O direito à literatura”. In: CANDIDO, Antonio. Vários escritos. 4. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre o Azul. São Paulo: Duas Cidades, 2004.

CHAUÍ, Marilena. Conformismo e resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

DALCASTAGNÈ, Regina. “A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990- 2004”. Estudos de literatura brasileira contemporânea, Brasília, nº 26.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Tradução Federico Carotti. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela inquisição. Tradução Maria Betânia Amoroso e José Paulo Paes. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

MOURALIS, Bernard. As contraliteraturas. Coimbra: Almedina, 1982.

OLIVEIRA, Maria José. “Benditos sejam: uma nova maneira de perceber a literatura de cordel”. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2003/www/pdf/2003_NP17_oliveira.p. Acesso em: 05 jun. 2008.

QUEIROZ, Doralice Alves de. “Mulheres cordelistas: percepções do universo feminino no cordel” In: Anais do XI Seminário Nacional Mulher e Literatura e II. Seminário Internacional Mulher e Literatura ANPOLL. CD- ROM – agosto 2005.

STAM, Robert; SHOHAT, Ella. Crítica da imagem eurocentrica. Tradução Marcos Soares. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

Texto de Concepção da Sociedade dos Cordelistas “Mauditos”. Disponível em: http://www.abarata.com.br/Comunidade_Manifestos_Detail.asp?codigo=1443. Acessado em: 05 de jun. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428