O olhar vigilante da floresta

Doralice Alcoforado

Resumo


A recolha das manifestações da cultura popular baiana que estamos realizando no Instituto de Letras da UFBA, há duas décadas, já efetivada em setenta municípios, tem colocado diante de nós um produto cultural diversificado, repleto de significados etnográficos e bastante expressivo do ponto de vista da diversidade dialetal e poética. Dessa variedade de formas e de gêneros documentados em nosso Estado, encontram-se os “causos” de lobisomem, mula-sem-cabeça, mãe-d’água, caipora, relato de acontecimentos vivenciados com muita emoção por homens e mulheres em contacto direto com esses seres míticos, com indicação precisa da hora e lugar. Geralmente são relatos fornecidos por quem passou pela experiência ou por alguém muito próximo, quase sempre a família, e testemunhado por mais de uma pessoa, o que não deixa dúvida quanto à veracidade do ocorrido.


Texto completo:

PDF

Referências


CAMPOS, João da Silva. Contos e fábulas populares da Bahia. In: MAGALHÃES, Basílio de. O folclores no Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1939.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. 3.ed. Rio de Janeiro, 1972.

CASCUDO, Luís da Câmara. Geografia dos mitos brasileiros. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1983.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

HARRISON, Robert. Fotêts: essai sur l’imaginaire occidental. Paris: Flammarion, 1992.

LE GOFF, Jacques. O imaginário medieval. Lisboa: Estampa, 1994.

ZUMTHOR, Paul. La mesure du monde. Paris: Seiul, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428