O romance ibérico no Brasil: tradição e recriação

Doralice Alcoforado

Resumo


O romance Gerinaldo, um dos mais difundidos na Península Ibérica, não teve na América a mesma difusão, segundo Menendez Pidal. No Brasil, a primeira referência a esse romance que se tem conhecimento é a de Celso Magalhães no seu livro A Poesia Popular Brasileira, editado em 1966, com uma versão fragmentária de apenas 04 versos, recolhida no Maranhão2. Hoje a situação não é tão diferente se comparada com a de outros títulos. Até o momento, temos conhecimento de apenas mais 08 versões brasileiras distribuídas em quatro estados (Quadro 01). Dos sete romanceiros já publicados, em apenas três aparecem versões deste romance.


Palavras-chave


Literature

Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA, Teófilo. O Romanceiro geral português. Ed. Fac-sim. Lisboa: Vega, 1982.

BOUVIER, Jean-claude et al. Tradition orale et Identité culturelle. Paris: CNRS, 1980.

COSTA, F. A. Folk-lore pernambucano: subsídios para a história da poesia popular. Recife: Arquivo público estadual, 1974.

GARRETT, João Baptista de Almeida. Romanceiro. Lisboa: Estampa, 1983.

LIMA, Jackson da Silva. Folclore em Sergipe: romanceiro. Rio de Janeiro: Cátedra, INL, 1977.

LIMA, Rossini Tavares do. Romanceiro folclórico do Brasil. São Paulo: Irmãos Vitale, 1971.

LOPES, Antônio. Presença do romanceiro: versões maranhenses. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

NASCIMENTO, Bráulio do. Processos de variação do romance. Revista Brasileira do Folclore, Rio de Janeiro, v. 8, n. 10, p. 59-126, jan./dez. 1964.

NASCIMENTO, Bráulio do. As seqüências temáticas do romance tradicional. Revista Brasileira do Folclore, Rio de Janeiro, 159-190,1966.

NEVES, Guilherme Santos. Romanceiro Capixaba. Vitória, FUNARTE/Fun. Ceciliano Abel de Almeida/UFES, 1983.

PIDAL, Diego Catalán Menéndez. Memoria e Invención en el Romancero de Tradición Oral (I). Romance Philology, v. 23, n. 1, p. 1-25, Aug. 1970.

PIDAL, Diego Catalán Menéndez. Memoria e Invención en el Romancero de Tradición Oral (II). Romance Philology, v. 23, n. 3, p. 441-463, Feb. 1970.

PIDAL, Ramón Menéndez. Flor nueva de Romances Viejos. Madrid: Espasa-Calpe, 1984.

PINTO-CORREIA, João David. Romanceiro tradicional português. Lisboa: Editorial Comunicação, 1984.

ROMERO, Sílvio. Contos populares do Brasil. São Paulo: EDUSP, 1985.

SANTOS, Idelette M. Fonseca dos. O romanceiro brasileiro: tradição e criação. 1986. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1986.

VILELA, José Aloísio. Romanceiro alagoano. Maceió: EDUFAL, 1983.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428