O freestyle em perspectiva: análise das práticas orais de rappes londrinenses

Sara Guerreiro Parada, Frederico Fernandes

Resumo


O presente artigo é resultado de uma pesquisa sobre a performance no Hip Hop, a qual teve como objeto a prática verbo-musical intitulada freestyle. Primeiramente, classificamos o movimento Hip Hop dentro de seu contexto urbano, evidenciando as condições proporcionadoras da sua emersão. Analisamos também as aproximações ocorrentes entre o freestyle e o canto alternado caracterizado por repente. De modo que a pesquisa se tornasse mais abrangente utilizamos fontes orais, obtidas por meio de entrevistas com rappers para caracterizar a prática do freestyle como performance, de acordo com a teorias de Paul Zumthor - um enunciado transmitido em um momento transitório e único podendo ser registrado na memória de seu público receptor. Analisaremos ainda, o processo de construção no discurso do freestyle, demonstrando a importância de sua legitimação perante seus receptores. Nesse sentido, abordaremos a relação entre o conceito de poder e o de discurso. Nosso interesse concentra-se na grande capacidade de criação poética presente na cultura de rua na qual um número restrito de representantes obteve contato com a escolaridade regular.


Palavras-chave


Freestyle; Performance; Poder; Rap; Londrina.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Marina. Mais de 50.000 manos. In: Caros Amigos Especial. Movimento Hip-hop: a periferia mostra seu magnífico rosto novo. N.3, set., p. 4-8, 1998

BERMAN, Marshall. Entrevista. In: Folha de São Paulo, São Paulo, 14 out. 2001. Mais!, p. 4-9.

CANDIDO, A. Literatura e Sociedade. São Paulo: Cia Ed. Nacional, 1975.

CASCUDO, C. A Literatura Oral no Brasil. 2 ed. São Paulo: Global, 2006.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano. 1. Artes de fazer. 6 ed., Petrópolis: Vozes, 2001.

FERNANDES, F. (org) Oralidade e Literatura. Londrina: Eduel, 2003.

FOUCAULT, M. Ordem do Discurso. 11. ed. São Paulo: Loyola, 2004

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 15 ed., São Paulo: Cortez, 1986.

HAVELOCK, Eric. Prefácio a Platão. Trad. Eni A. Drobrazinsky. Campinas: Papirus, 1996.

NOGUEIRA, Carlos. O essencial sobre o cancioneiro narrativo tradicional. 2. ed.Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2002.

ROSE, T. “Um estilo que ninguém segura: política, estilo e a cidade pósindustrial no hip-hop” In: HERSCHMANN, M. (org.) Abalando os anos 90: funk e hip-hop, globalização, violência e estilo cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

SPENSY, Pimentel. O livro vermelho do rap, Escola de Comunicação e Artes Usp, 1998.

ZUMTHOR, Paul. Poesia, tradição e esquecimento. Folha de São Paulo, São Paulom, 17 set, 1988. Folhetim, p. 2-11.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz: a literatura medieval. Trad. Jerusa Pires Ferreira e Amalio Pinheiro. São Paulo: Cia. Das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Recepção, Performance, Leitura. Tradução Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Educ, 2000


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428