A renovação da força simbólica e do imaginário poético da modernidade na arte literária da Amazônia

José Júlio César de Araújo, Jordeanes do Nascimento Araújo

Resumo


Este artigo se propõe, através da obra A poética do recorte: estudo de literatura brasileira contemporânea, de Maria Adélia Menegazzo (1999), a repensar o trajeto do homem, principalmente, as perturbações proporcionadas pelos saltos e descobertas da poética contemporânea sempre urgentes e agônicas ao mesmo tempo, fazendo do artista, em especial do escritor, um eterno investigador de uma natureza que jamais desfez o seu mistério. Essa insatisfação, segundo Heidegger, provém da relação do homem na relação fundamental com o mundo.


Palavras-chave


Literatura contemporânea; Imaginário artístico; Modernidade; Amazônia

Texto completo:

PDF

Referências


BACELLAR, Luiz. Quarteto (obra reunida). Manaus: Valer/Universidade de Mogi das Cruzes, 1998.

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BACHELARD, Gaston. A Psicologia do fogo. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CHAMIE, Mário. A obra traz à tona conflitos de convicção. O Estado de São Paulo, Domingo, 7 de maio de 2000.

LOUREIRO, José de Jesus Paes. Cultura Amazônica: uma poética do imaginário. Belém: CEJUP, 1995.

MENEGAZZO,de Maria Adélia. A poética do recorte: estudo de literatura brasileira contemporânea. Recife: Edições Bagaço,1999

PONGE, Francis. O partido das coisas. Edição bilíngüe. Tradução de Ignácio Antonio Reis e Michel Peterson. São Paulo: Iluminuras, 2000.

PONGE, Francis. La table. Edição bilíngüe. Tradução de Ignácio Antonio Reis e Michel Peterson. São Paulo: Iluminuras, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428