Poesia periférica de autoria feminina como ruptura e resistência

Pilar Lago-Lousa, Flávio Pereira Camargo

Resumo


A poesia de autoria feminina, contida na literatura marginal-periférica, traz consigo a força da resistência e a necessidade de fundar a autorrepresentação de mulheres duplamente marginalizadas, tanto pela questão geográfica quanto pela questão de gênero. Testemunhas da cidade e da periferia, elas lançam um olhar crítico e contundente à desconstrução de mitos e de tabus em torno da representação feminina, rechaçando o ideário obsoleto da figuração de musas inspiradoras e trazendo as mulheres para a realidade de suas experiências e desejos. Por romperem com os intermediários e com o cânone literário que as mediatiza, as escritoras periféricas fundam no fazer poético o espaço simbólico de suas falas e corpos. O presente artigo tem como recorte a análise de poemas das escritoras Elizandra Souza, por meio das obras Punga (2007) e Águas da Cabaça (2012) e Luiza Romão, por meio da obra Coquetel Motolove (2014), tendo como objetivo desvelar a representação da mulher por meio do lugar de fala das escritoras da literatura marginal-periférica.

Palavras-chave


Autorrepresentação; Literatura marginal-periférica; Poesia de autoria feminina.

Texto completo:

PDF

Referências


BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BONNICI, Thomas; FLORY, Alexandre Villibor; PRADO, Márcio Roberto (Orgs.). Margens instáveis: tensões entre teoria, crítica e história da literatura. Maringá: EDUEM, 2011. p. 101- 128.

DALCASTAGNÈ, Regina. Representações restritas: a mulher no romance brasileiro. In: DALCASTAGNÈ, Regina; LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos (Orgs.). Deslocamentos de gênero na narrativa brasileira contemporânea. São Paulo: Editora Horizonte, 2010. p. 40-64.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte/Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2012.

HAPKE, Ingrid; NASCIMENTO, Érica Peçanha do. É imprescindível que a produção dos escritores da periferia seja reconhecida como literatura. Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 3, p.215-223, 2010.

NASCIMENTO, Érica Peçanha. Vozes marginais da literatura. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

ROMÃO, Luiza. Coquetel motolove. São Paulo: Selo do Burro, 2014. SOUZA, Elizandra. Águas da cabaça. São Paulo: Ed. do autor, 2012.

ROMÃO, Luiza. Punga. São Paulo: Toró, 2007.

TENNINA, Lucía. Afeto, escrita e corpo na produção feminina das periferias de São Paulo. In: BARBARENA, Ricardo; DALCASTAGNÈ, Regina. (org.). Do trauma à trama: o espaço urbano da literatura brasileira contemporânea. Porto alegre: Luminara Editorial, 2015a. p. 301- 333.

TENNINA, Lucía. A voz e a letra da mulher na literatura marginal periférica: figurações e reconfigurações do eu. In: DALCASTAGNÈ, Regina. (Org.). Espaço e gênero na literatura brasileira contemporânea. Porto Alegre: Zouk, 2015b. p. 57-83.

WOLF, Naomi. O mito da beleza: como as imagens são usadas contra as mulheres. Tradução de Waldea Barcellos. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Cosac Naify, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428