Adivinhação: brincar de dizer (e de saber?)

Maria Claurênia Abreu de Andrade Silveira

Resumo


Neste artigo, aborda-se a adivinha, gênero literário da tradição oral, no que concerne a formas de registro e atualização, em situação de performance. Discute-se sobre o uso da adivinha por um contador de histórias e alunos, em sala de aula, considerando não só o aspecto lúdico da atividade, mas também a possibilidade de, através do texto da adivinha discutir sobre costumes do passado da comunidade a que pertencem os participantes dessas performances. A utilização da adivinha pelo contador configura a realização do “jogo da adivinhação”, o que revela o seu formato oral. Os textos aqui mencionados, trocados pelo contador e os participantes (alunos do 4º ano do Ensino Fundamental) demonstraram a viabilidade do uso da adivinha para favorecer o desenvolvimento das capacidades de ouvir e falar, argumentando a partir de um texto dito ou lido. Observa-se a presença das adivinhas em publicações que registram esse gênero, mesmo sendo declarada a sua origem oral. Menciona-se também, a partir dos textos e da análise das performances do contador, possibilidades de textos orais, como as adivinhas apoiarem projetos de leitura e de escrita na escola.

Palavras-chave


Jogo da adivinhação; Contador de histórias; Sala de aula.

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política – ensaios sobre literatura e história da culura. Tradução Sergio Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

JOLLES, André. Formas simples – legenda, saga, mito, adivinha, ditado, caso, memorável, conto, chiste. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 1976.

MAIOR, Mário Souto (Org.). O grande livro das adivinhações. Belo Horizonte: Editora Leitura, 2002.

SILVEIRA, M. C. Contar, encantar, aprender/ensinar – um contador de histórias em sala de aula. Tese (doutorado em Letras). PPGL, João Pessoa: UFPB, 2001.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia D. Pochat, Maria Inês de Almeida. São Paulo: Hucitec, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428