A contação de histórias como elemento de resistência em comunidades quilombolas

Leandro Haerter, Hélcio Fernandes Barbosa Júnior, Denise Marcos Bussoletti

Resumo


O processo de contação de histórias em comunidades quilombolas configura-se como uma prática cotidiana que contribui para a preservação, transmissão e ressignificação de saberes e experiências. As histórias são renovadas e atualizadas constantemente e por essa razão resistem nos quilombos brasileiros. Nesse sentido, a discussão teórica que apresentamos compreende comunidades quilombolas, inclusive, como coletivos afrodescendentes, rurais e urbanos, onde podemos encontrar fortemente a presença de narradores, ou seja, sujeitos responsáveis pela transmissão oral da experiência, conforme a perspectiva benjaminiana. Discutimos neste texto o processo de contação de histórias como elemento de resistência que preserva e ressignifica culturas, identidades, memórias e as próprias histórias contadas e recontadas, reforçando assim, a compreensão de quilombos tradicionais e contemporâneos como espaços de resistência a partir da arte da contação de histórias. Para tanto, utilizamos o texto “O Narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”, de Walter Benjamin, além de um repertório particular, acerca da realidade de comunidades quilombolas do Sul do Rio Grande do Sul.

Palavras-chave


Contação de histórias; Narradores; Resistência; Comunidades quilombolas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno. Terras de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livres”, “castanhais do povo”, faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Manaus: PPGSCA-UFAM, 2006.

AMADOR DE DEUS, Zélia. Os herdeiros de Ananse: movimento negro, ações afirmativas, cotas para negros na Universidade. 2008. 295f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, UFPA, Belém, PA.

ANJOS, José Carlos Gomes; BAPTISTA DA SILVA, Sergio (Orgs.). São Miguel e Rincão dos Martimianos: ancestralidade negra e direitos territoriais. Porto Alegre: UFRGS, 2004.

ARROYO, Miguel G. Outros sujeitos, outras pedagogias. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

GOODY, Jack. O mito, o ritual e o oral. Tradução de Vera Joscelyne. Petrópolis: Vozes, 2012.

HAERTER, Leandro. Uma etnografia na comunidade negra rural Cerro das Velhas: memória coletiva, ancestralidade escrava e território como elementos de sua auto-identificação quilombola. 2010.145f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Instituto de Sociologia e Política, UFPel, Pelotas, RS.

JOVCHELOVITCH, Sandra. Os contextos do saber: representações, comunidade e cultura. Tradução de Pedrinho Guareschi. Petrópolis: Vozes, 2008.

MAESTRI FILHO, Mário. O escravo gaúcho: resistência e trabalho. São Paulo: Brasiliense, 1984.

MAESTRI FILHO, Mário. Breve história da escravidão. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1986.

MAESTRI FILHO, Mário. A servidão negra. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

MAESTRI, Mário. O escravismo no Brasil. São Paulo: Atual, 1994.

MAESTRI, Mário. O escravo no Rio Grande do Sul: trabalho, resistência e sociedade. 3. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.

MCLAREN, Peter. Multiculturalismo crítico. Tradução de Bebel Orofino Schaefer. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428