Traduzindo Língua-Cultura: o caso de Venenos de Deus, Remédios do Diabo de Mia Couto

Ana Helena Rossi, Marília Evelin Monteiro Moreira

Resumo


Segundo Walter Benjamin, traduzir não é informar, mas é realizar um conjunto de estratégias sobre a estrutura da linguagem a fim de recriá-la, transmitindo o essencial. No caso do livro “Venenos de Deus, remédios do Diabo”, de Mia Couto, lançado em 2008 pela Companhia das Letras, a narrativa se estrutura dentro do passado marcado pela colonização que incide sobre o tempo de agora em Moçambique. As memórias entrelaçadas das personagens assim como as falas revisitam antigas questões. Objetivou-se com essa pesquisa: i) realizar a versão do português moçambicano para o espanhol de três capítulos; ii) analisar e refletir sobre o papel do tradutor frente aos desafios colocados por um livro com fortes marcas culturais. A perspectiva de tradutória de Walter Benjamin revela a linguagem do escritor Mia Couto a partir da essência da obra: a marca da oralidade na escrita como modo de resistência cultural, sendo exteriorizada por meio de figuras de linguagem, rimas, neologismos e expressões idiomáticas.

Palavras-chave


Tradução Literária; Moçambique; Cultura; Identidade moçambicana; Resistência cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


ALÓS, Anselmo Peres. O narrador oblíquo de Mia Couto: Venenos de Deus, remédios do Diabo. Revista África e Africanidades, Rio de Janeiro, ano 2, n. 8, fev. 2010. Coluna Resenha. .

ANSCOMBRE, Jean-Claude. Parole proverbiale et structures métriques. In: Langages, n.139, p. 6-26, 2000.

BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

CAIXETA, Geovane Fernandes. Interjeições: no limbo dos estudos gramaticais. Revista Alpha, n. 15, p. 23-34, nov. 2014.

COUTO, MIA. E se Obama fosse africano?: e outras interinvenções. Lisboa, Editorial Caminho SA, 2009.

COUTO, MIA. Venenos de Deus, remédios do Diabo: as incuráveis vidas de Vila Cacimba. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

GÓIS, Aurino José. As religiões de matrizes africanas: o Candomblé, seu espaço e sistema religioso. Revista Horizonte, Belo Horizonte, v. 11, n. 29, p. 321-352, jan./mar. 2013.

GONÇALVES, Perpétua. (Dados para a) história da língua portuguesa em Moçambique: Maputo, 2000.

HILGERT, José Gaston. A oralidade em textos escritos: reflexões à luz de uma teoria de texto. Revista Calidoscópio, v. 9, n. 3, p. 171-179, set/dez 2011.

LAGES, Susana Kampff. A tarefa-renúncia do tradutor. In: Branco, Lucia Castello (Org.). A tarefa do tradutor, de Walter Benjamin: quatro traduções para o português. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2008.

MAZAMA, Ama. A afrocentricidade como um novo paradigma. In: Nascimento, Elisa Larkin (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009.

Sankofa: Matrizes Africanas na Cultura Brasileira. MORIGI, Valdir Jose; ROCHA, Carla Pires Vieira da; SEMENSATTO, Simone. Memória, representações sociais e cultura imaterial. Morpheus - Revista Eletrônica em Ciências Humanas , v. 9, n. 14, 2012.

NASCIMENTO, Alessandra Amaral Soares, Candomblé e Umbanda: Práticas religiosas da identidade negra no Brasil, RBSE, 9(27):923 a 944, dezembro de 2010.

PIMENTAL, Célia de Oliveira. Oralidade na escrita. Erro? Paraná: Secretaria de Estado da Educação, 2007.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-215, jul. 1992.

RIBEIRO, Josenilda Oliveira. Sincretismo religioso no Brasil: uma análise histórica das transformações no catolicismo, evangelismo, candomblé e espiritismo. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2012.

SENGO, Alice Graça Samuel. Processos de enriquecimento do léxico do português de Moçambique. Maputo: Universidade do Porto, 2010.

TIMBANE, Alexandre António. Que português se fala em Moçambique? Uma análise sociolinguística da variedade. Vocábulo: Revista de Letras e Linguagens Midiáticas. v.7 , 2014.

TODOROV, Tzvetan. Teoría de la literatura de los formalistas rusos. 3. ed. México: Siglo XXI, . 1978.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428