A estratégia discursiva do cordel prosificado

Doralice F. Xavier Alcoforado

Resumo


O folheto de cordel, veiculado em verso sob a forma impressa, emergiu do ambiente de oralidade da cantoria, reinante no século XIX, no Brasil. Dele absorvendo a estrutura poética básica em verso, efetivou uma técnica de composição impressa e estratégia discursiva própria da oralidade. Apesar disso, a pesquisa da Bahia vem constatando um continuado processo de tradicionalização em prosa de alguns folhetos – “verdadeiros” contos. Nesse processo de prosificação, o folheto passa por modificações, troca o registro discursivo original do gênero, instituindo uma nova construção fabular. Essa constatação levou-nos a procurar entender esse processo e as modificações sofridas nesse percurso. É o que este trabalho procura analisar, a partir do estudo de alguns cordéis.

Palavras-chave


Literatura de cordel; Oralidade; Bahia

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, F. Chagas. Cantadores e poetas populares. Paraíba: F.C.Baptista Irmão, 1929.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 1985.v.1

CAMARENA, Julio;CHEVALIER, Máxime. Catálogo tipológico del cuento folklórico español: cuentos maravillosos.Madrid: Editorial Gredos, 1995.

CANCLINI, Néstor Garcia.Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo, EDUSP, 1997.

FERREIRA, Jerusa Pires. Contos russos no Nordeste. O Povo. Sábado. Fortaleza-Ceará, 28 de Janeiro de 1995.

FERREIRA, Jerusa Pires. Registros da memória. (texto inédito).

FREITAS, José Carlos (JOTACÊ). A prosificação do cordel. (Trabalho apresentado no Seminário Estudantil de Pesquisa da UFBA, 2001).

HAVELOCK, Eric. A equação oralidade – cultura escrita: uma fórmula para a mente moderna. In: OLSON, David R.; TORRANCE, Nancy. Cultura escrita e oralidade. 2. ed.São Paulo: Ática, 1977. p. 17-34.

LEMAIRE, Ria. Passado-presente e passado-perdido: transitar entre oralidade e escrita. In: Revista Letterature d’America. Roma: Facoltà di Scienze Umanistiche dell’ Università di Roma “La Sapienza”, 2000. p. 83-121.

LOPES, José de Ribamar. Literatura de cordel: antologia. Fortaleza –CE:BNB,1982.

MASCARENHAS, Vanusa. De “Juvenal e o dragão” a “Juvenal e a serpente” (Trabalho apresentado no Seminário Estudantil de Pesquisa da UFBA, 2002)

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. Campinas- SP: Papirus, 1998.

PIMENTEL, Figueiredo. Rio de Janeiro: Garnier, 1992.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz:a “literatura” medieval. São Paulo: Companhia das Letras, 1993


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boitatá
E-ISSN: 1980-4504
Universidade Estadual de Londrina
E-mail: boitata@uel.br
Telefone: (43) 33714428