Boitatá

A Revista Boitatá (ISSN 1980-4504) é uma publicação semestral vinculada a Universidade Estadual de Londrina (UEL), de acesso livre, do GT de Literatura Oral e Popular da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Letras e Linguística (ANPOLL). Ela tem por objetivo principal disseminar trabalhos inéditos decorrentes de produções científicas de pesquisadores nacionais e estrangeiros que investigam as poéticas orais e a literatura popular.

Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

Redes Sociais:  Facebook    Instagram


Atenção: a partir deste número aceitaremos apenas artigos de Doutores, Mestres ou Mestrandos com seus orientadores.

Solicitamos atenção aos procedimento de inserção de metadados (Passo 3) durante a submissão. O método de inserção é importante para a obtenção do DOI e deve ser padronizado conforme descrito abaixo:

Inserção de Metadados

Os artigos submetidos devem seguir o seguinte modelo:

Modelo 

CHAMADA PARA O NÚMERO 32

Tema: IFNOPAP: uma nascente de histórias

Prazo de submissão: até dia 05/05/21

Editores: 

Prof. Dr. Alexandre Ranieri
Prof. Dr. Frederico Fernandes

Editor Técnico:

Prof. Ms. José Ricardo da Hora Vidal 

Organizadora:

Profa. Dra. Maria do Socorro Simões (UFPA)

O Imaginário nas Formas Narrativas Orais Populares da Amazônia Paraense se fez presente em entre rios e florestas. Pode-se dizer, inclusive, que ele tem um imaginário próprio que se serviu e serve-se do popular para recriar e ressignificar o saber  acadêmico. Por isso, esta chamada convida os ifnopapianos pelo mundo a contar um pouco dessas aventuras que se foram somando e dando forma e conteúdo a esses saberes que se entrelaçam e geraram tantos trabalhos e que, até hoje, não param de brotar nessa perspectiva científico-acadêmica-popular.

Aceitamos também artigos que utilizarem direta ou indiretamente o acervo IFNOPAP.

Mestrandos poderão publicar desde que em coautoria com seus orientadores.

Tutorial para submissão de artigos: 

Submissão de artigos


v. 15, n. 30 (2020): A voz como território de (re)existência: poéticas orais, afetos e troca de saberes

Editores: 

Prof. Dr. Alexandre Ranieri

Prof. Dr. Frederico Fernandes

Editora Técnica:

Profª Drª Mauren Pavão Przybylski da Hora Vidal ( IFBAIANO – Santa Inês / LANMO)

Organizadoras:

 

Profa. Dra. Andréa Betânia da Silva (UNEB)

Profa. Dra. Bruna Paiva de Lucena (SEEDF / UnB)

 

As poéticas das vozes em suas múltiplas corporificações – cantorias, repentes aboios, cocos, cordéis, emboladas, rap e o que mais ganha o mundo por performances, oralidades e escritas  – existem e resistem em nossos territórios ao passar largo dos tempos, seja fazendo parte das trilhas dos nossos corpos nas rodas em que nos encontrávamos em prosa (e que esperançamos por voltar a assim viver), seja caminhando mais que veloz pelas redes invisíveis, mas já tão presentes, das telas de celulares, computadores... E o que nasceu no calor do afeto ganhou os salões, as salas, as escolas, as universidades, sendo, a um só tempo, mídia, poesia, discurso, panfleto. Já sabemos que não cabe mais falar em morte do popular como muitos anunciaram, mas em reinvenção contínua e viva de uma tradição que se cria, recria e cria numa lemniscata infinita.

O número 30 da Revista Boitatá propõe tratar de tudo isso, buscando ser espaço para a interlocução de pesquisas, experiências e reflexões em torno das múltiplas manifestações das poéticas das vozes. Buscamos receber artigos que abordem o potencial dessas poéticas e suas diferentes linguagens em diversos meios de produção, bem como inseridos em contextos educativos formais e informais. Acolhendo propostas múltiplas e interdisciplinares, o eixo que unirá os textos será a reverberação dessas vozes poéticas. Esperamos ainda discutir as dimensões epistêmicas e metodológicas relacionadas às poéticas das vozes, difundidas e ensinadas em escolas, universidades e outros espaços educativos, sob perspectivas críticas ao sexismo, racismo, elitismo, eurocentrismo e colonialismo. Serão bem-vindas pesquisas que versem sobre poéticas populares, epistemologias orais, indígenas, experiências de valorização da memória e história oral no âmbito da história pública, bem como abordagens feministas interseccionais e decoloniais.

Palavras-chave: Poéticas orais. (Re)existência. Troca de saberes.

 

Tradução para língua estrangeira

Las poéticas de las voces, en sus múltiples materializaciones (cánticos, cantos vaqueros del noreste, cocos, literatura de cordel, emboladas y rap, son las que más conquistan al mundo con sus performances, oralidades y escrituras), han existido y resistido en nuestros territorios a lo largo del tiempo. Eso fue posible no solo por los senderos de nuestros cuerpos en los círculos donde nos encontrábamos en prosa (lo que anhelamos volver a experimentar), sino también por su difusión de forma muy veloz en las redes invisibles (pero tan presentes) de las pantallas de celulares, computadoras, etc. De ese modo, lo que nació en el calor del afecto conquistaron los salones, las salas, las escuelas, las universidades, siendo, al mismo tiempo poesía, discurso, publicidad y los medios. Sabemos que ya no es más adecuado hablar de la muerte de lo popular como lo han anunciado muchas veces, sino de la reinvención continua y viva de una tradición que se crea, recrea y crea en una lemniscata infinita.

El número 30 de la Revista Boitatá  se propone hablar de todo eso buscando ser un espacio para la interlocución de investigaciones, experiencias y reflexiones en torno de las múltiples manifestaciones de las poéticas de las voces. Buscamos recibir artículos que abordan el potencial de esas poéticas y sus diferentes lenguajes en diversos medios de producción, así como inseridos en contextos educativos formales e informales. Acogiendo propuestas múltiples e interdisciplinares, el eje que unirá los textos será la reverberación de esas voces poéticas. Esperamos aún discutir las dimensiones epistémicas y metodológicas relacionadas con las poéticas de las voces, difundidas y enseñadas en escuelas, universidades y otros espacios educativos bajo perspectivas críticas acerca del sexismo, racismo, elitismo, eurocentrismo y colonialismo. Serán bienvenidas las investigaciones que versen sobre poéticas populares, epistemologías orales, indígenas, experiencias de valoración de la memória e historia oral en el ámbito de la historia pública, bien como abordajes feministas interseccionales y decoloniales.

Palabras clave: Poéticas orales. (Re)existencia. Intercambio de saberes.

Edição completa

Ver ou baixar a edição completa PDF HTML

Sumário

Expediente

 
00-05

Editorial

Andréa Betânia da Silva, Bruna Paiva de Lucena
06-08

Artigos Convidados

Edilene Matos
09-33
Maurílio Antonio Dias de Sousa
34-46
Ria Lemaire
47-60

Dossiê

Joel Vieira da Silva Filho, Cristian Souza de Sales
62-74
Renata Daflon Leite
75-87
Maria Gislene Carvalho Fonseca
88-100
Fernanda Oliveira da Silva, Maria Teresa Salgado
101-109
Railda Maria da Cruz dos Santos, Edil Silva Costa
PDF
110-120
Adriana Aparecida de Jesus Reis
121-133
Amanda Maria Damasio Teixeira, Ana Cristina Pereira da Silva
134-144

Entrevista

Andréa Betânia da Silva, Bruna Paiva de Lucena, Bruna Paiva de Lucena
145-157