Revista Oeste: ensaio de modernização no sertão goiano da Era Vargas

Cássio Santos Melo

Resumo


Objetivamos neste artigo analisar a produção intelectual em torno da revista goiana Oeste, que circulou entre 1942 a 1944 na cidade de Goiânia, e produziu vinte e quatro números. Esta revista possuía propósitos claros de ser um divulgador de escritores locais e nacionais, consagrados e desconhecidos, todavia, o seu viés de propaganda política calou profundamente em suas páginas. Apadrinhando-se à Pedro Ludovico Teixeira, o interventor goiano escolhido por Getúlio Vargas após o Golpe de 1930, Oeste fará ampla defesa do Estado Novo varguista e também do novo líder local. Além da defesa de Ludovico, Oeste apoiará e divulgará com ímpeto o grande projeto modernizador de Goiás naquele momento: a construção de uma nova capital, Goiânia, inaugurada em julho de 1942.

Palavras-chave


Revista Oeste; Goiânia; Intelectuais; Historiografia paulista; Sertão

Texto completo:

PDF

Referências


APRESENTAÇÃO sem autoria. Oeste, Goiânia, n. 1, p.1, jul. 1942. Versão fac-símile.

BLOCH, Marc. A história, os homens e o tempo. In: BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício do historiador. Tradução: André Teles. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BOMENY, Helena (org.). Constelação Capanema: intelectuais e política. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2001.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas. São Paulo: Cia das Letras, 1989.

COSTA, Castro. O sentido ideológico de Goiânia. Oeste, Goiânia, n. 1, p. 3-4, jul. 1942. Versão fac-símile.

COSTA, Maria Beatriz Ribeiro. A Revolução de 1930 e a Revista Oeste na consolidação de Goiânia: do Bandeirismo utópico à concretização do discurso. 1994. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 1994.

CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. A Era Vargas: dos anos 20 a 1945. São Paulo: CPDOC/FGV, 2020. Disponível em: https://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AEraVargas1/biografias/cassiano_ricardo. Acesso em: 21 out. 2020.

CUNHA, Euclides da. À margem da história. 5. ed. Porto: Livraria Lello & Irmão, 1941.

CUNHA, Euclides da. Contrastes e confrontos. Rio de Janeiro, Record, 1975.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Negros, estrangeiros: os escravos libertos e sua volta à África. [2. ed.] São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

EDITORIAL. Oeste, Goiânia, n. 4, p. 1, maio 1943b. Versão fac-símile.

EDITORIAL. Oeste, Goiânia, n. 2, p. 2, mar. 1943a. Versão fac-símile.

EDITORIAL. Oeste, Goiânia, n. 6, p.1, jul. 1943c. Versão fac-símile.

EDITORIAL. Oeste, Goiânia, n. 8, p. 2, set. 1943d. Versão fac-símile.

ÉLIS, Bernardo. Oeste: lucro e/ou logro. Goiânia: Universidade Católica de Goiás: Caixa Econômica Federal, 1983.

FABRIS, Annateresa. O futurismo paulista: hipóteses para o estudo da chegada da vanguarda ao Brasil. São Paulo: Edusp: Perspectiva, 1994.

FERREIRA, Antonio Celso. A epopéia Bandeirante: letrados, instituições, invenção histórica (1870-1940). São Paulo: Editora Unesp, 2002.

FIGUEIREDO, Paulo. O Brasil comeu espinafre. Revista Oeste, Goiânia, n. 1, p. 5, jul. 1942. Versão fac símile.

FIGUEIREDO, Paulo. Oeste: um veículo do Estado Novo. Goiânia: Universidade Católica de Goiás: Caixa Econômica Federal, 1983.

GOMES, Angela de Castro. Essa gente do rio...: modernismo e nacionalismo. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999.

LENHARO, Alcir. Sacralização da política. 2. ed. Campinas: Papirus, 1986.

LUCA, Tania Regina de. A Revista do Brasil: um diagnóstico para a (N)ação. São Paulo: Editora Unesp, 1998.

MELLO, Evaldo Cabral de. A outra Independência: federalismo pernambucano de 1817 E 1824. Revista RIHGB, Rio de Janeiro, v. 436, p. 93-107, maio/jun. 2007.

MICELI, Sérgio. Intelectuais e classe dirigente no brasil (1920 – 1945). São Paulo: Difel, 1979.

PÉCAUT, Daniel. Os intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. Tradução: Maria Júlia Goldwasser. São Paulo: Ática, 1990.

PEREIRA, Eliane M. C. Manso. O Estado Novo e a Marcha Para Oeste. História Revista, Goiânia, v. 2, n. 1, p. 113-29, jan./jun. 1997.

PERFIL biográfico de Gerson de Castro Costa - PSD. Assembléia Legislativa do Estado de Goiás, Goiânia, [2021]. Disponível em: https://portal-legado.al.go.leg.br/deputado/perfil/deputado/1641. Acesso em: 01/07/2021.

PONTES, Heloísa. Destinos mistos: os críticos do grupo Clima em São Paulo (1940-68). São Paulo: Cia. das Letras, 1998.

SALIBA, Elias Thomé. Raízes do riso: a representação humorística na história brasileira da Belle Époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

SCHWAB, Marina de Castro. Os intelectuais no Estado Novo (1937-1945). A trajetória de Paulo de Figueiredo e as revistas Cultura Política e Oeste. 2010. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

SEVCENKO, N. Orfeu extático na Metrópole: São Paulo – sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SILVA, Dayana P. L. Paulo Augusto de Figueiredo e a revista Oeste (1942-44). In: COLÓQUIO: TRAJETÓRIAS INTELECTUAIS EM PERSPECTIVA DE HISTÓRIA COMPARADA. 1, 2019, Goiânia. Resumos. Goiânia: Faculdade História, 2019. Disponível em: https://www. historia.ufg.br/p/29320-grupo-de-estudos-trajetorias-intelectuais-emperspectiva-de-historia-comparada-getihc. Acesso em: 10 de junho de 2021.

SIQUEIRA, Nóbrega de. Marcha para o Oeste. Oeste, Goiânia, n. 18, jul. 1944.

SOUZA, Rildo Bento de. Pelas páginas da Revista Oeste: poder e imprensa em Goiás (1942-1944). Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 11, n. 2, ago.- dez., 2018.

VELLOSO, M. P. A brasilidade verde-amarela: nacionalismo e regionalismo paulista. Estudos Históricos, v. 11, p. 89-112, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2021v14n28p159

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA