Regimes de escuta e espaço histórico de Minas (séculos XVIII-XIX)

Virgínia Albuquerque de Castro Buarque, Cesar Maia Buscacio

Resumo


Este artigo é resultado de pesquisas acerca das sonoridades ecoantes em Minas Gerais entre os séculos XVIII e XIX, desenvolvidas no âmbito dos estágios pós-doutorais realizados junto ao Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense (UFF) e ao Programa de Pós-graduação em Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Discorre sobre o tríplice regime de escuta (teológico-católico, racional-ilustrado e romântico) que conferia sentidos à pluralidade sonora ecoante nas terras mineiras entre os séculos XVIII e XIX, ou seja, antes da virada tecnológica que permitiu a gravação e a reprodução de sons em equipamentos de produção industrial. As sonoridades que então reberveravam nessa espacialidade (dos ecossistemas, dos ofícios, das práticas de sociabilidade, de religiosidade, de controle e repressão sócio-política etc.) eram significadas mediante códigos politicoculturais, aqui conceituados como regimes de escuta, com seus específicos critérios de valoração, hierarquização, depreciação e até de silenciamento do audível. Em termos teóricos, a noção de regime de escuta, fundamentada na reflexão foucaultiana, é cotejada neste texto com a concepção musicológica de paisagem sonora. De forma concomitante, é postulado, em interlocução com a reflexão formulada por Michel de Certeau, que os regimes de escuta operantes em Minas colonial e imperial tiveram importante papel na configuração histórica deste território, buscando aproximá-la de um projeto civilizatório continuamente esgarçado não só por tensões e conflitos com alteridades ambientais e socioculturais, mas também por práticas de resistência e subversão dos grupos subalternizados.


Palavras-chave


sonoridade, regime de escuta, paisagem sonora, espaço histórico, Minas Gerais

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Marcelo Crisafuli Nascimento. Música Popular em Minas Gerais no século XIX: São João del-Rei, um estudo de caso. Temporalidades - Revista Discente do Programa de Pós-Graduação em História da UFMG, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 43-49, ago./dez. 2010a.

ALMEIDA, Marcelo Crisafuli Nascimento. Folguedos do povo e partida familiar: a música e suas manifestações populares em São João Del-Rei (1870 – 1920). 2010. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, 2010b.

ALVES, Paulo Henrique Pinto Coelho Rodrigues. Bandas de música e o cenário musical de Vila Rica/Outro Preto no século XIX. 2019. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

ARAÚJO, Patrícia Vargas Lopes de; SILVA, Thiago Henrique Mota. Rústicos e civilizados: representações da sociedade, do espaço e do homem mineiro. Cordis: Revista Eletrônica de História Social da Cidade, São Paulo, n. 8, p. 33-68, jan./jun. 2012.

ÁVILA, Affonso. O teatro em Minas Gerais: séculos XVIII e XIX. Ouro Preto: Prefeitura Municipal de Ouro Preto: Museu da Prata, 1978.

BARROS, Fernando R. de Moraes. A pintura em Schelling e o problema da imagem. Veritas, Porto Alegre, v. 55, n. 3, p. 202-216, set./dez. 2010.

BAUDOIN, Sébastien. Écriture et magie dans l'œvre de Chateaubriand. Les Lettres Romanes, Louvain, v. 66, n. 3-4, p. 529-546, 2012.

BONIN, Iara Tatiana; KIRCHOF, Edgar Roberto. Entre o bom selvagem e o canibal: representações de índio na literatura infantil brasileira em meados do século XX. Práxis Educativa (Ponta Grossa), Ponta Grossa, v. 7, p. 221-238, dez. 2012. Número especial.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Sacerdotes de viola: rituais religiosos do catolicismo popular em São Paulo e Minas Gerais. Petrópolis: Vozes, 1981.

BRIZUELA, Natalia. Fotografia e império: paisagens de um Brasil moderno. São Paulo: Cia. das Letras, 2012.

BUARQUE, Virgínia. Uma história moral, apologética e... moderna? A escrita católica de meados do século XVIII ao início do XIX. História da Historiografia, Ouro Preto, v. 4, n. 6, p. 142-157, 2011.

BUDASZ, Rogério. Teatro e música na América Portuguesa: convenções, repertório, raça, gêneroe poder. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2008.

BURTON, Richard. Viagem do Rio de Janeiro a Morro Velho. Tradução: David Jardim Júnior. São Paulo: Itatiaia Ed., 1976.

CAMARA, Andrea Albuquerque Adour da. Vissungo: o cantar banto nas Américas. Belo Horizonte: FAE/UFMG, 2013.

CAPELLER, Ivan. Introdução à arqueologia da escuta - do som e da voz como objetos de enunciação. Ciberlegenda, [s. l.], v. 2, n. 24, p. 7-15, 2011.

CASTRO, Guilherme Augusto Soares de. O conceito expandido da sonoridade como ferramenta para entender o processo de criação musical em estúdio. [2019]. Disponível em: https://www.academia.edu/4613485/O_conceito_expandido_da_sonoridade_como_ferramenta_para_entender_o_processo_de_cria%C3%A7%C3%A3o_musical_em_est%C3%BAdio. Acesso: 12 fev. 2019.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1994.

CERTEAU, Michel de. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

COSTA, Manuela Areias. “Vivas à República”. Representações da banda “União XV de novembro” em Mariana, Minas Gerais (1901-1930). 2012. Dissertação (Mestrado em História Social) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

COURCY, Ernest de. Seis semanas nas minas de ouro do Brasil. Tradução: Júlio Castañon Guimarães. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1997.

DAIBERT, Robert. A religião dos bantos: novas leituras sobre o calundu no Brasil colonial. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 28, n. 55, p. 7-25, jun. 2015.

DELVAUX, Marcelo Motta. As minas imaginárias: O maravilhoso geográfico nas representações sobre o sertão da América Portuguesa – séculos XVI a XIX. 2009. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

DIAS, Paulo. A outra festa negra. In: KANTOR, Iris; JANCSÓ, István (org.). Festa: cultura e sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: Hucitec: Edusp, 2001. Disponível em: http://cachuera.org.br/cachuerav02/images/stories/arquivos_pdf/aoutrafestanegra.pdf. Acesso em: 25 fev. 2020.

FAVERO, Franciele. O romantismo e a estetização da natureza. Revista UDESC, Florianópolis, v. 7, n. 9, p. 206-217, 2012.

FONSECA, Cláudia Damasceno. Arraiais e vilas d’el rei: espaço e poder nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das Ciências Humanas. Tradução: Salma Tannus Muchail. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, Michel. A descrição arqueológica. In: FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FREIREYSS, Georg Wilhelm. Viagem ao interior do Brasil. Tradução: A. Löfgren. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1982.

FURTADO, Júnia Ferreira. Os sons e os silêncios nas Minas de Ouro. In: FURTADO, Júnia Ferreira (org.). Sons, formas, cores e movimentos na modernidade atlântica: Europa, Américas e África. São Paulo: Annablume, 2008a. p. 19-56.

FURTADO, Júnia Ferreira. Introdução. In: FURTADO, Júnia Ferreira (org.). Sons, formas, cores e movimentos na modernidade atlântica: Europa, Américas e África. São Paulo: Annablume, 2008b. p. 11-16.

IEPHA - Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais. Saberes, linguagens e expressões musicais da viola em Minas Gerais. Belo Horizonte: Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, 2018.

INGOLD, Tim. Pare, olhe, escute! – um prefácio. 2008. Disponível em: http://pontourbe.revues.org/1944. Acesso em: 29 dez. 2019.

LIMA, Francisco Wellington Rodrigues et al. (org.). Grande sertão, 60 anos. Macapá: UNIFAP, 2017.

LISBOA, Joaquim José. Descrição curiosa das principais produções, rios e animais do Brasil, principalmente da Capitania de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 2002.

LOPES, Eliane Marta Teixeira; GIANNETTI, Ricardo. As coisas lindas, muito mais que lindas, essas ficarão: educação & cultura na Província de Minas Gerais. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; CHAMON, Carla Simone. História da Educação em Minas Gerais: da Colônia à República. Uberlândia: EDUFU, 2019.

LOZADA, Janaina Zito; DRUMMOND, José Augusto. Espíritos cheios de bichos: a fauna nas viagens de Louis Agassiz e Richard Francis Burton pelo Brasil oitocentista. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 30, n. 55, p. 253-284, jan./abr. 2015.

MACENA, Fabiana Francisca; MUNIZ, Diva do Couto Gontijo. Entre bailes, saraus e outras festas: protagonismo das mulheres no abolicionismo mineiro oitocentista. Dimensões, Revista de História da Ufes, Vitória, v. 38, p. 47-68, jan./jun. 2017.

MACHADO FILHO, Aires da Mata. O negro e o garimpo em Minas Gerais. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

MAGALHÃES, Cristiane Maria. Os sons e a paisagem fabril nas Minas oitocentista: o caso de Itabira. In: FURTADO, Júnia Ferreira (org.). Sons, formas, cores e movimentos na modernidade atlântica: Europa, Américas e África. São Paulo: Annablume, 2008.

MALTA, Marise. Imortal enquanto dure... animais, taxidermia e objetos do mal na arte. In: ENCONTRO DA ANPAP, 25., 2016, Porto Alegre. Anais[…]. Porto Alegre: ANPAP, 2016. p. 1-16.

MARTINS, Luiz Eduardo Ferreira. Montanhas e morros mineiros: as representações das montanhas de Minas Gerais nos relatos de viagem de Auguste de Saint-Hilaire (Século XIX). 2017. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, 2017.

MASSIMI, Marina. Palavras, almas e corpos no Brasil colonial. São Paulo: Loyola, 2005.

MAWE, John. Viagem ao interior do Brasil. Tradução: Selena Benevides Viana. Belo Horizonte: Itatiaia, 1978.

MIRANDA, Luiz Francisco Albuquerque de. O deserto dos mestiços: o sertão e seus habitantes nos relatos de viagem do início do século XIX. História, São Paulo, v. 28, n. 2, p. 621-643, 2009.

MORAES, José Geraldo. Escutar os mortos com os ouvidos. Dilemas historiográficos: os sons, as escutas e a música. Topoi: Revista de História, Rio de Janeiro, v. 19, n. 38, p. 109- 139, maio/ago. 2018.

NAKAHODO, Lilian Nakao. Cartografias sonoras: um estudo sobre a produção de lugares a partir de práticas sonoras contemporâneas. 2014. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

OLIVEIRA, Júlio Cesar de. A polifonia perdida do Arraial do Tijuco. Opsis: Revista do Departamento de História e Ciências Sociais, Goiás, v. 8, n. 11, p. 37-58, 2008.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. Do caipira picando fumo a Chitãozinho e Xororó, ou da roça ao rodeio. Revista USP, São Paulo, n. 59, p. 232-257, set./nov. 2003.

OLIVEIRA, Marcelo Almeida. As roças brasileiras, do período colonial à atualidade: caracterização histórica e formal de uma categoria tipológica. Varia História, Belo Horizonte, v. 28, n. 48, p. 755-780, jul./dez. 2012.

PÉCORA, Alcir. O bom e o boçal ou o selvagem americano entre calvinistas franceses e católicos ibéricos. Remate de Males, Campinas, v. 12, p. 35-44, 1992.

PEREIRA, Joyce Kimarce do Carmo. Entre festejos e ofícios: um olhar acerca das manifestações culturais do toque dos sinos de São João del-Rei/Minas Gerais. 2017. Dissertação (Mestrado em Estudos do Lazer) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

PINTO, Tiago de Oliveira. Ruídos, timbres, escalas e ritmos: sobre o estudo da música brasileira e do som tropical. Revista USP, São Paulo, n. 77, p. 98-111, mar./maio. 2008.

POHL, Johann Emanuel. Viagem ao interior do Brasil. Tradução: Milton Amado e Eugênio Amado. Belo Horizonte: Itatiaia, 1976.

PUCCI, Magda Dourado. Influência da voz indígena na música brasileira. Música Popular em Revista, Campinas, v. 2, p. 5-30, jan./jun. 2016.

RÊGO, Andrea Queiróz. Paisagens sonoras e identidades urbanas. Os sons nas crônicas cariocas e as transformaçõesdo bairro de Copacabana (1905 - 1968). 2006. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

RICOTTA, Lúcia. Natureza, ciência e estética em Alexander von Humboldt. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

ROCHA, Anderson. Festa ribeirinha: cenas de um Brasil antigo nas práticas do cururu mato-grossense. 2015. Tese (Doutorado em História) - Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

ROCHA, Claudia Maria de Holanda. Escutando a cidade: cartografia de sonoridades. 2017. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

ROMEIRO, Adriana. Os rumores na guerra dos emboabas. In: FURTADO, Júnia Ferreira (org.). Sons, formas, cores e movimentos na modernidade atlântica: Europa, Américas e África. São Paulo: Annablume, 2008.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Tradução: Vivaldi Moreira. Belo Horizonte: Itatiaia, 2000.

SCHAEFFER, Pierre. Tratado dos objetos musicais. Ensaio interdisciplinar. Brasília: Ed. UnB, 1993.

SCHAFER, R. Murray. A afinação do mundo. Uma exploração pioneira pela história passada e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto do nosso ambiente: a paisagem sonora. 2. ed. São Paulo: Ed. Unesp, 2001.

SILVA, André Barbachan. Qual o som deste lugar? Investigações poéticas acerca da paisagem sonora. 2016. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2016.

SILVA, Maria do Rosário Gomes da. O Candombe do Açude Cipó e a resistência cultural quilombola: lutas contra-hegemônicas de um Sul multifacetado. In: SEMINÁRIO LATINO-AMERICANO DE ESTUDOS EM CULTURA – SEMLACult, 1, 2017, Foz do Iguaçu. Anais […]. Foz do Iguaçu: Unila, 2017. Disponível em: file:///C:/Users/Dell/Downloads/654-2719-1-PB.pdf. Acesso em: 5 dez. 2020.

SILVA, Salomão Jovino da. Memórias sonoras da noite: musicalidades africanas no Brasil Oitocentista. 2005. Tese (Doutorado em História) - Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2005.

SILVA JÚNIOR, Airton Ribeiro da. Civilização e barbárie na ciência do Direito Internacional: discursos e representações de conceitos entre os séculos XVI e XIX. 2015. Dissertação (Mestrado em Direito e Relações Internacionais) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

SPIX, Johan Baptist von; MARTIUS, Karl Friedrich Philipp von. Viagem pelo Brasil: 1817-1820. Tradução: Lucia Furquim Lahmeyer. 3. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1976.

VASCONCELOS, Diogo Luiz de Almeida de. História antiga de Minas Gerais. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.

VIANA, Fábio Henrique. A paisagem sonora de Vila Ricae a música barroca das Minas Gerais (1711-1822). 2011. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

VITTE, Antonio Carlos. O desenvolvimento do conceito de paisagem e a sua inserção na geografia física. Mercator, Fortaleza, v. 6, n. 11, p. 71-78, 2007.

WISNIK, J. Miguel. O som e o sentido. Uma outra história das músicas. São Paulo: Companhia das Letras: Círculo do Livro, 1989.

WITTMANN, Luisa Tombini. Flautas e maracás: música nas aldeias jesuíticas da América Portuguesa (séculos XVI e XVII). 2011. Tese (Doutorado em História) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2021v14n28p223

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA