A malandragem no país da ditadura: humor, deboche e política no cinema realizado por Hugo Carvana

Reinaldo Cardenuto

Resumo


Em 1973, após consolidar-se profissionalmente como ator, Hugo Carvana lançou-se à direção de filmes. Propondo um estilo de criação a aproximar heranças artísticas distintas, as chanchadas carnavalescas e o engajamento do Cinema Novo, o cineasta voltou-se para a realização de longas-metragens humorísticos, de comicidade debochada, nos quais estabeleceu leituras críticas ao Brasil da ditadura militar. Influenciado pela dramaturgia de Vianinha, na perspectiva de desnudar contradições sociais presentes no país, Carvana construiu uma filmografia popular, inserida na indústria cultural, a demarcar oposições aos valores do universo burguês. Redigindo roteiros em parceria com Armando Costa, o cineasta dirigiu na década de 1970 as obras Vai trabalhar, vagabundo (1973) e Se segura, malandro (1978), nas quais exercitou uma recusa irônica à ideologia conservadora vinculada ao progresso capitalista e à ética do trabalho. Por meio de um elogio à vigarice e à “boa” malandragem, tratadas como resistência criativa dos desvalidos aos desmandos autoritários, seus filmes propuseram uma abordagem romântica em torno da classe popular, representado-a como orquestradora de um desvio irreverente ao aburguesamento do mundo. Celebrando a sagacidade do povo, Carvana fez do riso um instrumento de refutação às hierarquias sociais, compondo paineis satíricos a expor o mal-estar vivido pela sociedade brasileira em tempos ditatoriais.

Palavras-chave


Hugo Carvana; Ditadura militar brasileira; Cinema brasileiro; Humor político; Arte de engajamento

Texto completo:

PDF

Referências


.ALBUQUERQUE, João Luiz de. Carvana, um sério malandro. Isto é, São Paulo, p. 46-47, 29 ago. 1979.

BASTOS, Mônica Rugai. Tristezas não pagam dívidas: cinema e política nos anos da Atlântida. São Paulo: Olho d´água, 2001.

BÔSCOLI, Ronaldo. Hugo Carvana, depoimento a Ronaldo Bôscoli. Referência incompleta, acervo pessoal de Hugo Carvana, 1978.

CARDENUTO, Reinaldo. A sobrevida da dramaturgia comunista na televisão dos anos de 1970: o percurso de um realismo crítico em negociação. In: CZAJKA, Rodrigo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá; NAPOLITANO Marcos (org.). Comunistas brasileiros: cultura política e produção cultural. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013. p.85 - 106.

CARDENUTO, Reinaldo. O cinema político de Leon Hirszman: engajamento e resistência durante o regime militar brasileiro. 2014. Tese (Doutorado em Meios Processos Audiovisuais) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

CARVANA, Hugo. Depoimento para a posteridade. Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, 21 jul. 2010. Mídia digital.

CARVANA, Hugo; COSTA, Armando. Gravações das conversas sobre o roteiro de “Bar esperança”. Arquivo pessoal de Hugo Carvana, 1982. fita-cassete.

CASTRO, Tarso de. Os comerciais do Carvana, por favor. Última hora, Rio de Janeiro, 28 nov. 1973.

CERQUEIRA, Lúcia. Uma tentativa de recriar o mundo, louca e alegremente. Jornal da Bahia, Salvador, 31 ago. 1978.

COSTA, Armando. Se segura, malandro. Cinemateca Brasileira,1978. Material de divulgação do filme.

COZZATTI, Luiz César. Humor amargo com um sorriso nos lábios. ZH Variedades, Rio de Janeiro, 8 set. 1978.

DADDARIO, Heloisa. Negando a volta à chanchada. Opinião, Rio de Janeiro, 21 dez. 1973.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DEALTRY, Giovanna. No fio da navalha: visões da malandragem na literatura e no samba. Rio de Janeiro: Leya Casa da Palavra, 2009.

FERREIRA, Fernando. Se segura, malandro. O globo, Rio de Janeiro, 1978.

FICO, Carlos. Reinventando o otimismo: ditadura, propaganda e imaginário social no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1997.

HERMETO, Miriam. ‘Olha a gota que falta’: um evento no campo artísticointelectual brasileiro (1975-1980). 2010. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

MELO, Luís Alberto Rocha. Argumento e roteiro: o escritor de cinema Alinor Azevedo. 2006. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006.

NAPOLITANO, Marcos. Rio, Zona Norte (1957) de Nelson Pereirados Santos: a música popular como representação de um impasse cultural. Per Musi, Belo Horizonte, n. 29, p. 75 - 85, 2014.

NAPOLITANO, Marcos. Coração civil: a vida cultural brasileira sob o regime militar (1964-1985). São Paulo: Intermeios, 2017.

PASQUIM. Entrevista com o “vagabundo”. Pasquim, Rio de Janeiro, n. 266, 12 ago. 1974.

RANGEL, Maria Lucia. Hugo Carvana, a necessidade do lúdico. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 27 mar. 1973.

RIDENTI, Marcelo. Brasilidade revolucionária, um século de cultura e política. São Paulo: UNESP, 2010.

VIEIRA, João Luiz. A chanchada e o cinema carioca (1930-1950). In: RAMOS, Fernão Pessoa; SCHVARZMAN, Sheila (org.). Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: Edições Sesc, 2018. v. 1. p. 344 - 391.

XAVIER, Ismail. Cinema brasileiro moderno. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

ZAPPA, Regina. Hugo Carvana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2005




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2019v12n23p602

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA