O suicídio da presidente: a arte da mentira e a criação do consenso na grande imprensa brasileira

Carla Luciana Souza da Silva

Resumo


O objetivo deste texto é problematizar algumas questões sobre as dificuldades encontradas pelos historiadores no uso da imprensa como fonte. Mais especificamente, as concepções de verdade e mentira na mídia. Essas noções criam imensas dificuldades para a leitura do texto midiático, já que as mentiras possuem um lugar social e político. Há uma busca sistemática de consenso, de convencimento, mas as mesmas também são acompanhadas de manipulação. Por isso fica mais difícil separar os dois campos. Realidade e fantasia se misturam, e com isso elementos pessoais acabam se sobrepondo a posições políticas.

Palavras-chave


Imprensa e história; História imediata; Consenso

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

ARBEX JR, José. Showrnalismo: a notícia como espetáculo. São Paulo: Casa Amarela, 2001.

AVELAR, Daniel. Jovem não sabe distinguir notícia falsa, mostra estudo nos EUA. Folha de São Paulo, 24 nov. 2016. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/11/ 1835017-jovem-nao-sabe-distinguir-noticia-falsa-mostra-estudo-nos-eua.shtml?cmpid= facefolha. Acesso em: 20 jan. 2017.

BENJAMIN, Walter. O capitalismo como religião. São Paulo: Boitempo, 2013.

BIANCHI, Alvaro; ALIAGA, Luciana. Força e consenso como fundamentos do Estado. Pareto e Gramsci. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 5, p. 17-36, 2011.

BUCCI, Eugenio. Pós-verdade, pós-política, pós-imprensa. O Estado de São de Paulo, 10 nov. 2016. Disponível em: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,pos-verdade-pos-politica-pos-imprensa,10000087368. Acesso em: 19 abr. 2017.

CAREY, John. Os intelectuais e as massas. São Paulo: Ars Poetica, 1993.

CHOMSKY, Noam. Consentimento sem consentimento: a teoria e a prática da democracia. Estudos Avançados, São Paulo, v. 11, n. 29, p. 259-276, 1997.

DESIDERIO, Mariana. Sete boatos da política brasileira que podem ter enganado você. Revista Exame, 13 set. 2016. Disponível em: http://exame.abril.com.br/brasil/7-boatos-da-politicabrasileira-que-podem-ter-enganado-voce/. Acesso em: 19 abr. 2017

GRAMSCI, Antonio. Americanismo e fordismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. (Cadernos do Cárcere. v. 4).

GURGEL, Claudio. A Gerência do pensamento: gestão contemporânea e consciência neoliberal. São Paulo, Cortez, 2003.

LE BOM, Gustave. Psicologia das Multidões. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2008.

ORTIZ, Renato. (Org.). Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1994.

PADRÓS, Enrique. Os desafios na produção do conhecimento histórico sob a perspectiva do Tempo Presente. Anos 90. V.11, n.19/20, p. 190-223, jan./dez., 2004.

PROPAGANDA Vencedora - Folha de São Paulo-1987. Publicidade No Ato blog, 18 jun. 2007. Disponível em: http://publicidadenoato.blogspot.com.br/2007/06/propaganda -vencedora-folha-de-so-paulo.html/. Acesso em: 12 set. 2016.

QUESSADA, Dominique. O poder da publicidade na sociedade consumida pelas marcas. Como a globalização impõe produtos, sonhos e ilusões. São Paulo: Futura, 2003.

SAFATLE, Vladimir. Cinismo e falência da crítica. São Paulo: Boitempo, 2008.

SERRANO, Pascual. Desinformación. Como los médios ocultan el mundo. Barcelona: Península, 2009.

SILVA, Carla. Imprensa liberal, imprensa partidária: uma aproximação historiográfica. In: SILVA, Carla; RAUTEMBERG, Edina (Org.). Historia & Imprensa: estudos de hegemonia. Porto Alegre: FCM, 2014.

SILVA, Carla. VEJA: o indispensável partido neoliberal. Cascavel: Edunioeste, 2009.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o empoderamento das mulheres – ONU Mulheres. Brasília, 2015.

WELLE, Deutsche. Qual o verdadeiro peso das notícias falsas? Carta Capital, 21 nov. 2016.

Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/qual-o-verdadeiro-peso-dasnoticias-falsas/. Acesso em: 12 abr. 2017.

ZUCKERBERG: ‘Facebook não prejudicou debate durante eleição’. Para o executivo-chefe da rede social, o argumento reflete uma falta de empatia pelos eleitores que favoreceram o republicano Trump. 2016. Disponível em: http://veja.abril.com.br/mundo/zuckerbergfacebook-nao-prejudicou-debate-durante-eleicao/. Acesso em: 12 abr. 2017.

ZYLBERKAN, Mariana. Chega ao fim ‘Avenida Brasil’ – o perfeito fenômeno pop. Veja, 19 out. 2002. Disponível em: http://veja.abril.com.br/entretenimento/chega-ao-fim-avenida-brasilo-perfeito-fenomeno-pop/. Acesso em: 22 nov. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2017v10n19p332

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA