Didática e história escolar: dimensões disciplinares e culturais

Maria Aparecida Leopoldino

Resumo


O artigo objetiva refletir sobre os nexos que envolvem a Didática e a história escolar por meio de duas dimensões que marcam sua historicidade: a disciplinar e a cultural. O intento com essa reflexão é enfatizar as condições históricas da disciplinarização desse saber balizadas pela crença na ideia de progresso e civilização que instituíram uma memória social ainda presente como continuidade dos problemas e mazelas do ensino de História escolar na sociedade brasileira e como tais dimensões envolvem a história escolar e ecoa nas investigações sobre o ensino de História em diferentes direções analíticas no debate sobre a Didática da História. Em seu desdobramento, indica que a Didática da História se pergunte, fundamentalmente, sobre o espaço reservado a uma História escolar crítica em um contexto reprodutivo de uma história tradicional permanente na cultura escolar como parte de seu universo teórico, conceitual e prático sobre o ensino e a aprendizagem da história escolar.

Palavras-chave


Educação escolar; Ensino de história; Didática; Formação de professores

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Miguel Vale de. Comemoração, nostalgia imperial e tensão social – o desenvolvimento Portugal-Brasil: comentários às análises de imprensa. In: SÁ, Celso P.; CASTRO, Paula. (Org.). Memórias do Descobrimento do Brasil. Rio de Janeiro: Museu da República, 2005.

ASSIS, Arthur. A teoria da história de Jörn Rüsen: uma introdução. Goiânia: UFG, 2010.

BARBOSA, Januário da Cunha. Extrato dos Estatutos. Revista do IHGB, Rio de Janeiro, v. 1, p.18-19, 1839.

BLOCH, Marc. Apologia da História, ou o Ofício do Historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRAUDEL, Fernand. A história e as Ciências Sociais: a longa duração. Revista de História, São Paulo, ano 16, v. 30, n. 62, p. 261-294, abr.-jun. 1965.

BURKE, Peter. História com memória social. In: BURKE, Peter. Variedades de História Cultural. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2000.

CASTRO, Paula. Hegemonia e polêmica na memória social do descobrimento do Brasil. In.: SÁ, Celso P.; CASTRO, Paula. (Org.). Memórias do Descobrimento do Brasil. Rio de Janeiro: Museu da República, 2005.

CERRI, Luis Fernando. Os conceitos de consciência histórica e os desafios da didática da história. Revista de História Regional. Ponta Grossa, v.6, n.2, p.93-112, 2010.

CERTEAU, Michel De. A escrita da história. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

CHESNEAUX, Jean. Devemos fazer tábula rasa do passado? São Paulo: Ática, 1994.

CIAMPI, Helenice. O processo do conhecimento/pesquisa no ensino de história. História & Ensino, Londrina, v. 9, p. 109-132, out. 2003.

DIEHL, Astor Antônio. A cultura historiográfica brasileira: do IHGB aos anos 1930. Passo Fundo: Ediupf, 1998.

ELIAS, Norbert. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

FEBVRE, Lucien. Profissões de fé à partida. In: FEBVRE, Lucien. Combates pela história. Lisboa: Editorial Presença, 1989.

FEBVRE, Lucien. Combates. In: MOTA. Carlos Guilherme (Org.). Febvre. História. São Paulo: Ática, 1992. (Coleção Os grandes Cientistas Sociais).

GASPARELO, Arlette M. Construtores de identidades: a pedagogia da nação nos livros didáticos da escola secundária brasileira. São Paulo: Iglu, 2004,

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Repensando os domínios de Clio: as angústias e ansiedades de uma disciplina. Revista Catarinense de História, Florianópolis, n. 5, p. 5-20, 1998.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Usos da história: refletindo sobre identidade e sentido. História em Revista. Pelotas/RS, v. 6, p. 21-36, 2000.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. A cultura histórica oitocentista: a constituição de uma memória disciplinar. In: PESAVENTO, Sandra J. (Org.). História cultural: experiências de pesquisa. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 2003. p. 9-24.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução Bernardo Leitão. 4. ed. Campinas, SP: Unicamp, 1996.

LIMA, Maria. Consciência histórica e educação histórica: diferentes noções, muitos caminhos. In: MAGALHÃES, Marcelo et al. (Org.). Ensino de História: usos do passado, memória e mídia. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2014.

MARTIUS, Carlos Frederico P. von. Como se deve escrever a história do Brasil. In: MARTIUS, Carlos Frederico P. von. O Estado do Direito entre os autóctones do Brasil. São Paulo: Ed. Itatiaia/EDUSP, 1982.

NAXARA, Márcia Regina Capelari. Pensando Origens para o Brasil no Século XIX: História e Literatura. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 32, p. 47-64, jan./jun., 2000.

NEVES, Margarida de Souza. Nos compassos do tempo. A história e a cultura da memória. In: SOIHET, Rachel et al. (Org.). Mitos, projetos e práticas políticas: memória e historiografia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

NORA, Pierre. Entre Memória e História: a problemática dos lugares. Projeto História: revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC/São Paulo, São Paulo, n. 10, p. 7-28, dez., 1993.

OLIVEIRA, Sandra Regina F. de. Os tempos que a história tem. In.: OLIVEIRA, Margarida Maria Dias de. (Org.). História: ensino fundamental. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Básica, 2010. p.35-58.

RICOEUR, Paul. Memória, história, esquecimento. 2003. Disponível em: http://www.uc.pt/fluc/lif/publicacoes/textos_disponiveis_online/pdf/memoria_historia. Acesso em: 9 jun. 2016. Título original Memory, history, oblivion.

ROBERTS, Michael. E Escola dos Annales e a escrita da História. In: LAMBERT, Peter et al. História: introdução ao ensino e à prática. Tradução Roberto Cataldo Costa. Porto Alegra: Penso, 2011.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora História com Pedagogia: a contribuição da obra de Jonathas Serrano na construção do código disciplinar da História no Brasil. Revista Brasileira de História, v. 24, n. 48, p. 189-211, 2004.

TOLEDO, Maria Aparecida LeopoldinoTursi. A história ensinada sob o império da memória: questões de História da disciplina. História [online], São Pulo, v.23, n.1-2, p.13-32, 2004.

TOLEDO, Maria Aparecida LeopoldinoTursi. Pensar a história, repensar seu ensino: por que ensinar o passado à infância brasileira? In: AMARO, Hudson Siqueira; RODRIGUES, Isabel Cristina. (Org.). História: metodologia do ensino. 2. ed. Maringá: EDUEM, 2012. v. 1, p. 19-40.

TOLEDO, Maria Aparecida LeopoldinoTursi. Problematizar o tradicional para encontrar o novo: o ensino de História no quadro das tendências historiográficas. Cadernos de História da Educação, Uberlândia, v.15, n.1, p.323-347, jan.-abr. 2016.

VARNHAGEN, Francisco Adolpho de. História Geral do Brazil. Rio de Janeiro: Caza de E. e H. Laemmert, 1854. t. 2.

VILAR, Pierre. Iniciação ao vocabulário de análise histórica. Lisboa: Sá da Costa, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2016v9n18p168

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA