Esquerda ou direita? Professores, opção política e didática da história

Caroline Pacievitch, Luis Fernando Cerri

Resumo


Discute-se neste texto o tema das opções políticas de professores de história e suas implicações para a docência. Questiona-se: existem relações entre a opção política e as escolhas didáticas de um professor de história? Os dados foram obtidos em colaboração com o projeto Jovens e História no Mercosul, que usa um questionário respondido por uma amostra não probabilística de 288 professores de história do Brasil, da Argentina, do Uruguai, do Chile e do Paraguai. As respostas receberam um tratamento estatístico descritivo e inferencial e atribui-se especial atenção às opções políticas dos professores e aos cruzamentos de informações gerais com posicionamentos sobre aspectos didáticos. A noção de esquerda e direita foi delineada a partir de Norberto Bobbio. Constatou-se que os professores, independente da opinião política, defendem a importância do ensino de história e valorizam sua própria participação política. Há diferenças sutis na avaliação de objetivos de ensino e de dificuldades profissionais entre os docentes, que também tendem a interpretar eventos históricos sensíveis de forma coerente às opções políticas. Essas constatações provocam a pensar o papel dos formadores de professores de história, reforçando a importância de conectar política e didática na constituição da responsabilidade docente.

Palavras-chave


Ensino de história; Formação de professores; Didática da história; Posições políticas; Mercosul

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectivas, 2009.

BOBBIO, N. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. São Paulo: Unesp, 2011.

BRESSER-PEREIRA, L. C. O paradoxo da esquerda no Brasil. Novos Estudos, São Paulo, n. 74, p. 25-45, mar. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002006000100003. Acesso em: 9 nov. 2014.

BRESSER-PEREIRA, L.C. A nova esquerda: uma visão a partir do sul. Revista de Filosofia Política, Porto Alegre, v. 6, p. 144-178, dez. 2000. Disponível em: http://www.bresserpereira.org.br/view.asp?cod=947. Acesso em: 9 nov. 2014.

CARREIRÃO, Y. S. Identificação ideológica e voto para presidente. Opinião Pública, Campinas, v. 8, n. 1, p. 54-79, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762002000100004. Acesso em: 9 nov. 2014.

CORPORACIÓN LATINOBARÓMETRO. Latinobarómetro. Disponível em: http://www.latinobarometro.org/lat.jsp. Acesso em: 5 fev. 2015.

DOSEK, T. ¿Por qué la gente vota a la izquierda? Clivajes, ideología y voto retrospectivo en Bolivia y Uruguay en perspectiva comparada. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 57, n. 3, p. 773-815, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52582014000300773&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 16 nov. 2014.

FANFANI, Emilio Tenti. La condición docente. Análisis comparado de la Argentina, Brasil, Perú y Uruguay. Buenos Aires: Siglo XXI Editores, 2007.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Cia das Letras, 2012.

GOUVEIA, A. B. Direita e esquerda na política educacional: democracia, partidos e disputas entre projetos de administração pública municipal no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 90, n. 224, p. 32-58, jan./abr. 2009. Disponível em: http://www.oei.es/pdf2/rbep_224_direita_esquerda_politica_educacional.pdf. Acesso em: 9 nov. 2014.

KAUCHAKJE, S. Esquerda e direita importam: partidos políticos e valores de vereadores sobre direitos sociais. Civitas, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 236-261, maio/ago. 2012. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id =74223598003. Acesso em: 15 nov. 2014.

LILÓN, D. El mapa político de América Latina en el siglo XXI. South-East Europe International Relations Quarterly, Budapeste, v. 3, n. 2, p. 1-11, 2012.

MADEIRA, R.; TAROUCO, G. Esquerda e direita no Brasil: uma análise conceitual. Revista de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Maranhão, v. 8, n. 15, p. 171-186, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/ index.php/rpcsoc/article/view/591. Acesso em: 9 nov. 2014.

MOCCA, E. O futuro incerto dos partidos políticos argentinos. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 55, p. 49-63, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?pid=S0103-40142005000300004&script=sci_arttext. Acesso em: 9 nov. 2014.

MOREIRA, C. A esquerda no Uruguai e no Brasil: cultura política e desenvolvimento partidário. Opinião Pública, Campinas, v. 6, n. 1, p. 17-54, 2000. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=32960102. Acesso em: 1 nov. 2014.

MOTTA, A. R.; POSSENTI, S. Direita e esquerda: volver! In: JORNADA INTERNACIONAL DE ESTUDOS DO DISCURSO, 1., 2008, Maringá. Anais... Maringá, 2008. Disponível em: http://www.dle.uem.br/jied/pdf/DIREITA%20E%20

ESQUERDA%20motta%20e%20possenti.pdf. Acesso em: 9 nov. 2014.

NOLTE, D. Pautas de orientación socioeconômica y perfil ideológico de los senadores en el cono sur. América Latina Hoy. Salamanca, n. 38, p. 101-123, 2004. Disponível em: http://revistas.usal.es/index.php/1130-2887/article/viewFile/10321/10749. Acesso em: 16 nov. 2014.

PROYECTO DE OPINIÓN PÚBLICA DE AMÉRICA LATINA. Barómetro de las Américas. Disponível em: http://www.vanderbilt.edu/lapop-espanol/acerca-americasbarometer.php. Acesso em: 5 fev. 2015.

RODRIGUES, L. M. Os partidos brasileiros representam algo? Em direção da estabilização? In: RODRIGUES, L. M. Partidos, ideologia e composição social: um estudo das bancadas partidárias da Câmara dos Deputados. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2009. p. 143-154.

TAROUCO, G.; MADEIRA, R. Esquerda e direita no sistema partidário brasileiro: análise de conteúdo de documentos programáticos. Revista Debates, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 93-114, maio/ago. 2013. Disponível em: seer.ufrgs.br/debates/article/ download/38573/26637. Acesso em: 15 nov. 2014.

ZECHMEISTER, E.; CORRAL, M. El variado significado de “izquierda” y “derecha” en América Latina. Perspectivas desde el Barómetro de las Américas, Nashville, n. 38, p. 1-10, 2010. Disponível em: http://www.vanderbilt.edu/lapop/insights/I0838es.pdf. Acesso em: 16 nov. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2016v9n18p298

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA