Antes da Corte: população e pobreza no Rio de Janeiro, c.1763-c.1808

Renato Pinto Venancio

Resumo


Antes mesmo da chegada da família real, em 1808, o Rio de Janeiro havia se transformado no principal centro urbano da América portuguesa. No entanto, isso tinha implicações negativas para a população mais pobres. O aumento demográfico fazia com que os preços dos alimentos básicos subissem, assim como tornava mais difícil o acesso a terrenos para construção de habitações. O presente artigo analisa o impacto dessa situação no aumento de óbitos de pobres registrados na Santa Casa da Misericórdia carioca.

Palavras-chave


Escravidão; Rio de Janeiro; 1808; Pobreza

Texto completo:

PDF

Referências


ALDEN, Dauril. Royal government in colonial Brazil: with special reference to the administration of the Marquis of Lavradio, Viceroy, 1769-1779. Los Angeles: University of California Press, 1968.

ALEMÃO, Francisco Freire. Caça que existiu ou que ainda existe nas matas virgens de Campo Grande. Biblioteca Nacional, Seção de Manuscritos, cód. I, 28,9,48.1845.

ALMEIDA, P. A. A Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro. Jornal do Commércio, 8 de julho de 1899.

ARAUJO, Antonio Alves. Reflexões sobre a edificação de novas casas na cidade do Rio de Janeiro. Seção de Manuscritos da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, cód. 22,1,10. 1817.

BAIROCH, Paul et aI. La population des villes européennes: banque de donnés et analyse sommaire des résultats: 800-1850. Géneve: Droz, 1988.

BERNARDES, Lysia. Função defensiva do Rio de Janeiro e seu sítio original. Boletim Carioca de Geografia, Rio de Janeiro, v.13, p. 92, 1960.

BICALHO, Maria Fernanda. A cidade e o império: o Rio de Janeiro no século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTEL, Paul. Européens et espaces maritimes (vers 1690-vers 1790). Bordeaux: Presses Universitaires de Bordeaux, 1997.

CAVALCANTI, Nireu Oliveira. O Rio de Janeiro setecentista: a vida e a construção da cidade da invasão francesa até a chegada da Corte. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

COSTA, Iraci Del Nero da. Vila Rica: população (1719-1826). São Paulo: IPE/USP, 1979.

COSTA, lraci Del Nero da; GUTIERREZ, Horácio. Paraná: mapas de habitantes, 1798-1830. São Paulo: IPE/USP, 1985.

EDMUNDO, Luiz. O Rio de Janeiro no tempo dos vice-reis. Rio de Janeiro: Conquista, 1956. v. 1.

FLORENTINO, Manolo Garcia. Em Costas Negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.

FLORENTINO, Manolo Garcia; FRAGOSO, João. O arcaísmo como projeto: mercado atlântico; sociedade agrária e elite mercantil em uma economia colonial tardia: Rio de Janeiro (1790-1840). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

FRANÇA, Jean Marcel Carvalho. Visões do Rio de Janeiro: antologia de textos, 1531-1800. Rio de Janeiro: José Olympio/EDUERJ, 1999.

FRIDMAN, Fania. Donos do Rio em nome do rei: uma história fundiária da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

JOHNSON JUNIOR, Harold. A preliminary inquiry into money, prices, and wages in Rio de Janeiro, 1763-1823. Colonial roots of modern Brazil, Berkeley, p. 231-281, 1973.

JOHNSON, M. H. Money and prices in Rio de Janeiro. L'histoire quantitative du Brésil. Paris: CNRS, 1973.

LI MA, Carlos. Artífices do Rio de Janeiro (1790-1808). Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.

LIBBY, Douglas Cole. Transformação e trabalho em uma economia escravista: Minas Gerais no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1988.

LISBOA, Balthazar da Silva. Annaes do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Typographia Imperial, 1840. v. 1.

LOBO, E. M. L. História do Rio de Janeiro (do capital comercial ao capital industrial e financeiro). Rio de Janeiro: IBEMEC, 1987. v. 1.

MALERBA, Jurandir. Sobre o tamanho da comitiva. In: SCOTT, Ana Silvia Volpi; FLECK, Eliane Cristina Deckmann. A corte no Brasil: população e sociedade no Brasil e em Portugal no início do século XIX. São Leopoldo: Oikos, 2008. p. 160-176.

MARCILIO, Maria Luíza. A cidade de São Paul o: povoamento e população, 1750-1850. São Paulo: Pioneira/ EDUSP, 1973.

MARQUÊS DO LAVRADlO. Cartas do Rio de Janeiro (1769-1776). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1975, v. I, p. 94.

MATTOSO, Kátia Queirós. Bahia, século XIX: uma província no Império. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

MELLO E SOUZA, Laura de. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. Rio de Janeiro, Graal, 1982.

MEYER, Jean. Quelques vues sur l'histoire des villes à I'époque moderne. Annales Économies, Sociétés, Civilisations, Paris, v. 29, n. 6, p. 1551-1568, 1974.

MORSE, Richard (Ed.). The urban development of Latin America, 1750-1920. Stanford: Center for Latin American Studies, 1971.

NASCIMENTO, Ana Amélia Vieira. Dez freguesias da cidade do Salvador. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1986.

NASH, Gary. The social evolution of preindustrial american cities, 1700-1820. Jounal af Urban Hisrory, v.13, n . 2, p. 115, 1987.

PÉTRÉ-GRENOUlLLEAU, Olivier. L'Argem de la traire: milieu négrier, capitalisme et développement - um modèle. Paris: Aubier, 1996.

PINTO, Virgílio Noya. O ouro brasileiro e o comércio anglo-português. São Paulo: Ed. Nacional, 1979.

RAMOS, Donald. Vila Rica: profile of a colonial brazilian urban center. The Americas, v. 35, n. 4, p. 496, 1979.

SANTOS, Francisco Noronha. As freguesias do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Cruzeiro, 1965.

SOUZA, Jorge Prata de. Escravidão: ofícios e liberdade. Rio de Janeiro: APERJ, 1998.

VENANCIO, Renato Pinto. Vila Rica: prosperité et déclin urbain dans le Minas Gerais (XVIII-XX siècles). In: VIDAL, Laurent (Org.). La ville au Brésil (XVIIIe-XXe siècles) naissances et renaissances. Paris: Rivages des Xantons, 2008. p. 179-204.

WOOLF, Stuart. The poor in western Europe in the Eighteenth and Nineteenth centuries. Londres: Methuen, 1986.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2013v6n11p10

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Antíteses
Londrina/PR - Brasil
ISSN: 1984-3356

antiteses@uel.br

PPG-HSCNPQRevista da ABPN foi a indexada a ERIHPLUS-European REference Index for the  Humanites and Social...Indexadores
Directory of Open Access Journals – DOAJDORA