ALIENAÇÃO, TERRITÓRIO E LUGAR: ESBOÇO DE REFLEXÃO SOBRE DIÁLOGO ENTRE MÉTODOS DE ABORDAGEM

Carlos Alberto Caetano

Resumo


A partir das conceituações de alienação, território e lugar, o artigo discute o uso desses conceitos por autores que usam os métodos de abordagem fenomenológico e materialista dialético, recorrendo a textos de teóricos como Relph (2012); Seamon (1996); Santos (2000); Marandola Jr. (2010); Marx (1970); Guatarri (1985), entre outros. Coloca como questão principal de reflexão a presença do capitalismo em todos os setores da vida dos indivíduos, desde o mais íntimo aconchego do lar, denominado pela fenomenologia como “casulo protetor”, até os aspectos mais transversais sobre a produção do desejo de consumir, a partir dos comerciais veiculados pela mídia. Conceitua que a relação entre sujeito e objeto altera-se a partir da proposição do chamado sujeito corporificado e problematiza sobre a produção de conhecimento científico na contemporaneidade, do ponto de vista da sociedade do capitalismo simbólico.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Paulo Henrique Furtado de. Superação do capitalismo a partir da lógica humano-societária do trabalho? Postone, Lukács e Chasin se encontram. In: NEVES, Renake Bertholdo David (org.) Marx: Trabalho, estranhamento e emancipação. Vol. I, 1ª. ed. – Rio de Janeiro: Consequência, 2015, pp- 51-90.

CHEROBINI, Demétrio. A teoria da alienação em Marx, de István Mészáros. Publicado em www.correiocidadania.com.br em 28 de fevereiro de 2015, pdf, acessado em 23/10/2015 às 15h21.

GUATARRI, Felix. Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. 3ª. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo (parte I). 13ª. ed. Petrópolis: Vozes: 2004.

LIMA, Elias Lopes de. Encruzilhadas geográficas: notas sobre a compreensão do sujeito na teoria social crítica. 1ª. ed. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

MARANDOLA JR, Eduardo J. Identidade e autenticidade dos lugares: o pensamento de Heidegger em Place and Placelessness, de Edward Relph in Espaço de Socialização de Coletivos, Perspectivas fenomenológicas da Geografia, XVI Encontro Nacional de Geógrafos, Porto Alegre: 2010.

MARX, K. Il Capitale, III: Crítica dell’economia politica, 8 vol., Roma, Editori Riuniti, 1970, p. 183. apud QUAINI (2002), p. 135.

______ Lineamenti fondamentali della critica dell’economia politica. Firenze, La Nuova Itália, 1968-1970 (contém também a importante Introduzione a Per la critica dell’economia politica (1857) e Le forme economiche precapitalistiche) apud QUAINI (2002).

MERLEAU-PONTY, Maurice. A estrutura do comportamento. São Paulo: Martins Fontes, 2004b.

MÉSZÁROS, István. A teoria da alienação em Marx. Boitempo: 2006.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Território na Geografia de Milton Santos. São Paulo: Annablume, 2013. (Geografia e Adjacências).

POSTONE, M. Critical and Historical Transformation. In: Historical Materialism, v. 12:3, 2004.

QUAINI, Massimo. Marxismo e Geografia. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002

RELPH, Edward. Place and Placelessness, in The Environmental and Architectural Phenomenology Newsletter, v.7, nº 3, 1996.

______. Reflexões sobre a emergência, apectos e essência de lugar. In: MARANDOLA JR., Eduardo; HOLZER, Wherter; OLIVEIRA, Lívia (Orgs.) Qual o espaço do lugar? Geografia, Epistemologia, Fenomenologia. São Paulo: Perspectiv, 2012. p. 17-32.

SANTOS, Milton. Por uma outra Globalização. Do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, 2000.

SEAMON, David. A singular impact: Edward Relph’s: Place and Placelessness. Environmental and Architectural Phenomenology Newsletter. v. 7, n. 3, p.5-8, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com
REDIB