Territórios transfronteiriços: o patrimônio cultural no caminho inaciano na Espanha e a Rota Iguassu-Misiones no Brasil, Paraguai e Argentina

Mauro José Ferreira Cury, Jordi Tresserras Juan

Resumo


O artigo tem o objetivo de analisar o turismo cultural na vertente religiosa de forma relacionada à complexidade e a transdisciplinaridade da geografia que se intersecciona com os Jesuítas; ou seja, o Caminho de Inaciano na Espanha onde é o início da Companhia de Jesus e a Rota Iguassu-Misiones entre o Brasil, Paraguai e Argentina onde ocorre a decadência das Missões na América do Sul. A partir deste objetivo, este está estruturado em além da introdução, serão apresentados uma reflexão sobre os conceitos que permeiam este artigo os patrimônios materiais e imateriais destes territórios envolvidos para o desenvolvimento territorial e transfronteiriço. A seguir uma análise comparativa entre estas duas rotas.  A metodologia é, complexa, multidisciplinar em territórios distintos que possuem similaridades, singularidades, pelos caminhos e rotas em que o turismo cultural se faz com objetivos de desenvolvimento com as mais distintas redes que podem constituir em cluster de turismo em territórios transfronteiriços.


Palavras-chave


Patrimônio; Geografia; Desenvolvimento Territorial

Texto completo:

PDF

Referências


BENI, Mário Carlos. Fundamentos da Teoria de Sistemas Aplicados ao Turismo. São Paulo: SENAC. 2001.

BIESEK, Ana Solange. Territorialidade indígena: patrimônio histórico cultural das reduções jesuítico-guaranis e sua importância turística. In. CURY, Mauro José Ferreira. e SCHALLENBERGER, Erneldo. A cultura missioneira no universo transfronteiriço. Cascavel. Edunioeste. 2013.

CAMINO IGNACIANO. (2013). Camino Ignaciano [http://caminoInaciano.org]. (Site acessado em: 13 de junho de 2014.

CURY, Mauro José Ferreira. Visitação em áreas naturais protegidas: um estudo comparado dos Parques Nacionais Del Iguazú e do Iguaçu. 2003. 207 f, Dissertação Mestrado em Ciências da Comunicação, Área de concentração em Relações Públicas, Propaganda e Turismo, Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2003.

DA SILVEIRA, Emerson. J. Sena. Turismo Religioso e Popular: Entre a ambigüidade conceitual e as oportunidades de mercado. Revista de Antropología Experimental, número 4, p.1-16. 2004.

GARAY, Luis Tomajón. y CÀNOVES, Gemma. Un análisis del desarrollo turístico en Cataluña atráves de ciclo de evolución del destino turístico. Boletín de la Asociación de Geógrafos Españoles, nº 52, pp. 43-58. 2010.

GUIX, Mireia. e IRIBERRI, Josep Lluís. Sj. Plan Director de Camino Ignaciano 2014 – 2022. Barcelona. TSI. 2013.

INSTITUTO IGUASSU MISIONES. Relatório de Planejamento – Roteiro Iguassu - Misiones. Santo Ângelo. SEBRAE. 2007.

KERN, Arno Alvarez. Utopias e Missões Jesuíticas. Porto Alegre. UFRGS. 1994.

LANQUAR, Robert. La nueva dinámica del turismo religioso y espiritual. Resumen del informe general de la OMT sobre Turismo y Religiones: una contribución al diálogo de las religiones, culturas y civilizaciones, Córdoba. OMT, págs. 1-9. 2007.

NUESTRA HORA. La Compañía de Jesús promoverá el Camino Inaciano para “ofrecer una experiencia de peregrinación a personas del siglo XXI. Site acesso em [http://www.nuestrahora.es/2012/03/20/] (site acessado em 24 de janeiro de 2014).

OSTROWSKI, Maciej. (2002) Peregrinación o turismo religioso: en Ponencia III Congreso Europeo de Santuarios y Peregrinaciones. Monasterio de Montserrat. Aceso em 14 de junho de 2014. Disponible en: http://www.mercaba.org/FICHAS/Evangelizacion/peregrinacion_o_turismo_religios. htm

PÉREZ, Xeraldo Pereiro. Turismo Cultural - Uma visão antropológica. Colección Pasos Edita, nº2, Tenerife. El Sauzal. 2009.

PIJUAN, Joan Segarra. Manresa y San Ignacio de Loyola. Ayuntamiento de Manresa. Manresa. 1991.

PINTO, Álvaro Vieira. Ciência e existência: problemas filosóficos da pesquisa científica. Rio de Janeiro. Paz e Terra. 1979.

SANTOS, Milton. Et. Al. (Org). Território: globalização e fragmentação. 5 ed. São Paulo. Hucitec. 2002.

SHACKLEY, Myra. Space, Sanctity and Service: The English Cathedral as Heterotopia. International Journal of Tourism Research.n. 4, 345-352. Alan Fyall, Anna Leask, Brian Garrod. 2002.

SOLLA, Xosé Manuel Santos. El Camino de Santiago: turistas y peregrinos hacia Compostela. Cuadernos de Turismo, Murcia, n. 18, 2006

SOUZA, Marcelo Lopes. O território: Sobre Espaço e Poder, Autonomia e Desenvolvimento. In: CASTRO, Iná Elias de. et al. (Org.). Geografia: Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1995.

TRESSERRAS, Jordi Juan. (2013) El património como generador de desarrollo a partir del turismo. Site Acesso em 25 de abril de 2013.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura. Patrimônio Mundial do Brasil. 2. ed. Brasília. Caixa Econômica Federal. 2000.

VUKONIC, Bóris. Tourism and Religion. Oxford. Pergamon. 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com
REDIB