Sociedade moderna industrial e a educação ambiental: desafios industriais-ambientais do COREDE Vale do Rio dos Sinos

Mara Alini Meier, Melina Dornelles Severo, Fernanda Sampaio Couto da Silva, Vanessa Manfio

Resumo


Atualmente a urbanização e industrialização vem definindo a dinâmica do cenário espacial mundial, como também brasileiro. As cidades, como as indústrias, vem se expandindo rapidamente e com elas vão se agravando os problemas ambientais, assim como sociais e econômicos devido a falta de preocupação com o contexto sócio-ambiental regional. Essa problemática é visível no Corede do Vale do Rio dos Sinos, cuja forte concentração industrial e urbana provocou a poluição da Bacia Hidrográfica do rio dos Sinos. Nota-se ainda, o descaso das indústrias, a falta de políticas públicas e a fraca conscientização da população local sobre os efeitos danosos ao meio ambiente. Dessa forma, busca-se com este artigo refletir sobre as dinâmicas e problemas ambientais do Corede Vale do Rio dos Sinos, entendendo o papel da indústria na geração de poluentes, que dificulta o desenvolvimento regional. Assim, como, indicar o processo de educação ambiental como ferramenta capaz de auxiliar na formação de cidadãos conscientes e proporcionar uma formação crítica do sujeito, entendido como aquele que atua na sociedade, a fim de desenvolver sua cidadania. Concluiu-se que as mudanças tecnológicas trazem consigo o desenvolvimento e o progresso, mas com elas vem também vários problemas ambientais e socioeconômicos. Por isso no contexto atual se faz necessário um desenvolvimento que seja sustentável, porém são vários os fatores que se envolvem em seu alcance, não sendo um processo simples, mas necessário.


Palavras-chave


Industrialização; Educação Ambiental; Corede Vale do Rio dos Sinos

Texto completo:

PDF

Referências


ATLAS SOCIOECONOMICO DO RIO GRANDE DO SUL. Conselhos regionais de desenvolvimento. Porto Alegre: Secretaria de Planejamento, Gestão e Participação cidadã. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2014.

AREND, Rosa Grasiela; HENKES, Jairo Afonso. Efluentes hospitalares: avaliação da forma de disposição dos efluentes hospitalares em quatro municípios da região do vale dos sinos, no estado do Rio Grande do Sul. Gestão & Sustentabilidade Ambiental, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 263 - 308, out. 2013/ mar. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2014.

BORTOLOZZI, Arlêude; PEREZ FILHO, Archimedes. Diagnóstico da educação ambiental no ensino de geografia. Cadernos de Pesquisa, Maranhão, nº 109, p. 145-171, março, 2000. Disponível em:. Acesso em: 10 jun. 2014.

CARVALHO, Isabel Cristina Moura. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 307, de 05 de julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2011.

COREDES. Pro-RS IV. Propostas estratégicas para o desenvolvimento regional do Estado do Rio Grande do Sul. Passo Fundo. Passografic, 2010.

DIAS, Reinaldo. Gestão ambiental: Responsabilidade social e sustentabilidade. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. São Paulo: Paz e Terra. 1998.

FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍTICA. Dados da FEE. Porto Alegre. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2014.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUIZ ROESSLER. Monitoramento emergencial do Rio dos Sinos. Porto Alegre, 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2014.

GUIMARÃES, Mauro. Sustentabilidade e Educação Ambiental. In: CUNHA, Sandra Baptista da; GUERRA, Antônio José Teixeira (Org.). A questão ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Berthand Brasil, 2005. p. 81-103.

GUERRA, Antônio José Teixeira, MARÇAL, Mônica dos Santos. Geomorfologia Ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

JACOBI, Pedro. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Caderno de pesquisas, n.118, p.189-205, mar. 2003. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo de 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2014.

LOUREIRO, Carlos Frederico; VIÉGAS, Aline. Complexidade e dialética: por uma busca de novos elementos na tradição crítica diante dos desafios da educação ambiental. Ambiente e Educação, Rio Grande, v.12, p. 11-37, 2007.

MEDINA, Tiago. Capitão da Brigada compara mortandade de peixes no Rio dos Sinos à tragédia de 2006: Cerca de 16 toneladas de peixes foram encontrados em faixa superior a 40 quilômetros. Correio do Povo, Porto Alegre, dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2014

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PRO-SINOS. Bacia do Sinos. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2014.

REIGOTA, Marcos. Meio Ambiente e representação social. 7.ed. São Paulo: Cortez, 2007.

REES, W. O sentido ecológico do desenvolvimento econômico integrado. Vancouver: Universidade de British, 1989.

SECRETARIA DA COORDENAÇÃO E PLANEJAMENTO DO RIO GRANDE DO SUL. Rumos 2015: estudo sobre desenvolvimento regional e logística de transportes no Rio Grande do Sul/SCP- DEPLAN; DCAPET. Porto Alegre. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2014.

SCHOELLER, Milena. Mortandade de peixes no Rio dos Sinos completa dois anos: Ministério Público avalia que pouco foi feito para evitar novas tragédias. Clicrbs, out. 2008. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2014.

SPRICIGO, Gisele. O rural no Vale do Rio dos Sinos (RS): situação sócio- econômica e estratégias de desenvolvimento para a região. 2007. 194f. Dissertação (Mestrado em desenvolvimento rural)- Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. Educação ambiental: natureza, razão e história. Campinas: Autores Associados, 2004. 170 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com
REDIB