Política de desenvolvimento de territórios rurais: o caso do território sul-litorâneo no Espírito Santo

Leonardo Rauta Martins, Izabele Fernanda Silveira Vieira

Resumo


A apropriação dos conceitos de Território e Desenvolvimento Sustentável na orientação e formatação de políticas públicas é cada vez mais frequente no Brasil. O presente artigo se propõe a refletir sobre a Política de Desenvolvimento de Territórios Rurais (PRONAT), implementada pelo Governo Federal, especialmente no que se refere aos desafios presentes entre a concepção da política, em geral realizada na esfera macro, e sua aplicação prática no Território, aplicada na esfera micro. Para tanto, é utilizada a experiência prática na articulação  das políticas públicas que deram origem ao território sul-litorâneo do Espírito Santo, relacionando-a a discussão teórica realizada no campo das ciências sociais,  em especial,  na sociologia rural.


Palavras-chave


Desenvolvimento sustentával; Território; PRONAT

Texto completo:

PDF

Referências


ACSERALD, Henri. Ambientalização das lutas sociais - o caso do movimento por justiça ambiental. Estud. av. vol.24, nº. 68, pp.103-119.2010.

ARAUJO, Tânia Bacelar. Painel “O Brasil Rural que queremos”. Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. Olinda, PE, 2008.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTAVEL. Resolução CONDRAF nº 52 de 16 de fevereiro de 2005. Aprova Recomendações do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável – CONDRAF para as Institucionalidades Territoriais de Desenvolvimento Rural Sustentável. Disponível em: . Acesso em: 01/07/2014.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTAVEL. Resolução CONDRAF nº. 75 de 28 de abril de 2010. Aprova a proposta da política de Desenvolvimento do Brasil Rural (PDBR) e seu debate público. Disponível em: Acesso em: 01/07/2014.

CONTAG. Projeto Alternativo de Desenvolvimento Rural Sustentável. Brasília: Contag, 1999 (Impresso).

FAVARETO, Arilson da Silva. Paradigmas do desenvolvimento rural em questão. São Paulo: Fapesp/Iglu, 2007.

GORENDER, Jacob. O marxismo no final do século XX. In: COGGIOLA, O. (Org.). História e Revolução. São Paulo: Xamã VM editora, 1998. pp. 15-30.

HERCULANO, Selene. Do desenvolvimento (in)suportável à sociedade feliz. In: GOLDENBERG, Miriam (Coord.). Ecologia, Ciência e Política: participação social, interesses em jogo e luta de ideias no movimento ecológico. Rio de Janeiro: Revan. 1992. pp. 9-46.

HESPANHOL, Antônio Nivaldo. Agricultura, desenvolvimento e sustentabilidade. In: MARAFON, J. G; RUA, J; RIBEIRO M. A. Abordagens teórico-metodológicas em geografia agrária. Rio de Janeiro: Eduerj. 2007. pp. 179-198.

MATTEI, L. Institucionalidade e Protagonismo Político: Os 10 anos do Condraf. 2.ed. Brasília: MDA, 2010.

MEDEIROS, Leonil de Servolo de; DIAS, Marcelo Miná. Bases para a construção de um marco jurídico-normativo do desenvolvimento territorial no Brasil. In: MIRANDA, Carlos; TIBÚRCIO, Breno. (Org.). Políticas de Desenvolvimento Territorial: desafios para a construção de um marco jurídico-normativo. Brasília: IICA, v. 13. 2011. pp. 127-242.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Colegiados Territoriais: Guia para a Organização Social dos Territórios. Documento de apoio nº. 05, 2010.

MOREIRA, Roberto José. Renda da natureza e territorialização do capital: reinterpretando a renda da terra na competição intercapitalista. Estudos Sociedade e Agricultura, vol. 04, julho. 1995. pp. 89-111.

PLURAL COOPERATIVA DE PESQUISA, CONSULTORIA E SERVIÇOS. Relatório técnico. nº 01. 2011. pp. 1-17.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Globalização da Natureza e a Natureza da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

RAUTA RAMOS, Maria Helena. Questão Ambiental e suas determinações estruturais. Curso de Desenvolvimento Local e Meio Ambiente/Emescam. Vitória. 2011. pp. 1-16.

SCHNEIDER, Sérgio. A pluriatividade como estratégia de reprodução social da agricultura familiar no Sul do Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, v. 16. 2001. pp. 164-184.

SGE (Sistema de Gestão Estratégica). Disponível em: Acesso em 03/03/2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Geographia Opportuno Tempore
UEL - Londrina
EISSN: 2358-1972
E-mail: revista.opportuno.tempore@gmail.com
REDIB