O PROFISSIONAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS ADMINISTRANDO A COMUNICAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DE CONCEITO

Projetos Experimentais em Relações Públicas

Estudo de Caso

Consórcio Intermunicipal para a Proteção Ambiental
da Bacia do Rio Tibagi – COPATI

Discentes

Cristiane Emi Harada, Janice Fortes Nascimento, Tereza Keiko Hasegawa

Orientadora

Profª. Zilda Aparecida Freitas de Andrade

Instituição de Ensino

Universidade Estadual de Londrina – UEL

Conclusão

Dezembro de 1999

INTRODUÇÃO

A sociedade globalizada vem exigindo do profissional de Relações Públicas um posicionamento estratégico baseado em princípios como transparência, criatividade e ética, fazendo com que se adapte cada vez mais às constantes mudanças do mercado competitivo.

Dessa forma, torna-se fundamental que esse profissional potencialize as novas tecnologias e valorize o fator humano por meio da maximização das ações de comunicação nas mais diversas áreas de atuação. Para isto, este trabalho foi desenvolvido em duas etapas:

  • Estruturação do conteúdo teórico que contemplou vários temas, dentre os quais destacam-se: realidade ambiental, “Agenda 21”, a relação entre comunicação e meio ambiente, o papel social do Consórcio Intermunicipal para Proteção Ambiental da Bacia do Rio Tibagi – COPATI e as atividades de Relações Públicas na busca pela reflexão das questões ambientais e suas contribuições na formação do conceito organizacional.
  • Proposta do Plano de Relações Públicas, composto por programas e projetos de comunicação que visaram atender as necessidades da organização e dos seus públicos.

 

DESENVOLVIMENTO

 

Com o advento da Revolução Industrial, há aproximadamente 200 anos, a interação do homem com a natureza intensificou-se, resultando em diversos aspectos positivos e negativos. O crescimento das cidades, o avanço da tecnologia e a modernização da agricultura constituíram aspectos positivos no modelo econômico e industrial dos países industrializados, mas que acarretaram no aumento da degradação ambiental, da quantidade de lixo e da poluição.

Essas preocupações adquiriram dimensões globais e já eram evidentes nas décadas de 60 e 70, pois grupos conservacionistas iniciaram um processo de questionamento do modelo de desenvolvimento. Além disso, as guerras foram responsáveis pela sensibilização dos povos, pois a bomba atômica revelou o poder de destruição do homem e de suas sociedades.

Desde então, diversos movimentos, organizações não-governamentais e sindicatos compraram esta luta de sobrevivência do planeta, tendo a participação dos poderes nacionais e internacionais.

Neste contexto, foi fundado em 21 de setembro de 1989, em Ibiporã, no Paraná, o COPATI, que é uma organização não-governamental com a missão de “proteger e recuperar o ecossistema da Bacia do Rio Tibagi, garantindo a sustentabilidade das futuras gerações”.

Desde a sua fundação, o COPATI vem buscando formas de atuação que estejam em sintonia com as tendências mundiais de conservação ambiental, tendo como foco a recuperação ambiental de uma das mais importantes bacias hidrográficas do Estado do Paraná e a preservação de todos os seres vivos que dependem essencialmente do equilíbrio ambiental dessa unidade geográfica.

Inicialmente, seus projetos eram dirigidos para a recuperação da Bacia do Rio Tibagi, mas, com o tempo, verificou-se a necessidade de implementar projetos que atendessem também aos demais problemas emergentes na área ambiental.

Prefeituras e associados são os responsáveis pelas fontes de receita do COPATI. Dos 42 municípios pertencentes a Bacia do Rio Tibagi, 33 são associados do Consórcio. O novo estatuto, que propõe o ingresso de empresas privadas, possibilitou que 15 empresas se associassem ao COPATI. Esses associados contribuem mensalmente com o Consórcio. Também fazem parte desse grupo instituições públicas como universidades e associações de municípios.

Portanto, a escolha do COPATI para a realização deste Trabalho de Conclusão de Curso justificou-se pela importância da questão ambiental e pela abertura concedida pela administração que reconhece a necessidade de desenvolver projetos de comunicação que contribuam para o fortalecimento do seu conceito perante os seus públicos.

Além disso, por se tratar de uma associação sem fins lucrativos, que depende do reconhecimento e do apoio dos vários públicos com os quais se relaciona para viabilizar a implementação e continuidade das suas atividades, fez-se necessária a aplicação do Plano de Relações Públicas com a finalidade de divulgar as suas contribuições setor ambiental, as quais estão diretamente ligadas à qualidade de vida da comunidade.

Assim, a comunicação é fundamental no processo de informação e sensibilização dos indivíduos, levando-os a avaliar as suas atitudes e fazendo-os entender que a união de esforços pode contribuir significativamente para a minimização dos impactos ambientais.

E as atividades de Relações Públicas destacam-se neste panorama, pois possibilitam a formação de um conceito organizacional positivo, uma vez que promovem o reconhecimento e a aproximação necessária entre os públicos e a organização. “Relações Públicas é a comunicação na administração no que diz respeito à sua visão institucional e à adequada utilização desta em todas as áreas da estrutura organizacional. Ela deve buscar a conscientização de todos dentro da organização, do papel e da responsabilidade que tem pelo seu conceito. Ela apóia, orienta e assessora todas as áreas da organização no tocante à forma mais adequada de conduzir as suas relações com o público” (IANHEZ apud KUNSCH, 1997, p. 155).

Entende-se que o despertar da consciência ecológica nos indivíduos é considerado uma questão que deve ser trabalhada a longo prazo, pois trata-se de um fator que está diretamente relacionado à cultura dos indivíduos.

ANDRADE ressalta que “a comunicação não é simplesmente informação, pois ela é muito mais ampla, abrangendo todos os contatos formais ou informais que nos transmitem qualquer espécie de experiência exterior, revigorando ou alterando o nosso comportamento” (1993, p. 103).

As estagiárias de Relações Públicas, por entenderem o problema ambiental como um assunto de interesse geral, desenvolveram ações com o intuito de divulgar o papel social do COPATI na sociedade e, conseqüentemente, fortalecer seu conceito perante os seus públicos. Utilizaram a visão estratégica no gerenciamento das informações, bem como a análise dos veículos de comunicação mais adequados para a transmissão dessas informações.

O Plano de Relações Públicas foi composto pelos programas “Informação”, “Sistematizando” e “Relacionamento”, e para cada programa foram propostos e executados projetos de comunicação.

 

PROGRAMA “INFORMAÇÃO”

 

O avanço tecnológico e a facilidade de acesso tornaram os veículos de comunicação as principais fontes de informação para a maioria da população brasileira. Entretanto, verifica-se que muitos desses veículos não abordam o tema meio ambiente na sua totalidade, devido a sua complexidade e a forma como vêm priorizando outros assuntos considerados tradicionais.

Dessa forma, o programa “Informação” consistiu em utilizar os veículos de comunicação para informar os públicos do COPATI quanto à importância e as formas de contribuição para a preservação do meio ambiente por meio do incentivo de ações individuais e coletivas.

Neste contexto, desenvolveu um trabalho efetivo de disseminação deste assunto para despertar nos cidadãos a relevância da sua colaboração para minimizar os impactos ambientais.

Este programa envolveu dez projetos. Os executados foram: “Pesquisa de Opinião Pública”, “Momento Ecológico”, “COPATI INFORMA” e “Sistema de Informação na Internet”.

 

  • Projeto “Pesquisa de Opinião Pública”

Abordou o tema “Rádio e o Meio Ambiente”, e teve como objetivo conhecer a opinião dos ouvintes da Rádio Universidade FM quanto à veiculação de inserções ecológicas durante a programação diária desta Rádio. Além disso, a aplicação da pesquisa procurou analisar o interesse dos ouvintes em relação ao tema meio ambiente, levantar os temas que os mesmos consideram necessário serem abordados e verificar a quantidade necessária de inserções na programação da Rádio.

Como forma de coleta de dados foi aplicada a entrevista semi-estruturada com 25 ouvintes, dentre os quais estudantes, lideranças políticas docentes e funcionários da UEL.

 

  • Projeto “Momento Ecológico”

Consistiu na elaboração, produção e veiculação de chamadas ecológicas de aproximadamente um minuto de duração em duas rádios localizadas no município de Londrina. A elaboração dos textos foi realizada pelas estagiárias de Relações Públicas do COPATI, a produção contou com a colaboração de alunos de Jornalismo da UEL e a veiculação foi realizada pelas emissoras Rádio Universidade FM e Alvorada AM.

 

  • Projeto “COPATI Informa”

Preocupou-se com o envio constante de comunicados à imprensa e materiais institucionais e informativos para os veículos de comunicação massivos de Londrina.

Para o COPATI, por ser uma organização não governamental, o bom relacionamento com a imprensa constitui umas das ferramentas mais importantes para a divulgação de suas atividades. Dessa forma, os comunicados auxiliaram os veículos de comunicação na produção de matérias relacionadas ao meio ambiente, assim como divulgaram as ações do COPATI.

 

  • Projeto “Sistema de Informação na Internet”

Foi dirigido aos profissionais da imprensa e visou tornar o COPATI um “Centro de Referência Ambiental”, colocando à disposição dos interessados dados relacionados ao meio ambiente. Nesta perspectiva, objetivou estreitar também o relacionamento com a mídia, fazendo com que o COPATI seja reconhecido por esse público como uma organização pró-ambientalista.

 

  • Projeto “Reciclando o Lixo”

Esse projeto teve com público-alvo a comunidade londrinense que “produz” diariamente uma considerável quantidade de lixo. Foi iniciado com uma pesquisa de opinião junto à comunidade, no sentido de verificar quais são os motivos que influenciam os cidadãos a não utilizarem os containers distribuídos pela cidade de Londrina para lixo reciclável, e de conhecer as razões que levam os cidadãos a contribuir ou não para esse tipo de iniciativa.

 

  • Projeto “Educação Verde”

Baseia-se na realização de palestras e aplicação de atividades práticas, abordando o tema meio ambiente. São três dias em que os alunos do primeiro grau terão a oportunidade de interagir com este tema.

Este projeto proporcionará aos alunos o aumento de seus conhecimentos, integrando-os às questões ambientais e fornecendo-lhes conceitos básicos sobre a reutilização de materiais recicláveis, estimulará a capacidade de reflexão sobre a importância de preservar o meio ambiente e torná-los disseminadores dos conhecimentos adquiridos nas palestras e atividades práticas.

As estratégias do projeto prevêem a elaboração e distribuição de um manual ecológico aos alunos e a realização de atividades práticas.

Este projeto tem a finalidade de tornar-se um exemplo que poderá vir a ser seguido pelas demais escolas das redes municipal e estadual de ensino de Londrina e de outros municípios.

 

  • Projeto “Viver Bem”

Pressupõe a sistematização de um ciclo de palestras ministradas por profissionais de saúde e meio ambiente, uma vez que a questão ambiental está diretamente ligada à saúde. Para tanto, será firmada uma parceria entre o COPATI e um órgão de saúde para oferecer a comunidade londrinense informações úteis que contribuam para a melhoraria da qualidade de vida da população. As estratégias a serem implementadas para atingir tais objetivos consistem em:

  • Buscar apoio junto à Associação Médica de Londrina para a realização das palestras;
  • Divulgar esses eventos nos veículos de comunicação massivos;
  • Elaborar e enviar materiais de divulgação (cartazes e prospectos) por meio de malas direta a todos os profissionais e estudantes da área de saúde local.

 

  • Projeto “Colabore com a Limpeza das Rodovias”

Por este projeto pretende firmar uma parceria entre o COPATI e uma empresa concessionária de rodovias. O COPATI se responsabilizará pela elaboração de panfletos informativos sobre a preservação das rodovias e a concessionária fará a distribuição do material aos usuários das rodovias atendidos por essa empresa.

O objetivo deste projeto é informar os usuários quanto à importância de manter as rodovias limpas e conservadas, levando-os a refletirem sobre a problemática ambiental, instruí-los como não degradar o meio ambiente e mostrar-lhes que a preservação das rodovias depende da colaboração de todos.

A elaboração e distribuição de panfletos informativos nos postos de pedágio e a criação de uma parceria constituem as estratégias para a execução deste projeto, tendo como público-alvo os usuários das rodovias atendidas pela Concessionária.

 

  • Projeto “O COPATI no Shopping Catuaí”

Visa a exposição de materiais e a apresentação de vídeos relacionados ao COPATI, com o intuito de divulgar para a comunidade londrinense as atividades desenvolvidas pela organização relacionadas a preservação do meio ambiente.

Este projeto será realizado na praça de eventos do Shopping Catuaí (o maior da região), considerado um local de considerável fluxo diário de pessoas e ponto estratégico para a divulgação do COPATI, por meio do fornecimento de informações relativas aos projetos ambientais.

Esta iniciativa visa, como os demais projetos, ao fortalecimento do conceito da organização perante a comunidade londrinense. Tem como estratégias, a realização de parcerias, como a entabulada com o Shopping Catuaí, a exposição de materiais e vídeos que apresentem temas ligados a bacia do Rio Tibagi e ao meio ambiente em geral, e a distribuição de material institucional do COPATI.

 

  • Projeto “Informação nas Ruas”

Prevê a colocação de faixas com informes ecológicos em locais estratégicos da cidade de Londrina (que também não causem poluição visual), por meio de uma parceria entre o COPATI, que irá elaborar as faixas, e a Companhia Municipal de Urbanização – COMURB, que indicará os locais para a fixação das mesmas.

O intuito é fazer com que os cidadãos londrinenses se familiarizem com a importância da questão da preservação ambiental, atingindo um grande número de pessoas que transitam pela cidade.

Como COPATI não conta com recursos financeiros e humanos suficientes para a execução de todas as suas ações na área ambiental, a organização tenta implementá-las na medida do possível, por estar ciente de que o trabalho de preservação do meio ambiente não pode parar e deve ser contínuo.

 

PROGRAMA “SISTEMATIZANDO”

 

Visou promover a sistematização de algumas atividades para orientar e facilitar o trabalho do público interno nos contatos que se fazem necessários com os demais públicos.

Esse programa contou com dois projetos, sendo o implementado o “Banco de Dados”.

 

  • Projeto “Banco de Dados”

Por intermédio desse projeto, confeccionou-se uma listagem contendo informações diversas dos públicos do COPATI, a fim de otimizar o envio de correspondência – informações sistematizadas promovem facilidade de acesso e armazenamento. Esse projeto envolveu três etapas:

  • Realização do levantamento dos grupos já cadastrados;
  • Definição dos públicos de interesse para a organização;
  • Estabelecimento da sistemática para o cadastro e da forma adequada para facilitar o acesso às informações.

A implementação do banco de dados é fundamental para atender as necessidades da organização nos contatos que se fazem necessários para a divulgação das suas ações junto aos seus públicos.

 

  • Projeto “Manual de Organização de Eventos”

Propõe a elaboração de um manual instrutivo contendo informações e “dicas” sistematizadas e padronizadas que orientem os funcionários do COPATI na realização dos eventos.

 

PROGRAMA “RELACIONAMENTO”

 

Para que a organização possa manter um relacionamento efetivo com os seus públicos e se destacar no mercado, é fundamental que desenvolva canais de comunicação que a aproxime dos mesmos.

Cabe ao profissional de Relações Públicas implementar ações utilizando a comunicação dirigida de forma estratégica, a fim de atender as necessidades e os interesses tanto da organização quanto dos seus públicos.

Dessa forma, o Programa “Relacionamento” envolveu vários projetos, sendo executado a “Visita Ecológica”.

 

  • Projeto “Visita Ecológica”

Promoveu a realização de uma visita ao Parque Arthur Thomas, que conservou as características da cobertura original de Londrina, com a participação de 41 alunos da Escola Municipal Dalva Fahl Boaventura. O objetivo foi o de fazer com que os estudantes pudessem vivenciar na prática alguns dos aspectos teóricos relacionados ao meio ambiente, que normalmente aprendem na escola, e despertá-los para a necessidade da preservação dos recursos naturais.

Para a execução do projeto, foi incrementada uma parceria com a Autarquia de Meio Ambiente – AMA, órgão público municipal responsável pelo parque, e com uma empresa de transporte coletivo para o empréstimo de um ônibus.

Por possuir um caráter piloto, esse projeto poderá ser implementado posteriormente nas demais instituições de ensino de Londrina e região.

 

  • Projeto “Fique Por Dentro”

Pretende estreitar o relacionamento entre a organização e os seus associados, por intermédio da realização de reuniões informais bimestrais. Essas reuniões acontecerão na sede do COPATI e terão por objetivo manter os associados constantemente integrados às atividades, projetos e eventos desenvolvidos pela organização.

 

  • Projeto “Calendário de Eventos”

Implica a criação de um calendário de atividades relacionados ao meio ambiente, que será enviado a todos os associados no início do ano, por meio de mala-direta e por e-mail.

Visa informar e integrar os associados quanto aos acontecimentos, eventos da organização e datas comemorativas sobre o meio ambiente. Isso fará com que este público possa se programar para participar de forma efetiva em todas as atividades agendadas.

 

  • Projeto “Confraternização Anual do COPATI”

Irá organizar um evento de confraternização no final do ano, como forma de reconhecimento da importância dos colaboradores, dos associados e da diretoria, todos eles indispensáveis para o desenvolvimento e continuidade do trabalho da organização. Esse projeto estreitará o relacionamento da organização com esses segmentos de públicos

 

  • Projeto “O Meio Ambiente Depende de Nós”

Consiste em uma parceria com as instituições ambientais, como o IBAMA, o IAP e a AMA, para que sejam discutidos os problemas ambientais, com a finalidade de encontrar possíveis soluções.

Nesse sentido, o projeto visa aproximar instituições afins, definir ações conjuntas para proporcionar uma vida saudável a população, contribuir para manter a cidade limpa e conservada, além de mostrar aos cidadãos que essas instituições estão trabalhando em prol do meio ambiente e em benefício da própria comunidade.

 

  • Projeto “Lixo em Beneficiando da UEL e da Comunidade”

Pretende criar uma parceria entre o COPATI e a Universidade Estadual de Londrina – UEL, de forma que os centros de estudos dessa instituição recolham o lixo para a reciclagem. Esse material será vendido para uma empresa especializada e o dinheiro arrecadado será utilizado para a aquisição de produtos farmacêuticos para o Hospital Universitário Norte do Paraná e Hospital de Clínicas da UEL.

Com este projeto, o COPATI visa incentivar a Universidade a destinar adequadamente o lixo, bem como mostrar que essa iniciativa trará benefícios para a própria Universidade e sua comunidade.

As estratégias para a implementação deste projeto baseiam-se na realização de reuniões e elaboração de materiais para divulgação, como prospectos e cartazes.

 

  • Projeto “O COPATI nas Associações de Bairro”

Promoverá reuniões trimestrais com os representantes de cada bairro, a fim de incentivar a discussão e a busca de soluções para os vários problemas relacionados ao meio ambiente.

Dessa forma, os líderes de bairro terão a oportunidade de trocarem experiências para descobrirem ou implementarem formas alternativas de melhorar cada vez mais a qualidade de vida da comunidade.

Neste contexto, o COPATI buscará a cooperação das diretorias das associações de bairro, envolverá a comunidade nos assuntos ligados à problemática ambiental, integrará esse público quanto às atividades desenvolvidas, bem como criará ações que beneficiem a comunidade.

 

  • Projeto “Associe-se ao COPATI”

Indica a realização de um seminário que abordará um tema de interesse das prefeituras municipais, empresas públicas e privadas para apresentar o trabalho do COPATI, a fim de obter a adesão de novos associados.

Dessa forma, com o estabelecimento de novos contatos, as ações do COPATI atingirão maior abrangência, bem como será viabilizada a ampliação do número de associados, os quais poderão contribuir efetivamente para a continuidade das ações implementadas na área ambiental.

 

  • Projeto “Preservando os Pontos Turísticos de Londrina”

Visa manter os pontos turísticos limpos, por meio da distribuição de cartilhas ecológicas e sacos plásticos de lixo aos visitantes e aos próprios londrinenses que passeiam pela cidade.

Neste sentido, o COPATI será o responsável em providenciar as embalagens plásticas em parceria com um órgão governamental e com uma empresa responsáveis pelo recolhimento de lixo. Essa união beneficiará tanto o meio ambiente, como divulgará essas organizações como interessadas em manter a qualidade de vida da comunidade.

A implementação deste projeto incentivará as pessoas a adotarem uma postura pró-ambientalista, mantendo limpos os pontos turísticos. Isso fará com que os indivíduos relacionem o COPATI como uma organização voltada para questões ambientais, bem como tornará a cidade de Londrina um exemplo que poderá vir a ser seguido por outras cidades.

A distribuição de cartilhas ecológicas em postos de distribuição de cada ponto turístico da cidade e o apoio da mídia são as estratégias deste projeto.

 

  • Projeto “Workshop com a Imprensa”

Tem por objetivo estreitar o relacionamento com os profissionais da imprensa local para consolidar o COPATI como uma organização preocupada com a qualidade de vida da comunidade londrinense. Além disso, é importante integrar esse público quanto à gravidade da degradação ambiental, de forma que publiquem matérias relacionadas a este tema.

As estratégias para a execução são a criação de parceria com o Sindicato dos Jornalistas e a entrega do material institucional do COPATI aos jornalistas.

 

RESULTADOS

 

Entende-se que, ao executar os projetos de comunicação, iniciou-se uma ação pioneira no processo de fortalecimento do conceito organizacional. A implementação dos demais programas e projetos envolverão alguns segmentos do público interno e do externo, com a finalidade de estreitar o relacionamento, informar e buscar o reconhecimento e cooperação dos mesmos quanto às atividades do COPATI.

Além disso, verificou-se que as estratégias e técnicas de Relações Públicas podem contribuir para a reflexão dos indivíduos quanto a temática ambiental, uma vez que informam e auxiliam na formação das suas opiniões no que diz respeito à preservação dos recursos naturais, atitude da qual dependem as futuras gerações.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

ANDRADE, Cândido Teobaldo de Souza. Para entender relações públicas.  4. ed.  São Paulo: Loyola, 1993.

KUNSCH, Margarida Maria K. Obtendo resultados com relações públicas.  São Paulo: Pioneira, 1997.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS SOBRE O TEMA

 

CAPARELLI, Sérgio. Comunicação de massa sem massa.   3. ed.  São Paulo: Summus, 1986.

CARVALHO, Benjamim de Araújo. Ecologia e poluição.   Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1975.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO.   Nosso futuro comum.  Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1988.

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO.  Agenda 21.  Curitiba: IPARDES, 1997.

DIAS, Genebaldo Freire. Atividades interdisciplinares de educação ambiental.  São Paulo: Global, 1994.

_____. Educação ambiental: princípios e práticas.  3. ed.  São Paulo: Gaia, 1994.

HOGAN, Daniel Joseph, VIEIRA, Paulo Freire (Orgs.). Dilemas sócios ambientais e desenvolvimento sustentável.  2. ed.   Campinas: UNICAMP, 1995.

KUNSCH, Margarida Maria K., DENCKER, Ada de Freitas Maneti (Orgs.). Comunicação e meio ambiente.  São Bernardo do Campo: Intercom, 1996.

RIBEIRO, Vera Masagão, VIANNA, Aurélio, IÓRIO, Maria Cecília (Orgs.). Educação ambiental: uma abordagem pedagógica dos temas da atualidade.  2. ed.  São Paulo: Ação Educativa, 1994.

SCARLATO, Francisco. Do nicho ao lixo: ambiente, sociedade e educação.  São Paulo: Atual, 1992.

SIQUEIRA, Josafá Carlos de.  Ética e meio ambiente.   São Paulo: Loyola, 1998.

TOFFLER, Alvin, TOFFLER, Heidi. Criando uma nova civilização: a política da terceira onda.  5. ed.  Rio de Janeiro: Record, 1997.

WALDMAN, Maurício. Ecologia e lutas sociais no Brasil.   2. ed.  São Paulo: Contexto, 1994.

1-o-profissional-de-relacoes-publicas-administrando-a-comunicacao-para-o-fortalecimento-de-conceito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *