Análise de Softwares Educacionais            

Educ. Rev., Belo Horizonte(6):41-44, dez.1987

“A tarefa de avaliação de software educativo é complexa, uma vez que põe em julgamento vários aspectos inter-relacionados e que envolvem uma articulação de conteúdos de Informática, Computação, Comunicação, Psicologia, Pedagogia, etc.”

 

O educador pode fazer uso dos recursos das novas tecnologias como ferramentas educacionais. Uma destas ferramentas é o software, tanto aqueles que estão no mercado como ferramentas para otimização do trabalho em empresas, como os chamados  educacionais, dos quais a proposta é dar suporte ao processo de aprendizagem.

Assim, como todo recurso utilizado em sala de aula, o software  também deve passar por análise prévia do professor. Há que se avaliar as características visuais e também sua aplicabilidade dentro do projeto político-pedagógico da escola e do planejamento do professor.

CLASSIFICAÇÃO OU TAXIONOMIA DE SOFTWARE 

             Os software podem ser classificados  de acordo com a forma como usuário interage com eles, assim, há várias propostas com grandes grupos para a classificação.

 A classificação apresentada a seguir considera  vários autores:

 Software de referência são aqueles que apresentam informações a respeito de assuntos diversos como as enciclopédias.

Software de apoio pedagógico são aqueles que contribuem para o reforço de conteúdos apresentados ou funcionam para a introdução de novos conteúdos. Podem ser :

            De exercício e prática ou exercitação: propõem atividades tipo acerto/erro;

Simulação: permite a visualização virtual de situações reais;

Jogos educativos: têm o objetivo de divertir, porém exigem conhecimentos de determinados conteúdos;

Tutoriais: orienta o usuário para uma interação mais produtiva, permitindo o controle do grau de dificuldade e da seqüência.

Software de autoria: são software equipados com diversas ferramentas que permitem o desenvolvimento de projetos multimídia.

           Obs.: alguns software abrangem mais de uma subdivisão

Aspectos a serem considerados na escolha de software para uso educacional

            A metodologia mais comumente utilizada para se fazer avaliação de software educacional tem sido por meio de checklist, isto é, um conjunto de questões específicas e preestabelecidas, que visam conduzir o processo de avaliação.

A inserção de software deve ser norteada por interesses políticos e pedagógicos da escola. O software  em si não implica em nenhuma mudança no processo educacional se não for utilizado dentro de um contexto que envolva o projeto político-pedagógico da Escola, ele, o software,  deve ser visto como um instrumento que facilite o fazer no ambiente escolar.

Assim, o software deve apresentar algumas características fundamentais para sua aplicabilidade e usabilidade, que redundem em melhor desempenho no processo de aprendizagem. O conteúdo deve ser  apresentado de forma objetiva, priorizando a interatividade e criatividade, fornecendo sempre feedback.

Por outro lado ele deve ser estimulante, provocativo e desafiador para prender a atenção do aluno.

 

UM SOFTWARE ADEQUADO PARA USO EDUCACIONAL É AQUELE QUE:

- Propõe e/ou permite que o usuário complemente e interfira no produto e nas respostas, permitindo múltiplos caminhos de pesquisa e de soluções dos problemas. Assim poderá levar o aluno à: criatividade, facilidade de uso, interação, autoria, prazer e atualização de dados.

- Tem coerência com o princípio de construção coletiva para uma melhor qualidade de vida.

- Facilita a dimensão ética, pedagógica e de universalidade do processo de aprendizagem.

- Possibilita o raciocínio e a reflexão sobre a ação, para a produção de novas e melhores ações. Deste modo ele poderá ser: inovador, desafiador, crítico, provocativo, permitindo o erro.

- Professor e aluno possam registrar e refletir sobre o processo pelo qual construíram o seu conhecimento.

- É instigante, provocando no aluno a busca de novas informações, que lhe permitam levantar novas hipóteses.

- Permite o desafio e a reflexão possibilitando ao educando buscar, construir e valorizar sua produção.

- Possibilita a descrição dos procedimentos, de forma clara e objetiva para que o usuário possa construir seu conhecimento revendo sua ação.

- Tem o erro trabalhado e que a partir de um feedback o aluno possa aprender por meio dele, trabalhando-o na direção da construção do conhecimento.

- Desafia o aprendiz na busca da exploração do conhecimento de forma prazerosa.

- Dá condições para que o estudante prossiga, na construção do seu conhecimento de forma cooperativa. 

 

CRITÉRIOS EDUCACIONAIS PARA ANÁLISE DE SOFTWARE

            Os critérios educacionais para análise de software estão divididos em três partes:

- Documentação: diz respeito ao material  que acompanha o software e que traz informações quanto a faixa etária, conteúdos, manual de uso.

- Currículo: refere-se ao currículo previsto para o desenvolvimento de atividades escolares com a ferramenta;

- Aspectos didáticos, subdivididos em:

ü         Clareza dos conteúdos: a informação dos conteúdos a serem tratados deve ser clara e consistente,  facilitando sua compreensão. Deve ter boa legibilidade, ser explicativa e adequada ao público alvo (faixa etária e série, por exemplo).

ü         Assimilação e acomodação: verificação do tratamento que o software dá à apresentação dos conteúdos, no sentido de respeitar as diferenças individuais e os conhecimentos anteriores dos alunos. Esse subcritério diz respeito, também, à forma como o software promove a construção do conhecimento. Ex.: ritmo, níveis de dificuldade.

ü          Recursos motivacionais: diz respeito à capacidade que o software tem em despertar a atenção do educando e mantê-la ao longo da utilização do mesmo. Ex.: recursos multimídia, elementos lúdicos.

ü          Avaliação do aprendizado: o software deve apresentar recursos para a verificação do aprendizado, verificação esta que pode ser feita através de exercícios ou de situações problemas.

ü        Carga educacional: é a verificação a respeito da quantidade de informações que software apresenta. A falta, assim como o excesso de informações é prejudicial à aprendizagem.

ü        Tratamento das dificuldades e tratamento do erro: o software deve apresentar mensagens de erro de modo a permitir que o usuário perceba onde errou; deve também apresentar sugestões para a superação do erro. Ex.: possibilidade de refazer um exercício,  registro das dificuldades encontradas.

A SEGUIR O CHECKLIST PROPOSTO NO III ENCONTRO NACIONAL DO PROINFO

1. Qual a proposta pedagógica que permeia o software?

2. Proporciona um ambiente interativo entre aluno e o software? Como?

3. Permite uma fácil exploração?(seqüencial, não linear)

4. Apresenta conceitos de forma clara e correta?

5. Desperta o interesse do aluno, sem perder de vista os objetivos do software e do usuário?

6. Oferece alternativas diversificadas para a construção das ações do aluno?

7. Permite que o aluno construa seu conhecimento a partir da ação-reflexão-ação?

7.1. Tem recursos de programação?

7.2. Permite o registro e a consulta das ações desenvolvidas?

8. Os recursos de multimídia usados têm relevância para os objetivos do software?

9. Proporciona condições de abordagem sócio-cultural que contemple aspectos regionais?

especificados no software são compatíveis com a configuração dos equipamentos existentes na 10. Os aspectos técnicos escola?

11. É de fácil instalação e desinstalação?

12. Permite a utilização em rede?

13. Apresenta uma visão interdisciplinar?

14. Apresenta encarte com explicações sobre objetivos, conteúdos, equipe de desenvolvimento do software e sugestões metodológicas para a sua utilização?

15. Em que idioma o software é apresentado? Existe uma versão em português?

16. Em relação aos demais recursos didáticos, qual o diferencial que o software apresenta?

17. Proporciona um ambiente de aprendizagem por descoberta?

18. Permite a integração com outros software?

19. Apresenta um ambiente lúdico e criativo?

20. Qual o tipo de software (jogo, tutorial, exercício- prática, autoria, outros)?