A poesia-outra de Carlito Azevedo

Paulo Alberto da Silva Sales

Resumo


A tradição da ruptura e as tensões dissonantes em torno da modernidade lírica instauraram a crise como elemento fundador da experiência moderna. Inovações e experimentalismos na composição poética feitas a partir de categorias negativas, anormais e obscuras se firmaram como marcas dessa poesia desde Baudelaire e em seus herdeiros. Os vestígios da crise de verso e das cisões instauradas no modo de sentir lírico da modernidade se unem às tendências da inespecificidade da arte, da desterritorialização, da desconstrução e do hibridismo sintomáticos de poéticas contemporâneas. Carlito Azevedo é um dos principais nomes da recente lírica brasileira cuja obra poética causa, simultaneamente, estranhamento e fascínio em seus leitores pelo seu caráter inespecífico. Na tentativa de investigar a obscuridade intencional presente nos experimentos do poeta fluminense, principalmente mantendo os olhos fixos nos tempos, discursos e elementos utilizados como matéria de poesia, faremos um exercício de leitura de algumas passagens do Livro das postagens, publicado em 2016, composto de dois poemas que põem em xeque a própria noção de poesia lírica.

Palavras-chave


Modernidade e contemporaneidade; Experimentalismo; Poesia lírica; Carlito Azevedo

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. A ideia da prosa. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012b.

AGAMBEN, Giorgio. O homem sem conteúdo. Trad. Cláudio Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica, 2012a.

AZEVEDO, Carlito. Livro das postagens. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016.

AZEVEDO, Carlito. Monodrama. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009.

AZEVEDO, Carlito. Sublunar. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2001.

BÜRGER, Peter. Teoria da vanguarda. Trad. José Pedro Antunes. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

FRIEDRICH, Heinrich. Estrutura da lírica moderna: da metade do século XIX a meados do século XX. Trad. Marise M. Curioni. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

GARRAMUÑO, Florencia. As práticas da impertinência. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Trad. Carlos Nougué. Rio de Janeiro: Rocco, 2014, pp. 9-29.

GARRAMUÑO, Florencia. O império dos sentidos: poesia, cultura e heteronomia. Célia Pedrosa & Ida Alves. Subjetividades em devir: estudos de poesia moderna e contemporânea. Rio de Janeiro: 7 Letras, pp. 82-91.

GARRAMUÑO, Florencia. O passo de prosa na poesia contemporânea. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Trad. Carlos Nougué. Rio de Janeiro: Rocco, 2014, p. 49 – 81.

MARTELO, Rosa Maria. Poesia e des-equilíbrios. A forma informe: leituras de poesia. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010, pp. 9-18.

MORICONI, Italo. Poesia e crítica, aqui e agora (ensaio de vocabulário). Beatriz Resende & Ettore Finazzi-Agró. Possibilidades da nova escrita literária no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2014, pp. 81-90.

SISCAR, Marcos. Poesia e crise: ensaios sobre a “crise da poesia como topos da modernidade. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.

SÜSSEKIND, Flora. A imagem em estações – observações sobre “Margens”, de Carlito Azevedo. Célia Pedrosa & Ida Alves. Subjetividades em devir: estudos de poesia moderna e contemporânea. Rio de Janeiro: 7 Letras, pp. 63-81.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2020v38p90

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 10

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco