Quanto dói e o que constrói uma saudade

Patrícia da Silva Cardoso

Resumo


Tendo como elemento central o par de amantes Pedro e Inês, a proposta deste artigo é discutir o lugar ocupado pela saudade, enquanto tema e questão, no imaginário cultural e literário contemporâneo em Portugal, a partir da articulação de alguns posicionamentos observados na crítica e na produção literária, nomeadamente de Eduardo Lourenço e Nuno Júdice.


Palavras-chave


Identidade; Saudade; Eduardo Lourenço; Nuno Júdice

Texto completo:

PDF

Referências


DUARTE, D. Leal conselheiro o qual fez Dom Eduarte, Rey de Portugal e do Algarve e Senhor de Cepta. Joseph M. Piel (ed.). Lisboa: Bertrand, 1942.

FERREIRA, António. Castro. Coimbra: Atlântida, 1961.

JÚDICE, Nuno. O Estado do Sítio. Ler – livros e leitores, n. 12, outono de 1990. Cidade onde é publicada? Número das páginas inicial e final?

LOPES, Fernão. Crónica de D. Pedro. Lisboa: Livros Horizonte, 1977.

LOURENÇO, Eduardo. Da literatura como interpretação de Portugal. O labirinto da saudade. Lisboa: Dom Quixote, 1992. Número das páginas inicial e final?

RESENDE, Garcia de. Trovas que Garcia de Resende fez à morte de Dona Inês de Castro... . Antologia do Cancioneiro Geral. Lisboa: Ulisseia, s/d.

TATIT, Luiz. Saudade Moderna. Diletantismo, disco do grupo musical brasileiro Rumo, lançado em 1983 pelo selo Lira Paulistana. (https://www.youtube.com/watch?v=-4nLd63mPp0)




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2018v36p18

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Fale conosco