O erotismo como embate: o corpo na (da) poesia feita por mulheres

Bruna Renata Bernardo Escaleira, Emerson da Cruz Inácio

Resumo


Este artigo busca discutir poéticas que abordam o corpo e a condição da mulher em Portugal e no Brasil nas décadas de 1970 e 1980, a partir da produção de autoras como Maria Teresa Horta, Clarice Lispector, Ana Cristina Cesar, Luiza Neto Jorge, Adélia Prado e Olga Savary, dentre outras. Num momento de luta contra a repressão estatal e dos aparelhos ideológicos, observa-se a emergência de um discurso (FOUCAULT, 2014) contestatório em que o corpo feminino torna-se sujeito do processo literário, sobretudo, na poesia de cunho erótico. Por meio do comparatismo literário comprometido com o sentido e os efeitos de presença dos textos (GUMBRECHT, 2010), propõe-se uma análise das relações entre essa nova escrita transgressora (FOUCAULT, 1963) e o cânone, à luz do pensamento de Derrida (1986) e em consonância com os discursos feministas. Observa-se que o embate pela liberdade material dos corpos também pode realizar-se no e por meio do próprio discurso, num movimento que persiste na poesia feita por mulheres até hoje.


Palavras-chave


Poesia de Língua Portuguesa; Gênero; Erotismos; Literatura Comparada

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Ana Luísa & Maria Irene Ramalho de Souza Santos. Sobre a “escrita feminina”. Oficina do CES (Coimbra), n. 90, abr. de 1997. Disponível em: https://ces.uc.pt/pt/publicacoes/outras-publicacoes-e-colecoes/oficina-do-ces/numeros/oficina-90

AMARAL, Helena & Felipa Mourato. O processo das três Marias: história de um julgamento. Capazes, 25 out. 2015. Disponível em: https://capazes.pt/cronicas/editorial/o-processo-das-tres-marias-historia-de-um-julgamento-por-felipa-mourato/view-all/.

BARRENO, Maria Isabel, Maria Teresa Horta & Maria Velho da Costa. Novas Cartas Portuguesas. Lisboa: Futura, 1974.

BARROSO, Carmen. Mulher, Sociedade e Estado no Brasil. UNICEF. São Paulo: Brasiliense, 1982.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Tradução: Sergio Millet. 2.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009. 2v.

BORGES, Joana Vieira. Trajetórias e leituras feministas no Brasil e na Argentina (1960-1980). 2013. UFC, Tese (PPG em História). Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/107433

CAMÕES, Luís Vaz de. Os Lusíadas. Porto: Porto, 1982.

CESAR, Ana Cristina. Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

CESAR, Ana Cristina. Escritos no Rio. Rio de Janeiro: UFRJ, 1993.

CIXOUS, Hélène. O riso da Medusa (1975). Izabel Brandão (org). Traduções da Cultura: Perspectivas críticas feministas (1970-2010). Florianópolis: EDUFAL, 2017. p. 129-155.

DERRIDA, Jacques. Parages. Paris: Galilée, 1986.

FOUCAULT, Michel. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. . Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

GOTLIB, Nádia Battella. A literatura feita por mulheres no Brasil. Oxford: University of Oxford, 2001.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Trad. Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010.

HANISCH, Carol. The Personal is Political (1969). Disponível em: http://carolhanisch.org/CHwritings/PIP.html.

HILST, Hilda. da morte. odes mínimas. São Paulo: Massao Ohno/Roswitha Kempf, 1980.

HANISCH, Carol. Fluxo-Floema. São Paulo: Perspectiva, 1970.

HORTA, Maria Teresa. Educação Sentimental. Lisboa: A Comuna, 1976.

INÁCIO, Emerson da Cruz. Do corpo o canto, perfumada presença: o corpo, Fluxo-Floema e Novas Cartas Portuguesas. USP 2016. Tese (Livre-Docência).

JORGE, Luiza Neto. Os sítios sitiados. Lisboa: Plátano, 1973.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

PRADO, Adélia. Terra de Santa Cruz. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.

RAMALHO, Maria Irene. Os estudos sobre as mulheres e o saber: donde se conclui que o poético é feminista. EX AEQUO, n. 5, 2001, pp. 107-122.

RÜSCHE, Ana. o corpo é um corpo. Blog: ana rüsche l escritora (São Paulo), 2014. Disponível em: http://wordpress.anarusche.com/o-corpo-e-um-corpo/.

SAVARY, Olga. Magma. São Paulo: Massao Ohno/Roswitha Kempf (coedição),1982.

RÜSCHE, Ana. Repertório selvagem – Obra reunida – 12 livros de poesia. Rio de Janeiro: Multimais, 1998.

SOUZA, Sandra Maria Nascimento. Mulheres em movimento: memória da participação das mulheres nos movimentos pelas transformações nas relações de gênero dos anos 1970 a 1980. São Luís: EDUFMA, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2018v35p98

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Fale conosco